Fevereiro 23 2011

O futebol é rico em exemplos quanto às políticas de fachada, à megalomania, ao novo-riquismo e ao provincianismo serôdio que abundam na sociedade portuguesa.

O Estádio Magalhães Pessoa constitui espelho da desadequação entre a perceção que frequentemente anima políticos e governantes e aquilo que a realidade do país e, sobretudo, da vida das populações aconselha. Erguido como um dos templos do Euro que Portugal acolheu, está convertido num dos muitos elefantes brancos que o erário público amamenta.

Agora, a União de Leiria decidiu deixar de ali jogar. Independentemente das razões que estão por detrás dessa atitude radical, várias coisas transparecem de imediato, entre elas, duas: que para a alta competição é preciso dinheiro, não bastando fingir que se tem condições para ir a jogo, e que há estádios novos com viabilidade duvidosa, logo na gravidez, que não passam de dispendiosos esqueletos de betão. O futebol é, cada vez mais, um mundo de faz-de-conta, com muita estrutura que desaba perante o confronto com a realidade e protagonistas que, em muitos casos, se limitam a cavalgar oportunismos e vaidades sem limite.

No Algarve, o Estádio Intermunicipal Faro/Loulé é outra amarga referência, não valendo a pena acentuar as cores negras falando do Bessa. O mundo das aparências que sustentam a ilusão vai sendo abalado pelo impacto da verdade. Com a crise entrincheirada em cada esquina, a consciência do desperdício que poderia ter servido para acorrer a situações gritantes da sociedade torna-se insuportável. Se, ao menos, se tivesse conseguido valorizar o talento nacional ainda se encontraria uma escapatória, se bem que frágil, para justificar o pagamento da fatura que sempre chega a todos nós.

Infelizmente, o que se vê é a completa dependência dos clubes portugueses em relação a atletas estrangeiros. Até as equipas pequenas estão enxameadas de sul-americanos. Uma formação digna de se apelidar de nacional só se consegue no plano das seleções, elas próprias já também de portas abertas aos naturalizados.

Dir-se-á que tudo é normal. Não acho, nem entendo, que o chamado progresso competitivo nos condene desse modo. A arrumação tem de começar por qualquer lado. Desde logo, pela Federação Portuguesa de Futebol, que necessita de resolver dois problemas: a ilegalidade em que vive e o rejuvenescimento da sua direção.

Autor: JOSÉ EDUARDO MONIZ
Fonte: Record
publicado por Benfica 73 às 03:32

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

BENFICA 73
contador grátis
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





subscrever feeds
comentários recentes
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Here is a good news for those interested. There is...
Viva o BenficaSaudações de UMA TETRA
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...