Dezembro 10 2010

ELMANO SANTOS - El Mano para os amigos, provavelmente - não tinha muito por onde escolher quando Jailson converteu com êxito o pontapé de grande penalidade que permitiria ao Vitória de Setúbal empatar o jogo com FC Porto no Estádio do Dragão.
Como é absolutamente perceptível através das imagens televisivas, de apito na boca, o árbitro madeirense viu Jailson correr para a bola e, depois, desacelerar a corrida para enganar Helton com um pontapé de belo efeito. Mas El Mano mandou repetir o castigo porque ainda não teria apitado para autorizar a cobrança.
El Mano é assim mesmo. Se Jailson tivesse acertado nas redes no ser segundo chuto, El Mano teria mandado repetir, uma vez mais, porque estava um jogador do FC Porto dentro da área o que, pela lei, é proibido. Mas Jailson falhou, atirou para as nuvens e El Mano suspirou de alívio, outra coisa não poderia ele fazer.
Faltava pouco tempo para o fim do jogo e o empate iria, certamente, complicar a vida do árbitro tendo em conta os registos históricos do campeonato corrente.
Sempre que o FC Porto empatou nesta temporada aconteceu que o seu treinador, André Villas-Boas, fez-se expulsar. Ora, na segunda-feira, Villas-Boas, que já tinha sido expulso na jornada anterior em Alvalade, não estava no banco.
Foi nisso que terá pensado o árbitro quando o Vitória de Setúbal empatou. «Agora vou ter de expulsar o Villas-Boas... espera aí... não posso expulsar o Villas-Boas... só se subir os degraus todos da bancada até ao camarote onde ele está a ver o jogo...»
De acordo com esta perspectiva é legítimo especular no que se teria passado se o mesmo Jailson tivesse logo falhado o seu primeiro pontapé de grande penalidade sem que o árbitro tivesse ainda apitado para autorizar a execução do castigo.
Teria El Mano mandado repetir o penalty?
Certamente que não.
Não se atreveria a prolongar a agonia e o suspense nas bancadas do Estádio do Dragão e inviabilizada a hipotética igualdade a tão curta distância do final do jogo, jamais El Mano Santos correria o risco de se expor a uma segunda tentativa de golo para o empate. Principalmente porque não poderia, de seguida, expulsar o ausente Villas-Boas, como mandam as regras de isenção nesta prova.
Há dez anos, num Benfica - Sporting, aconteceu uma coisa parecida. Pierre Van Hooijdonk converteu com sucesso uma grande penalidade contra os rivais e o árbitro Jorge Coroado mandou repetir o castigo ou porque estaria algum jogador dentro da área ou porque considerou que Van Hooijdonk, estando isolado de frente para o guarda-redes do Sporting, se encontrava em posição de fora-de-jogo, sem dúvida a hipótese mais verosímil.
A verdade é que o segundo pontapé do fabuloso avançado holandês foi ainda mais certeiro e mais potente do que o primeiro, Coroado deu o concurso por terminado e mandou a bola ir ao centro para grande alegria de Van Hooijdonk, que até deitou a língua de fora, e para alegria de José Mourinho que era o treinador do Benfica e que até esboçou um manguito mais do que apropriado.
Quarenta e oito horas depois do último FC Porto - Vitória de Setúbal, surgiram através da imprensa declarações do presidente dos sadinos insurgindo-se contra a «displicência» com que o pobre Jailson correu pela segunda vez para a bola. Não parece justa esta indignação de Fernando Oliveira. Pierre Van Hooijdonk há poucos... Coroados e Elmanos é que há muitos.

A Espanha perdeu a organização do Mundial de 2018 para a Rússia. Ou seja, a Rússia teve de esperar pelo desmembramento da União Soviética para se poder apresentar solteira e vitoriosa perante os maiores da FIFA. E a Espanha, apresentando-se casada com Portugal, não teve direito à festa.
Nem se poderá dizer que a Espanha perdeu o Mundial porque levou um noivo fraco ao concurso. A FIFA de Blatter gosta de afirmar o seu expansionismo abrindo caminho por anteriormente inimagináveis fronteiras-mercados, como já aconteceu com a Coreia-Japão-África do Sul e irá acontecer, em 2022, com o Catar, sem dúvida o mais exótico de todos os destinos na rota da poderosa indústria do futebol.
Os espanhóis, campeões do mundo, terão ficado aborrecidos com o contratempo. E os portugueses? E nós?
Vejamos as coisas pelo lado bom. Livrámo-nos de oito anos de agitação e propaganda das virtudes do matrimónio ibérico e, como bons patriotas que somos, podemos ainda festejar com Irina Shaik, a noiva russa do português mais famoso em todo o mundo, Cristiano Ronaldo, o sucesso da candidatura do seu país.
E nem vamos ter que pagar a boda, felizmente.

A Checoslováquia foi em Estado que se desmembrou em dois outros Estados, a República Checa e a Eslováquia e agora, diz a imprensa internacional, quer reatar a relação exclusivamente no que diz respeito ao futebol. As Federações de Futebol dos dois países deitaram contas à vida e mostrando-se saudosas do tempo em que havia um campeonato da Checoslováquia, mais intenso e mais divertido, solicitaram um parecer à UEFA sobre a hipótese de se voltarem a casar.
Como consequência do noivado ibérico que levou até ao altar da FIFA a proposta da organização comum do tal Mundial de 2018, diz a imprensa nacional que os presidentes das duas Ligas, José Luis Astiazaran, da Liga de Madrid e Fernando Gomes da Liga do Porto, estão a equacionar «a fusão das principais Ligas de futebol dos dois países».
A UEFA, contactada para tal eventualidade, deu a mesma reposta que terá dado aos checos e aos eslovacos, saudosos da Checoslováquia: «Não existe nos regulamentos nem nos estatutos nada que impeça duas Ligas de se juntarem na organização de um só campeonato. No entanto, o primeiro passo terá de ser dado pelos interessados.»
Ah, que bom seria vermos o grande El Mano Santos a arbitrar o Ayamonte-Monte Gordo! E segue já o pedido de desculpas quer para Ayamonte quer para monte Gordo...

EM Portugal temos uma competição interna, o campeonato, que até se poderia chamar a Taça do Golfe por razões sobejamente conhecidas. Mas nas Arábias existe mesmo uma competição, de cariz internacional, que se chama Taça do Golfo, o que sendo uma coisa completamente diferente do nosso golfe-futebolístico, não deixa também de ter um saborzinho amargo português, pelo menos nas suas duas últimas edições.
É que a saga de José Peseiro, agora no comando da selecção da Arábia Saudita, continua a impressionar. Depois de ter perdido a Taça do Golfo, no ano passado, para a selecção de Omã no desempate por grandes penalidades, coube-lhe perder, no passado domingo, a mesma competição para a selecção do Kuwait no prolongamento. Um dia isto vai ter de mudar... só que não se sabe em que continente será.
Já Nelo Vingada, por exemplo, encontrou a felicidade no continente asiático e ei-lo campeão da Coreia do Sul aos comandos do FC Seoul. É obra.

O Benfica continua na Europa. Foi Obra, oh, se foi...

Autor: Leonor Pinhão

Fonte: A Bola

publicado por Benfica 73 às 17:05

BENFICA 73
contador grátis
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





comentários recentes
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Here is a good news for those interested. There is...
Viva o BenficaSaudações de UMA TETRA
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...