Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

O golfe em Portugal já não é um desporto de elite

06.05.10, Benfica 73

A rivalidade histórica do futebol português é entre o Benfica e o Sporting. O que se passa entre o FC Porto e o Benfica é mais do domínio das rivalidades histéricas de conjuntura, como ainda se viu no último domingo. O desamor entre o Benfica e o Sporting vem desde o berço dos dois emblemas de Lisboa e, por isso mesmo, fazendo bem as contas, tem mais de um século esta questão de estrutura.

Na matriz do Benfica e do Sporting a grande fractura teve uma origem de classe porque o Benfica foi fundado por órfãos da Casa Pia, que nem dinheiro tinham para comprar bolas, enquanto o Sporting foi fundado pelo visconde de Alvalade que imediatamente contemplou à nascença a sua agremiação com um campo de futebol, duas dúzias de pares de botas e uma colecção completa de equipamentos.

Quando a benfiquistas e a sportinguistas lhes dá para embirrar uns com os outros, o que acontece todos os dias há mais de cem anos, gostam os primeiros de chamar aos segundos  de viscondes e de emproados e os segundos gostam de lembrar aos primeiros a sua marca original de pobretanas e de pés-descalços.

Isto, evidentemente, quando as discussões são ao mais alto nível. Quando as discussões envolvem as claques dos dois clubes e, por isso mesmo, decorrem ao mais baixo nível, é lamentavelmente à pedrada que se estabelecem argumentos e contra – argumentos, como ainda há pouco tempo se observou por ocasião de um jogo decisivo do campeonato de futebol de juniores.

Ora, ao contrário do futebol que é um desporto popular, sendo o golfe, como todos havemos de concordar, um desporto de alto nível, enfim, de elite não deixa de causar estranhezas que tenham sido as claques o FC Porto, que também não é propriamente um clube de viscondes, a introduzir a modalidade de arremesso das propriamente ditas bolas de golfe, que custam um dinheirão, no lugar das pedras da calçada, a custo zero e à mão de semear.

E bastou um domingo de futebol no Dragão para que o golfe, em Portugal, deixasse de ser um desporto de elite.

Trata-se de um claro sinal da evolução da nossa sociedade que temos por mania menosprezar e rebaixar quando a comparamos com as sociedades de outros países mais cultos, mais ricos, mais evoluídos. Como a fabulosa Itália, por exemplo.

No último fim-de-semana, na bela Roma, centro de um antigo império, a Lazio recebeu no seu estádio o Inter de Milão, que anda a discutir ferozmente o scudetto com a AS Roma. Como é do domínio público, Lazio e AS Roma cumprem na perfeição o seu papel de rivais históricos dentro da mesma cidade, ou seja, não se suportam. Para os tifosi da Lazio a pior coisa que lhes pode acontecer é ver a Roma sagrar-se campeã de Itália. E vice-versa, pois claro.

Posto isto, não causaria o menor espanto que os adeptos da Lazio que encheram o Estádio Olímpico para a recepção ao Inter se sentissem com o coração dividido perante a importância do resultado em discussão. Vencer a equipa de Mourinho seria muito bonito, porque se trata de uma grande squadra, finalista da Liga dos Campeões, mas seria, em termos práticos, entregar o título numa bandeja aos rivais da AS Roma. Que situação mais intolerável!

Mas o que acabou por acontecer no Estádio Olímpico, no domingo passado, superou todas as expectativas dos cronistas e historiadores do fenómeno da rivalidade desportiva. O Inter ganhou por 2-0 e os adeptos da Lazio, sem qualquer espécie de vergonha, festejaram em delírio os dois golos do Inter à sua própria equipa, como se os de Milão estivessem a jogar contra a AS Roma e não contra a Lazio.

Este episódio absurdo vai, certamente, alimentar o desamor AS Roma-Lazio por mais cem anos. E é com estas anormalidades que se constroem rivalidades históricas entre vizinhos embora, neste caso específico, convêm, ressalvar que os tifosi da Lazio ultrapassaram todos os limites da decência e do amor-próprio. E são eles italianos, do tal país mais evoluído, rico e culto do que o nosso.

Por isso mesmo, é hoje devida uma homenagem aos sportinguistas, rivais históricos dos benfiquistas, pelo modo cavalheiresco com que têm vindo a suportar os engulhos da corrente temporada.

Por finais de Fevereiro, quando lhes coube receber o FC Porto, em Alvalade, embora com o coração dividido perante a eventualidade de uma vitória das suas cores permitir ao Benfica distanciar-se na liderança, os sportinguistas festejaram a quase – goleada – e, aparentemente, não ficaram a remoer sobre o inestimável serviço prestado ao Benfica. Aparentemente, convém realçar…

Como se não bastasse, dois meses mais tarde, quando o Benfica voltou a precisar dos bons ofícios do Sporting, o Sporting voltou a responder com decência e desportivismo, aceitando adiar por 48 horas a sua visita à Luz de modo a permitir ao rival o descanso necessário físico e psicológico depois da viagem infeliz a Liverpool. Fica, portanto, o Benfica a dever uma gentileza destas ao Sporting quando surgir a ocasião para tal.

Temos, assim, uma fortíssima e bem condimentada rivalidade secular entre dois emblemas da mesma cidade, Lisboa, com tristes episódios de excessos, porventura inevitáveis perante tantas complacências superiores à vista de tantos comportamentos inferiores, mas temos também uma rivalidade que é essencialmente futebolística, que tem dispensado até ao presente os artefactos do golfe, e que se sabe restringir, de um modo geral, às fronteiras (ainda que muito alargadas) do bom senso.

No entanto, há limites para tudo…

E se no último domingo, em Alvalade, o público da casa desatou em ovação quando Fábio Júnior fez o golo da Naval que ditaria a oitava derrota do Sporting no campeonato 2009/2010, a situação não revela masoquismo nem, muito menos, nenhuma semelhança com os ventos de Estádio Olímpico de Roma, pela simples razão de que a Naval, ao contrário do Inter, não está a lutar pelo título. Os sportinguistas, na verdade, nem sequer estavam a celebrar o golo de Fábio Júnior que, por coincidência aconteceu no mesmo minuto em que, no Estádio do Dragão, Farias desempatava a favor do FC Porto o jogo contra o Benfica.

Compreenda-se o espírito sportinguista do instante. A eventualidade de term de abandonar o seu estádio e de regressar a casa por entre a algazarra benfiquista em festa seria mais difícil de suportar de que todos os engulhos da época, incluindo os discursos do presidente Bettencourt.

E foi com este espírito que os sportinguistas, sem nada de seu para festejar, celebraram com justa emoção e não menor alívio o terceiro golo do FC Porto e o golo solitário do Sporting de Braga.

Nenhum benfiquista lhes pode levar a mal. Se fosse ao contrário, passar-se-ia exactamente a mesma coisa.

São as grandezas e as pequenezas do momento e de cada um.

E que bom é não estarmos nós no momento das pequenezas.

Di María terá feito o seu último jogo com a camisola do Benfica. É uma pena velo partir. E é uma pena não o vermos jogar no domingo contra o Rio Ave. No jogo com o FC Porto o jovem argentino esteve sempre muito bem. Atirou uma bola à trave com grande estrondo e, minutos depois, caíram-lhe dois adversários em cima e mandaram-no ao chão. Di María levantou os braços em sinal de protesto e o árbitro despachou-o logo com um cartão amarelo por «protestos». Foi uma grande noite para Olegário Benquerença que fica para a história como o malandro que teve o desplante de expulsar Fucile.

Autor: Leonor Pinhão
Fonte: Jornal A Bola

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.