Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Aimar regressa ao comando da PlayStation

03.10.10, Benfica 73

Meses depois de se terem encontrado naquele que foi o “jogo do título” da época passada (à 24ª jornada, em 27 de Março), Benfica e Sp. Braga voltam a defrontar-se no Estádio da Luz num cenário totalmente diferente. Se há seis meses as duas equipas eram as grandes protagonistas do campeonato, não permitindo à concorrência tradicional intrometer-se na luta pelo primeiro lugar, agora, tudo é ao contrário, com o Benfica em situação mais delicada.

O embate de mais logo tem, ainda assim, ingredientes bem aliciantes, mesmo não sendo o tal “jogo do título”. Em primeiro lugar, porque quem vai à frente da liga é o FC Porto; em segundo, porque desta vez o Benfica está atrás dos bracarenses na classificação; e em terceiro lugar porque as circunstâncias “obrigam” as duas equipas a vencer se quiserem manter viva a esperança de lutar pelo título. E como é impossível os dois ganharem, a pressão sobre Jorge Jesus e Domingos Paciência é bem maior do que desejariam num momento tão madrugador do campeonato.

E para não deixar nada ao acaso, num jogo deste cariz, Jorge Jesus recorre a todas as suas armas, fazendo regressar Pablo Aimar ao comando do meio-campo ofensivo da sua equipa. O argentino esteve ausente no jogo da Madeira, ante o Marítimo, e começou como suplente na deslocação à Alemanha ante o Schalke 04.

Dizem os registos que o Sp. Braga não se dá bem com os ares da Luz, tendo conseguido apenas um triunfo em 54 visitas. Curiosamente, até o próprio Jorge Jesus, na qualidade de treinador do Sp. Braga, admitiu que vencer na Luz era quase uma missão impossível quando brincou com a referência à PlayStation.

No jogo de logo, bem pode dizer-se que Jesus entrega o comando da Playstation encarnada a Pablo Aimar. A “máquina” benfiquista da época passada ainda não conseguiu fazer-se notar este ano e por isso a pressão que recai sobre a equipa – e Aimar como comandante natural de toda a movimentação ofensiva – que se vê na obrigação de não perder a oportunidade de colocar (alguma) pressão sobre o FC Porto.

Fonte: Record