Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Adversários (João Paulo Guerra)

17.04.12, Benfica 73

O multimilionário russo de Stamford Bridge precisou de duas arbitragens marteladas para ultrapassar o Benfica nos quartos-de-final da Liga dos Campeões. Em jogo, o Benfica foi sempre superior. Mas, primeiro foi na Luz, onde o capitão do Chelsea exibiu a sua impunidade ao cortar uma bola com o braço dentro da área nas barbas do árbitro. E o pior estava para vir em Londres, onde um esloveno com cadastro anti-benfiquista fez a mais incompetente, ardilosa e parcial arbitragem do ano.

Valeu tudo: faltas das quais saíram punidas as vítimas; total impunidade para a brutalidade dos donos da casa; faltas a beneficiar o infrator ou simplesmente para virar o sentido do jogo; cartões sem justificação ou mesmo por engano no jogador; um penalti arrancado a ferros; uma expulsão, ao segundo amarelo, após um primeiro cartão mostrado sem qualquer razão.

O Benfica jogou condicionado pelo árbitro escolhido pela UEFA. E dá ideia que esta passou a ser prática usual da UEFA na era Platini: favorecer os mais ricos, para promover finais que sejam negócios de milionários, o que o sorteio para os quartos-de-final já prenunciava. O Benfica ficou a saber como é mas, na verdade, não deve ter ficado muito surpreendido. Em Portugal, quando perde pontos, ou mesmo muitas vezes quando os ganha, o Benfica é por sistema vítima de erros e de excessos de arbitragens. Enquanto os seus adversários são invariavelmente beneficiados pelos mesmos ou outros homens do Apito.

O Benfica sempre que ganha vence mais que um adversário.

Fonte: Jornal O Benfica