Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

O Circo chegou ao Futebol - O Palhaço-Mor também!!!

15.03.12, Benfica 73
O presidente do Gil Vicente, António Fiúsa, revelou que os clubes estão prontos para parar o campeonato se a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) chumbar o alargamento da Liga. 

«Não quero acreditar que a direção do FPF vá tomar essa decisão. A direção de Fernando Gomes não pode apenas servir os interesses de três ou quatro clubes e alguns lobbies, tem, sim, de servir o interesse da maioria. A direção de Fernando Gomes foi eleita para promover uma melhoria real no futebol português. Se ele tomar essa decisão, que vai contra a maioria, estará a fazer o que tem sido feito nos últimos anos, contrariando a ideia de rotura com o passado, como foi anunciado. A direção foi eleita pelos pequenos e médios clubes, pelas pequenas e médias associações. Ele sabe que os pequenos e médios clubes deram a cara por ele e trabalharam para a sue eleição, ao contrário do que era o desejo de três ou quatro clubes», defendeu António Fiúsa.

O presidente do Gil Vicente apontou uma das razões por que os grandes clubes não querem o alargamento: «Em média são realizados 35 jogos por época, que correspondem a 35 fins de semanas, mas ano tem 52 fins de semana. Façam as contas e vejam quanto é que os clubes gastam com jogadores quando estes têm quase três meses de férias. Os clubes grandes não querem o alargamento unicamente para terem a hipótese de realizar digressões pela Ásia, África e América. Ora, se existir o alargamento, realizam-se mais jogos no campeonato e reduz-se o tempo disponível para os grandes clubes realizarem essas viagens. É tudo uma questão de dinheiro».

António Fiúsa assegura que os clubes querem uma mudança e estão prontos para parar o campeonato: «Os clubes entre outras iniciativas, como a possibilidade de entrar 30 minutos atrasados nos jogos, admitem inclusivamente parar o campeonato, isto se for preciso recorrer a algo mais radical para fazer valer o desejo da maioria. Ou isto é uma democracia ou não é. Se em democracia os ricos é que mandam então nas próximas eleições legislativas só vale a pena convidar o senhor Belmiro Azevedo, Américo Amorim e a família Espírito Santo a votar».
Fonte: A Bola