Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Betos com fósforos

30.11.11, Benfica 73

A lagartagem - a osgalhada, se quiserem, que já me tentaram processar por usar o termo anterior (a sério) - é, como se sabe, essencialmente um conjunto de betos invejosos que vivem ancorados num ressentimento gravado a pedra nos cornos de cada uma destas criaturas sapudas. Como tal, e como nós - o objecto do ressentimento, o Benfica, os Benfiquistas - não lhes ligamos puto, o que fazem invariavelmente é criar 'casos' do nada, inventando situações em que são 'injustiçados' pelo Benfica, para depois e sistematicamente (i) justificarem a sonora queda com os dentes e cornos no chão sempre que se metem connosco e (ii) mostrarem uma indignação histérica contra o Glorioso para unir a lagartagem osgalhada, normalmente tresmalhada à primeira contrariedade. Em todos os manuais que ensinam como ser um bom lagarto uma boa osga vem como primeiro mandamento e conceito estratégico fundamental o ataque ao Benfica para ganhar o apreço dos demais lagartos osgas. 

Hoje foram longe demais. O Benfica, e muito bem, desenhou um novo modelo de segurança para os adeptos organizados adversários. Frise-se o 'organizados', porque toda a gente pôde ver muito bom lagarto muito boa osga espalhada pelo Estádio, em todos os sectores, em amena cavaqueira com os tolerantes adeptos Benfiquistas. O que, como a besta jurássica do Paulo Pereira Cristóvão muito bem sabe, não se vê no Alvalixo, onde a tolerância só é praticada para com os amigos corruptos do Norte.

O Benfica, como dizia, desenhou um novo modelo de segurança e resolveu aplicá-lo, como qualquer entidade inteligente o faria, no primeiro jogo em que se recebe gente que não se sabe comportar (a malta da fruta ainda não veio cá este ano). O que faz, como se esperaria, a lagartagem osgalhada?
Um chinfrim hipócrita e cretino, e a geração espontânea de mais um caso que nasce do buraco do cu dos fantoches que os dirigem para unir a lagartagem osgalhada e ganhar a simpatia dos sapos já desinchados na eventualidade de baterem com os cornos no chão. Vão incendiando o ambiente - que até estava razoavelmente pacífico - e como a coisa corre de facto mal, tendo batido mais uma vez de forma tonitruante com o focinho na calçada, no final do jogo um cretino pré-histórico da direcção lagarta osga faz um discurso extraordinário - na medida em que é efectuado na sua totalidade com a abertura do ânus (cuidem-se os ventríloquos e os proctologistas) - em que incendeia ainda mais os ânimos, a birrinha dos betos e, consequentemente, parte do estádio. Literalmente.


Parece-me claro que estes ordinários jurássicos têm de ser responsabilizados. Mande-se-lhes a factura do belo serviço que as osgas pirómanas fizeram no nosso Estádio. Corte-se as relações com estes profissionais da hipocrisia. E proíba-se a entrada futura deste tipo de animais. Eu, pela minha parte, estou disposto a contribuir com o que for preciso para as multas que resolverem inventar.

 

Ver o meu Estádio vandalizado por betos com fósforos? Não, obrigado. Há um limite para a tolerância com o louco da aldeia, e normalmente acaba quando este nos começa a incendiar a casa.

Autor: Carlos Miguel Silva (Gwaihir)

Fonte: Blog Tertúlia Benfiquista

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.