Março 19 2010

                                            Um Benfica que faz sonhar

 

Marselha esperou 20 anos por uma noite que acabou em beleza… para o Benfica. E que jogo fizeram as águias no “Inferno do Vélodrome”! No momento em que precisava de chegar à perfeição, a equipa esteve sublime. Quando se impunha concentração máxima, foi glaciar. Quando era necessário atrevimento, houve autoridade. O resultado de tudo isto foi uma exibição colectiva de rara qualidade - frente a um adversário poderoso, da primeira linha europeia (com o triplo do orçamento) e que até levara da Luz uma importante vantagem psicológica.

A reviravolta no jogo (e na eliminatória) merece que este Marselha-Benfica seja recordado por muitos anos. Não é normal alguém conseguir dobrar a equipa de Didier Deschamps daquela forma. Ontem, do primeiro ao último minuto, o Benfica não foi superior ao OM. Fez muito mais do que isso: vulgarizou-o. Um árbitro desastrado já estava a transformar o jogo numa mentira, mas quando Niang marcou, então, a história ficou ainda mais aldrabada. De mangas arregaçadas e dentes cerrados, contra tudo e contra todos, a águia embalou para um grande final. Daqueles que costumam passar à eternidade – como Leverkusen ou mesmo Liverpool.

Jorge Jesus, que está há 23 jogos sem conhecer a derrota, voltou a ser profético. “As duas equipas vão marcar golos”, antevira na véspera. Só faltou dizer que seria Kardec o herói da noite. O miúdo brasileiro que chegou em Janeiro estreou-se a marcar e fez logo o golo 100 de uma época que está a ser, a todos os títulos, notável.

  Nuno Farinha

 

                            Nem Quique nem queque

 

Fui seguramente dos primeiros a escrever, aqui mesmo e ainda o campeonato não tinha começado, que Luis Filipe Vieira e Rui Costa podiam, desta vez, descansar com a escolha de treinador que tinham feito. Outros demoraram a aceitar a ideia de que – pese o nome – o Benfica tinha encontrado o seu messias futebolístico. Fosse porque o hábito prenunciava que a equipa da Luz quebraria mais dia menos dia, fosse porque alguma presunção na analise não os deixava ver o que era óbvio logo às primeiras jornadas: este Benfica jogava muito e tinha condições para uma época extraordinária.

É um facto que neste momento ainda pode nem ganhar nada, mas, sobretudo depois do que se viu ontem em Marselha, não há como negar: Jorge Jesus fez uma equipa forte tanto a atacar como a defender, dotou-a de carácter ganhador e acaba de lhe dar dimensão europeia. Na minha opinião, construiu o melhor Benfica em quase trinta anos, pelo menos desde a primeira passagem de Eriksson na Luz, que as melhores equipas desde então nem sequer se aproximavam do conjunto actual, sobretudo colectivamente.

Tendência comum da análise mais distraída: o Benfica estava melhor porque tinha melhores jogadores. Mas primeiro dependia de Aimar, depois de Saviola, agora de Di Maria. Verdadeiramente sempre dependeu essencialmente do treinador e da ideia de jogo que Jesus de modo invulgarmente competente construiu em poucos meses. Um dos que se referiram à maior valia individual deste Benfica foi Quique Flores. Mais valia estar calado. O Benfica tem a mais Javi Garcia, Ramires e Saviola, mas tem a menos Katsouranis, Reyes e Suazo (todos titulares indiscutíveis nas equipas onde estão hoje). E é elucidativo comparar o que rendiam com o que rendem agora Luisão, David Luiz, Carlos Martins, Di Maria ou Cardozo. E como pode falar de individualidades um treinador que tem nas mãos Aguero, Forlán, Simão, Reyes e Paulo Assunção e correu risco iminente de ser eliminado por um Sporting que jogou mais de uma hora em Madrid com um homem a menos, e ontem com uma equipa toda remendada em Alvalade.

No futebol, mais que saber falar nas conferências de imprensa, interessa comunicar com os jogadores. Mais do que culpar publicamente os futebolistas que falham, é decisivo responsabiliza-los perante o grupo. Mais do que parecer bom treinador – sobretudo isto – é decisivo treinar mesmo muito bem. Jorge Jesus é diferente de Quique, desde logo por não ser queque. Mas é o melhor treinador que o futebol português produziu no pós-Mourinho

  Carlos Daniel

publicado por Benfica 73 às 20:50

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

BENFICA 73
contador grátis
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11

14
16
17

21

29


subscrever feeds
comentários recentes
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Here is a good news for those interested. There is...
Viva o BenficaSaudações de UMA TETRA
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...