Janeiro 10 2014
A ocasião dificilmente poderia ser melhor: Jorge Jesus, 59 anos, procura, frente ao FC Porto, no domingo, no Estádio da Luz, a centésima vitória pelo Benfica na Liga. O problema é que os dragões têm sido a besta negra do técnico na mais importante prova do calendário nacional... 

Em oito jogos frente ao FC Porto (quatro em casa e outros tantos fora), o técnico soma uma vitória, dois empates e cinco derrotas, tendo visto a sua equipa sofrer 19 golos contra os 10 marcados. 

O único triunfo aconteceu precisamente no primeiro clássico de Jesus contra o FC Porto, a 20 de dezembro de 2009, na 14.ª jornada da Liga 2009/10, no Estádio da Luz: Saviola (22) foi o autor do único golo da partida, numa temporada que terminaria em glória para as águias, com a conquista do título nacional, único desde que Jesus orienta as águias. Depois disso seguiram-se três segundos lugares, sempre atrás do grande rival nos últimos anos, o FC Porto. 

Desde então, não mais Jesus venceu o FC Porto para o campeonato (só o voltou a conseguir na Taça da Liga, em duas ocasiões, e na Taça de Portugal).
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 16:01

Janeiro 10 2014
O jovem avançado Rodrigo, 22 anos, pode estar a um passo de trocar o Benfica pelo Zenit. Segundo A BOLA apurou, o presidente encarnado, Luís Filipe Vieira, fez ontem uma viagem relâmpago a Londres, em avião particular, acompanhado pelo empresário FIFA Jorge Mendes, e um dos objetivos da deslocação foi conversar com os responsáveis do clube russo, que também se encontram na capital inglesa, sobre o hispano-brasileiro.

O Zenit, clube patrocinado pela poderosa empresa de energia russa Gazprom, está determinado em contratar o hispano-brasileiro e promete não olhar a meios: segundo as informações obtidas junto de fonte próxima do processo, o emblema de São Petersburgo está disposto a oferecer €35 milhões pelo passe de Rodrigo. 

Recorde-se que há ano e meio o Zenit contratou às águias o médio belga Axel Witsel, a troco da impressionante quantia de €40 milhões, recorde absoluto da história do Benfica - na mesma ocasião, também Hulk foi contratado ao FC Porto, pelos mesmos números. 
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 10:49

Janeiro 10 2014
Sangrento será a palavra adequada para definir o futebol argentino no ano passado. Com 14 mortes direta ou indiretamente ligadas à violência no desporto-rei, 2013 bateu recordes dos últimos dez anos, de acordo com os dados da Salvemos el Fútbol, uma organização não-governamental que combate este flagelo.

As últimas vítimas foram dois adeptos do Newell’s Old Boys, que, na noite de 16 de dezembro, após o empate com o Lanús, acabaram baleados por dois indivíduos não identificados numa moto, quando regressavam a Buenos Aires.

O problema não é novo e agrava-se à medida que o tempo passa. 

«Existem debilidades institucionais nas instâncias encarregadas de aplicar a justiça, desde a prevenção do delito até à execução de sanções», escreveu Mariano Bergés, em 2004, juiz que no ano anterior havia suspendido o futebol na Argentina durante duas semanas de setembro, face à intensificação da violência. Quase dez anos depois, a situação piorou.

Se no início da década passada os conflitos envolviam as barras bravas - a versão sul-americana, mais violenta, das claques que se veem em Portugal ou noutros países europeus - dos diferentes clubes, hoje há assassinatos fruto das divergências internas de cada grupo. É uma luta por poder e dinheiro. Muito dinheiro. A imprensa local há muito que relata a promiscuidade financeira entre os clubes e as respetivas barras bravas: cedem-se percentagens das receitas de bilheteira, de transferências de jogadores nalguns casos, fecham-se os olhos ao tráfico de droga nos estádios.

A teia de influências políticas não parece ficar-se pelas pequenas instâncias. A 23 de dezembro, o Olé desvendou conversa entre dois indivíduos, um deles líder da barra brava afeta ao River Plate, referindo que enquanto Cristina Kirchner, presidente da Argentina, continuasse no poder, «nada aconteceria» a nenhum dos líderes destes movimentos. Em causa estava a atividade da barra num esquema ilegal de revenda de bilhetes, com a devida aprovação do clube. Verdade ou não, a corrupção está tão espalhada pelo país que nem os mais altos responsáveis escapam à suspeita.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 10:47

Janeiro 10 2014
Nasceu em Lourenço Marques (hoje, Maputo) e faleceu, em Lisboa, no dia 5 de Janeiro de 2014, o Eusébio da Silva Ferreira, ainda com 71 anos de idade, visto que só atingiria os 72, no próximo dia 25 do mês em curso. O mundo inteiro conhecia-o por Eusébio tão-só, ou pelo Pantera Negra, e fazia dele um dos mais notáveis jogadores de futebol de todos os tempos.

Para o Manuel José, antigo jogador do Benfica e atual treinador de indiscutível qualidade, na RTP1, no dia do passamento do Eusébio: “Ele foi o maior jogador da história do futebol português”. António Simões, seu companheiro de equipa e seu amigo, corroborou a ideia do Manuel José, salientando também que ele era simultaneamente vedeta, ídolo e... operário, pois que havia jogos em que ele, exímio atacante, se sacrificava, batalhando, no primeiro terço do campo, como qualquer defesa. Di Stéfano, presidente honorário do Real Madrid, ao saber da morte do Eusébio, opinou, emocionado e convicto: “Foi o melhor jogador de futebol de todos os tempos”. De referir que o Eusébio emitia igual juízo do Di Stéfano: “Para mim, o Di Stéfano foi o maior jogador de futebol de todos os tempos”. 

E o Eusébio vira jogar o Garrincha, o Pelé, o Maradona, o Cruyff, o Messi, o Cristiano Ronaldo e outras figuras relevantes da prática do futebol. Coluna, telefonicamente, pois que vive no Maputo, disse à televisão portuguesa, de voz embargada pela emoção: “Estou triste! Muito triste!Ele era meu filho! Ele era meu filho!”. 

Seguiu-se um silêncio estático e sentiu-se que o Coluna, o grande capitão da equipa benfiquista do Eusébio – sentiu-se que o Coluna chorava. Para o dr. António Oliveira, jogador-artista e “portista” dos quatro costados: “os restos mortais do Eusébio deveriam repousar no panteão nacional. João Malheiro, o seu biógrafo oficial e amigo dileto, não escondeu, transbordante de ventura: “O Eusébio não morreu. Ganhou a eternidade”.


“In illo tempore”, a ausência de desenvolvimento económico e a extrema desigualdade entre as classes sociais; o facto de a União Nacional, o partido único, ser um cadáver insepulto e a Igreja do Cardeal Cerejeira (seu “amigo do peito”), depois de a Pacem in terris e de o Concílio Vaticano II, ter desaparecido de cena; o nascimento e o renascimento dos movimentos de libertação, nas colónias africanas - enfim, o salazarismo tornara-se praticamente inócuo e Portugal vergava-se ao peso de um crescente descrédito internacional. Pois nessa lusitana década de sessenta, governada por uma gerontacracia política que nem o próprio marcelismo conseguiu susbstituir ou erradicar, o Benfica é campeão europeu, o Sporting conquista a Taça dos Vencedores das Taças e a seleção nacional é a terceira entre as melhores seleções do mundo. 

E o Eusébio, um executante de suma mestria, ficou “per omnia saecula saeculorum” ao lado dos melhores da história do futebol. Eu, que nasci no dia 20 de Abril de 1933, vi jogar várias vezes o Senhor Eusébio da Silva Ferreira que muito fazia sofrer o adepto do Belenenses, que eu sou. Aliás, se me é aqui permitida uma nótula de caráter pessoal, o Peyroteo foi também um rematador inspirado e, por isso, quero trazê-lo ao proscénio, para acrescentar que muito me doíam os golos que ele então fez aos “azuis”. Peyroteo e Eusébio – tinham lugar seguro, na seleção nacional que o Cristiano Ronaldo encima. Mas, adiante! Todos somos tempo. Daí, que a morte seja uma das coisas mais naturais da vida. A nossa imortalidade provém do legado que deixamos às gerações vindouras. O Fernando Peres (ex-Belenenses e ex-Sporting), meu querido amigo, assinalou, na Sport TV: “O Eusébio é imortal, principalmente pelo exemplo que nos deixou”. Fisicamente, todos morremos. É, pelo espírito, pela corporização daqueles valores sem os quais impossível se torna viver humanamente, que nos imortalizamos. Relembro também Nelson Mandela...

Frequentemente exaltado pelos seus colegas e adversários – todos distinguem nele a sua humildade, ou seja, um homem que, embora um superdotado, timbrou em cumprir o seu dever, um mestre que foi permanentemente discípulo, um profissional sui generis que nunca desertou de fazer da prática desportiva um espaço onde se é melhor, não só pelos desempenhos físicos, mas também pelas qualidades verdadeiramente humanas. O Desporto precisa de praticantes, como o Eusébio da Silva Ferreira. O filósofo grego, Aristóteles, disse que “não oferecer ao humano mais do que o humano é atraiçoá-lo”. 

Queria ele dizer na sua que o programa do humanismo deve ser o da passagem do humano a mais humano. Viver, verdadeiramente viver, é ser capaz de transcender-me. Pelo trabalho, pela generosidade, pela honestidade de processos. Uma palavra de gratidão ao atual presidente do Sport Lisboa e Benfica, que sempre viu e distinguiu o Eusébio, como futebolista inigualável, mas também de um aliciante humanismo. 

Dante, numa das suas obras, confessou ser cidadão do mundo, na mesma medida em que os peixes são cidadãos do mar. Cidadão do mundo, ou seja, de olímpica força de ânimo, de aliciante bondade, de inteligente tolerância. Eusébio da Silva Ferreira – desportista porque foi Homem, Homem porque foi desportista! Gaspar Ramos, inesquecível dirigente do futebol benfiquista, afirmou que o Eusébio divide em dois a História do Benfica: antes e depois de Eusébio. No meu modesto entender, também a História do Futebol Português. Porque foi um atleta de inigualável valia? Sem dúvida! Mas também porque cumpriu exemplarmente todos os deveres inerentes à condição humana, tomada esta no seu sentido criador. Que descanse em paz! E, para terminar, não escondo que estou ao lado dos que defendem que os restos mortais de Eusébio deveriam repousar no panteão nacional. Pois não é verdade que o desporto é o fenómeno cultural de maior magia, no mundo contemporâneo?
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 09:15

Janeiro 10 2014
publicado por Benfica 73 às 08:13
Tags:

BENFICA 73
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





subscrever feeds
comentários recentes
Viva o BenficaSaudações de UMA TETRA
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...
Tanto quanto narra a história a Cinderela saiu ven...
Fosse eu a tratar deste assunto e se este está a d...

contador visitante