Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Marítimo - Benfica, 1-2 - Rescaldo, Ficha de Jogo, Resumo com Relato (Vídeo)

30.04.13, Benfica 73

Foi com pragmatismo, convicção e sofrimento q.b. que o Sport Lisboa e Benfica trouxe da Pérola do Atlântico mais uma decisiva vitória rumo ao grande objectivo da época: a conquista do título. Lima e Igor Rossi (pb) marcaram os golos benfiquistas de uma partida que, longe de ser espectacular, cumpriu o desejado. Aguenta coração…

Jorge Jesus tinha-o dito na Conferência de Imprensa de antevisão à partida: “O Marítimo será difícil… mas estamos confiantes”. E confiança foi mesmo a palavra de ordem, uma confiança plena de humildade e raça… como se quer num Benfica conquistador.

 

Desde que aterrou na Madeira, onde era esperada e foi saudada por largas centenas de benfiquistas, a equipa “encarnada” contou com o apoio da onda vermelha, uma onda que se arrasta, motiva, uma onda que se aglutina e cresce.

O que dizer das bancadas do Caldeirão dos Barreiros? Bancadas vestidas de vermelho rubro, de crença e fé, adjectivos que rapidamente galgaram metros e invadiram o relvado (em péssimo estado!) contagiando os jogadores…

Por tudo isto, e por muito, muito mais… entrada personalizada, “à Benfica”! E essa postura rapidamente deu frutos: aos 4’, Márcio Rozário só encontrou uma forma de parar Lima e o árbitro, Manuel Mota, prontamente apontou para a marca de grande penalidade. Na conversão, o brasileiro não se fez rogado e inaugurou o marcador nos Barreiros.

 

Na resposta, falta de Matic e, na conversão, bola no poste da baliza à guarda de Artur… a sorte protege os audazes!

Benfica em vantagem muito cedo na partida… bola lá bola cá, com ambas as formações a deixarem a emoção falar mais alto e a encontrarem nítidas dificuldades em pensar o jogo. Os “encarnados” que, com mais três pontos, mantinham-se firmes rumo ao 33.º título; o Marítimo que, à partida para este desafio se encontrava no 7.º posto, e que dava o tudo por tudo na luta por um lugar europeu.

 

Consequências? Fraco espectáculo, numa primeira metade sem grande brilho e com poucas oportunidades, no

entanto, foi mesmo a equipa da casa quem puxou dos galões. Perante um Benfica demasiado expectante, a gerir uma vantagem curta, o Marítimo acabou mesmo por chegar ao empate, fruto de uma maior pressão. Aos 41’, cruzamento largo a atravessar toda a área, perante uma defensiva meio adormecida e Maxi Pereira agarrado e impedido de disputar o lance, onde aparece Igor a voar de cabeça para o 1-1.

 

É disto que se fazem os campeões!

Reinício da partida e mais Benfica, muito, muito mais Benfica, com o Marítimo a claramente recuar as linhas. Primeiro, contra-ataque rapidíssimo, Rodrigo, na cara de Salin, remata ao lado; aos 52’, remate poderoso de Lima, bola na trave; aos 54’, bola no poste… Lima.

Com meia hora para jogar Jorge Jesus mexe na estrutura e coloca Cardozo, abdicando de Ola John. O Benfica pegou no jogo definitivamente, com o Marítimo, a espaços, a tentar espreitar o contra-golpe.

O Benfica carrega, carregava e, aos 71’, justiça! Salvio vai à linha, cruza e Igor Rossi, desta feita na própria baliza, a fazer o 2-1 para os “encarnados”.

 

Sai Rodrigo, entra Carlos Martins, com o Benfica a ganhar aqui maior poder de fogo e raça no meio do terreno. Mais Benfica, muito mais Benfica, com a emoção a permanecer até ao fim, face a um Marítimo que nunca deitou a toalha ao chão.

Até ao apito final, humildade, entrega, capacidade de sofrimento e entreajuda… predicados essenciais a um Benfica que se quer Campeão! Nós acreditamos…

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Garay, André Almeida; Matic, Enzo Perez, Salvio, Ola John (59’, Cardozo); Lima (90’, Roderick Miranda) e Rodrigo (75’, Carlos Martins).

Fonte: A Bola/SLB

Ficha de Jogo: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=154087

«Nada farei para que o Benfica não seja campeão»

29.04.13, Benfica 73
Carlos Pereira avisa que o Marítimo está empenhado em garantir um lugar de acesso à Liga Europa na próxima época, razão pela qual não vai facilitar a vida ao Benfica no jogo desta noite no Estádio dos Barreiros. Salienta, porém, que nada fará para impedir que os encarnados se sagrem campeões nacionais.

«O jogo é difícil para o Marítimo mas também para o Benfica, a responsabilidade está toda do lado do Benfica. O Marítimo tem uma grande responsabilidade de participar numa competição europeia, a Madeira e o Marítimo assim o exigem», argumentou o líder do emblema madeirense.

«Ambas as equipas vão querer vencer. Nada farei para que o Benfica não seja campeão, mas também nada farei para que o Marítimo não vá à Liga Europa», referiu, observando que o jogo de mais logo «é importante para um lado e para o outro».

«Há uma verdade que não podemos retirar: o Benfica tem seis milhões de portugueses e, se juntarmos os do Marítimo, são seis milhões e muitos. São dois clubes superiormente liderados por pessoas do povo, somos a força do trabalho. O Benfica é o maior do País, o Marítimo é o único da Madeira», atirou.
Fonte: A Bola

Não virá boa coisa...ai não, não!!!

29.04.13, Benfica 73
Jorge Jesus vai promover alterações na convocatória e porventura no onze do Benfica para o jogo de segunda-feira com o Marítimo.
«Os jogadores dão-nos sinais da sua condição física e é por aí que temos de julgar e tomar decisões e, às vezes, podemos surpreender na convocatória ou na escolha de um jogador. É dentro disto que vamos ter de tomar decisões amanhã [segunda-feira], que se calhar ninguém espera», adiantou o treinador das águias, esclarecendo, contudo, que «a equipa está bem». 
«Um ou outro jogador vão ter alguns problemas de momento, mas nada que seja muito complicado», referiu, anunciando que «Luisão está recuperado e vai para o jogo» nos Barreiros.
Fonte: A Bola

Luta pelo título complica Liga Europa

29.04.13, Benfica 73
Jorge Jesus considera que o facto de o Benfica estar ainda na luta pelo título em Portugal desfavorece as águias relativamente às restantes três equipas que disputam as meias-finais da Liga Europa.
«Das quatro equipas em competição, o Benfica é a única que tenta conquistar o título no seu país. Por isso, está em desvantagem em relação às outras», argumenta.
«Temos tentado modificar a equipa e ela não se tem ressentido, o que contribui para a valorização dos jogadores e do plantel», realça Jesus.
Fonte: A Bola

Lima e Rodrigo juntos no ataque

29.04.13, Benfica 73
Benfica fiel à identidade mais vezes posta em campo durante a presente época, hoje, no Estádio dos Barreiros, frente ao Marítimo: dois avançados declarados (e não disfarçados), de novo a dupla de operários/pensadores formada por Matic e Enzo Pérez no centro do terreno e dois extremos. 

Além da estrutura, também se prevê alteração nos nomes a constar na ficha de jogo, relativamente ao que se verificou no onze que defrontou, quinta-feira, o Fenerbahçe. 

Começando pela frente de ataque: Cardozo deve ficar no banco, tal como Aimar, que na Turquia jogou nas costas do paraguaio. Em alternativa, Jorge Jesus deverá apostar em Lima e Rodrigo, dois homens que garantem mais mobilidade, capacidade de pressing e agressividade na conquista de segundas bolas.

O hispano-brasileiro, recorde-se, já foi apontado muitas vezes pelo técnico como o avançado do plantel que melhor pressiona na fase de construção inicial do adversário. E tem ainda outra arma, fundamental nesta fase da competição: está muito mais fresco do que os outros dois pontas de lança de referência [ver números em anexo], ou que os extremos Salvio, Gaitán e Ola John. 

Já a entrada de Lima justifica-se pelo facto de apresentar-se em melhores condições físicas que Cardozo (o brasileiro não saiu do banco em Istambul) e as características dele enquadrar-se-ão melhor para o Marítimo. Ele que é, também, o melhor marcador dos encarnados no campeonato, com 16 golos (mais um que o Tacuara).
Fonte: A Bola

Aí estão os carrascos da águia de Jorge Jesus

29.04.13, Benfica 73
Não é frio o outono, muito menos na Madeira... Este quadro meteorológico, porém, talvez não não seja partilhado pelos adeptos do Benfica, congelado naquela noite de 2 dezembro de 2011 pelos golos de Roberto Sousa e Sami, suficientes para atirarem borda fora da Taça de Portugal a equipa de Jorge Jesus. 
Até àquele dia, tal como agora, estavam os encarnados imbatíveis no plano nacional. A ideia de repetir a graça assume contornos idílicos para o Marítimo, empenhado em repetir o feito. É verdade que os tempos são outros, mas os madeirenses querem voltar a fazer história. 
«Na época passada também ninguém tinha conseguido vencer o Benfica e foi o Marítimo a consegui-lo pela primeira vez no jogo da Taça de Portugal. Espero bem que isso volte a acontecer. Não por ser o Benfica, mas porque os três pontos são extremamente importantes para nós», vincou Pedro Martins. 
Como curiosidade, dos jogadores que foram titulares nesse encontro, apenas quatro vão repetir a presença no onze: Luís Olim, Briguel, Rafael Miranda e Sami.
Fonte: A Bola

Este sim, um golo arrancado a... ferros (com vídeo)

28.04.13, Benfica 73
Trata-se de um bom teste para o leitor mais atento. Quem marca este golo? Quase 22 jogadores dentro da área, pontapé para cá, pontapé para lá, verdadeiro pânico e a bola acaba por entrar. Sem táticas, sem estratégias, nada resistiu aos momentos que se passaram no encontro entre o Cerro e o Danúbio, no campeonato uruguaio.
A partida terminou com este golo do Danúbio. Leonardo Melazzi foi o único a ter a lucidez em conseguir meter a bola dentro da baliza. A equipa perdeu, por 1-3, mas nada há a apontar à ambição dos jogadores do Danúbio que arrancaram um golo a ferros. Vale a pena...
Fonte: A Bola
 
Um golo arrancado a... ferros

«Estamos a deixar um legado de transparência e verdade; nem todos podem dizer o mesmo»

28.04.13, Benfica 73
Alvos bem definidos no discurso do presidente do Benfica, que reagiu às críticas que surgiram durante a semana sobre a atuação do árbitro João Capela no derby do passado domingo com o Sporting, que terminou com a vitória (2-0) da equipa da encarnada. 

«Estamos a fazer uma época digna da nossa história, com confiança e motivação. Não partilho de qualquer euforia, temos de continuar a acreditar e a sonhar, sabendo que temos um caminho estreito e difícil pela frente. Temos de olhar só para nós, indiferente ao ruído de outros que pensam que já ninguém se lembra do que fizeram: nós lembramo-nos muito bem», disse Luís Filipe Vieira, durante um almoço que reuniu cerca de 240 adeptos em Santo Tirso, onde esteve para a inauguração da nova imagem da Casa do clube naquela cidade. 

E continuou: «Percebemos a frustração de alguns, bem como o clima de intimidação que tentaram criar esta semana: é preciso ter muito descaramento para falarem como falaram. Houve quem tenha ganho num passado recente, e todos sabemos como o conseguiram. Estamos a deixar um legado de transparência e verdade, nem todos podem dizer o mesmo por mais voltas que deem.»
Concluiu: «Quem vai decidir o campeonato são os jogadores, e mais ninguém, por muito esforço que façam.»
Fonte: A Bola