Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

«Roberto foi uma das grandes prioridades» – Jesus

15.06.10, Benfica 73

«Conheço-o bem, não vem para o Benfica por acaso. Observámo-lo durante o campeonato. Chamou a minha atenção principalmente nos jogos Saragoça-Barcelona e Real Madrid-Saragoça. A partir daí tivemo-lo sempre debaixo de vista, analisando as suas prestações».

«Felizmente, o presidente [Luís Filipe Vieira] e o Rui Costa conseguiram trazê-lo... Penso que conseguiram. Só está certo quando se assina e ele ainda não assinou, mas foi uma das nossas grandes prioridades».

«Queremos passar e seguramente vamos fazê-lo» - Rúben Amorim

15.06.10, Benfica 73

Debutante na equipa das quinas, Rúben Amorim recusa dramatizar o “nulo” com a Costa do Marfim. «Encaramos o resultado com normalidade», diz o médio do Benfica.

«Sabíamos que era importante vencer, mas encaramos o resultado com normalidade. Temos visto muitos empates, tem sido um Mundial muito equilibrado», começou por comentar Rúben Amorim, em declarações à RTP.

«Temos mais dois jogos para disputar, temos que ganhar os pontos [necessários] para passarmos à próxima fase. Está tudo em aberto», frisou, apontando o remate de Cristiano Ronaldo ao poste, na primeira parte, como o lance que poderia ter mudado a história do jogo.

«Sem dúvida. Foi uma jogada de azar do Cristiano. Mas tínhamos mais jogo pela frente. A Costa do Marfim tem excelentes jogadores e excelente equipa. É muito difícil de contrariar», notou.

«Não é nada de transcendente fazer um bom resultado contra o Brasil», argumentou Rúben Amorim, atirando: «Temos excelentes jogadores, estamos confiantes, queremos passar e seguramente vamos fazê-lo».

Fonte: A Bola

«Nenhum jogador deste Mundial me mete medo» – Coentrão

15.06.10, Benfica 73

Aposta de Carlos Queiroz para o lado esquerdo da defesa no jogo com a Costa do Marfim, Fábio Coentrão diz ter-se sentido «tranquilo» durante todo o encontro. E nem a entrada de Didier Drogba alterou a sua postura. «Nenhum jogador deste Mundial me mete medo», dispara.

 

«Não ligo a Drogbas, não ligo a jogadores especiais. Respeito os meus adversários, mas sei quais são as minhas qualidades. Sei o que posso valer naquela posição e nenhum jogador deste Mundial me mete medo. Se entrar com medo, as coisas ficam complicadas», argumenta Coentrão.

«Queria demonstrar que mereço estar aqui neste grupo e fi-lo com toda a tranquilidade», afiança.

Fonte: A Bola

Portugal estreia-se com empate (0-0) diante da Costa do Marfim

15.06.10, Benfica 73

 

Num jogo muito intenso e complicado, a equipa nacional sentiu fortes dificuldades para impor o ritmo e para se aproximar com perigo da baliza da equipa africana.

A excepção, durante a primeira parte, foi um remate-bomba de Cristiano Ronaldo aos 11 minutos. A bola saiu forte e fora do alcance do guarda-redes, mas acabou por caprichosamente bater no poste e afastar-se da baliza.

Mais fortes fisicamente e debaixo de chuva intensa, os costa-marfinenses acabaram por ser, durante todo o resto da primeira parte, a equipa mais perigosa. Gervinho, ora pela esquerda ora pela direita, espalhava preocupação na defesa nacional, mas sempre sem forçar Eduardo a defesas apertadas.

Com Danny desinspirado e com os defesas laterais muito presos às acções defensivas, só na segunda-parte, com a entrada de Simão, Portugal conseguiu assumir o comando do jogo. Com o avançado do At. Madrid em campo a equipa nacional acercou-se mais vezes da baliza da Costa do Marfim.

Apesar da melhor resposta dada na segunda-parte, Portugal acabou o jogo debaixo de intensa pressão, com a Costa do Marfim à procura do golo.

As equipas alinharam da seguinte forma:

COSTA DO MARFIM – Barry; Demel, Kolo Touré, Zokora e Tiene; Eboué, Yaya Touré e Tioté; Kalou, Gervinho e Dindane.

PORTUGAL – Eduardo; Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Deco, Pedro Mendes e Raul Meireles; Cristiano Ronaldo, Liedson e Danny.

 

Fonte: A Bola

Real Madrid prepara novo ‘ataque’ por Di María

15.06.10, Benfica 73

 

 

Intransigência de Vieira deixou ‘mossa’ mas o desejo ‘merengue’ de contar com o argentino é muito forte. Terá de haver cedências. Diplomacia é a única via para o negócio.

 

Os espanhóis ainda não conheciam aveia negocial de Luís Filipe Vieira mas começam a perceber que com o líder encarnado (cujo rosto começa a ser cada vez mais exposto na Imprensa do país vizinho) não vale a pena forçar: foi isso que se verificou há uma semana, com os merengues a passarem a mensagem para fora de que o Real Madrid não poderia pagar o que o Benfica exigir (cláusula de rescisão de 40 milhões), originando a resposta imediata do dirigente benfiquista ainda no périplo por Macau - «só pela cláusula e sem a cedência de jogadores» - e o comunicado a dar conta da inexistência de negociações pelo argentino, o qual deve ser lido como um recado e não tanto pelo teor taxativo do mesmo.

Vieira também não terá gostado de ler, ouvir e ver as declarações do jogador em Pretória, durante a concentração da selecção alviceleste, ao afirmar: «Se Deus quiser vou jogar no Real Madrid». Quem conhece o líder benfiquista sabe que estas palavras soam a pressão e Filipe Vieira não gosta de pressões, ao ponto de explodir a e passar a mensagem de que qualquer negócio só é feito se forem ao encontro das suas pretensões ou se pelo menos a parte compradora admitir poder vir a fazer uma inflexão. O caso de Falcão, na época passada, ajuda a entender o modo operacional de Vieira, mas na inversão de papéis: quando tudo estava acertado, à última hora o jogador pediu mais do que o previamente estipulado e o dirigente pura e simplesmente deu a ordem para abortar o negócio.

 

Dias Intensos

 

O Real Madrid já sabe, pois, que terá de ser diplomático. Com o empresário Jorge Mendes a intermediar o processo desde o início das conversações tudo indica que os merengues vão iniciar novo ataque pelo esquerdino de 22 anos da selecção argentina que terá sofrido no jogo com a Nigéria a pressão colocada na véspera por Maradona, ao dizer que o benfiquista valia 300 milhões – por outro lado permitiu libertar os holofotes desde sempre concentrados em Messi.

Nos próximos dias os contactos deverão intensificar-se e existe a convicção entre os vários agentes envolvidos no processo de que o número 20 do Benfica deverá rumar a Madrid. As partes terão, no entanto, de ceder. Há dias, a parada já ia nos 33 milhões…

Fonte: A Bola

Moreira perto de renovar até 2013

15.06.10, Benfica 73

Moreira está prestes a responder positivamente à renovação por mais três épocas que a SAD lhe propôs no final da época.

A sua continuidade ainda não é taxativa, uma vez que tudo estará dependente de uma reunião decisiva a ter lugar provavelmente esta semana entre as partes, mas tudo indica que o guarda-redes de 28 anos vai selar novo compromisso com o seu clube de (quase) sempre até 2013.

Apesar de não ter jogado esta época na Liga, o guardião chegou a receber algumas propostas para jogar noutros campeonatos europeus, nomeadamente o espanhol (o Málaga de Duda continua a manter o interesse no guarda-redes) e o inglês, da Premier League e Championship.

Salário: menos 40 por cento

O assédio, porém, não terá sido suficiente para contrariar a questão emocional: o apego de Moreira ao Benfica é grande, uma vez que representa o clube há 11 anos e se cumprir o novo contrato até ao fim somará uma ligação de 14 anos, fidelidade a um emblema cada vez mais rara no futebol actual - no caso benfiquista, será mesmo situação única.

A confirmar-se a renovação, o guarda-redes irá passar a ganhar menos. A SAD propôs-lhe uma redução salarial de 40 por cento, à semelhança do que já se verificara no passado recente com outros jogadores da casa. Na reunião que terá lugar nos próximos dias, esta e outras questões já estarão em cima da mesa e todos os dados apontam para a continuação de um matrimónio de longa data.

Fonte: A Bola

Passar além da dor!

15.06.10, Benfica 73

Para qualquer profissional de futebol, estar num Campeonato do Mundo é um privilégio, mas também uma enorme responsabilidade. Porque muito pesará, neles, o sonho de um país inteiro. Mais ainda quando se trata de um país sofredor e que acaba por ter no futebol a principal, mas obviamente insuficiente, razão de auto-estima e da capacidade colectiva de sucesso.

Eram outros, os tempos em que o orgulho da Pátria vinha das conquistas que fizeram História no mundo. Quando as frágeis caravelas enfrentavam os fortes mares e os nossos navegadores, quase todos eles sem nome na História, se obrigavam a passar além da dor, como escreveu Pessoa no seu imortal Mar Português.

É, afinal, em memória desses homens, cuja glória foi bem menor do que a coragem e a alma, que baptizámos de navegadores, aqueles, que cinco séculos depois, se defrontam com o desafio da História, nos mesmos lugares distantes em que os portugueses ganharam notoriedade e fama.

Não, não pretendemos, obviamente, comparar a dimensão dos feitos, nem a coragem física desses Heróis dos mares que, merecidamente, viriam a dar merecido nome ao Hino Nacional. Mas o futebol permite, mais pela emoção do que pela razão, comparações aparentemente incomparáveis. Porque de feitos nacionais se tratam, quando o sucesso desportivo da Selecção Nacional se espelha em grandes vitórias internacionais.

Ninguém tenha dúvidas. O futebol é, hoje em dia, muito mais do que um jogo. A África do Sul é disso, hoje, mesmo, o melhor e mais significativo dos exemplos. E por isso nele tanto se envolveu um líder histórico com a dimensão de Nelson Mandela. Porque ele entendeu a grandeza deste fenómeno que movimenta o mundo e entusiasma povos de todos os continentes.

Consideremos e observemos, pois, as inequívocas diferenças, mas Portugal está, hoje, envolvido neste enorme desafio global, que é o Campeonato do Mundo, e calhou-lhe, por destino ou bom prenúncio, ser a única selecção a jogar os seus três jogos da fase de qualificação, precisamente, em cidades junto ao mar, onde os portugueses passaram pela primeira vez e deixaram o exemplo da sua coragem e daquela grandeza de alma, que, como também escreveu Pessoa, tudo fez valer a pena.

É justo, pois, que os portugueses peçam à sua Selecção Nacional, a grandeza de alma e a nobreza de carácter e de espírito que retrate, cinco séculos depois, aqueles que por estas mesmas longínquas paragens souberam escrever algumas das mais gloriosas páginas da História do mundo.

Portugal começa, hoje, a sua participação no Campeonato do Mundo de futebol e a expectativa que a sua história recente gerou no mundo inteiro obriga e exige um total comprometimento com essa responsabilidade. Que cada um saiba assumi-la e merecê-la.

Sob arbitragem do uruguaio Jorge Larrionda, as equipas devem alinhar no estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth:

Costa do Marfim:
Boubacar Barry; Demel, Kolo Touré, Zokora e Tiene; Yaya Touré, Eboué e Tioté; Kalou. Dindane e Doumbia.

Outros convocados: Zogbo, Yeboah, Angoua, Boka, Gohouri, Bamba, Gosso, Romaric, Kone, Gervinho, Keita e Drogba.

PORTUGAL: Eduardo; Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Fábio Coentrão; Pedro Mendes, Deco e Raul Meireles; Cristiano Ronaldo, Danny e Liedson.

Outros convocados: Beto, Daniel Fernandes, Miguel, Rolando, Ricardo Costa, Duda, Pepe, Tiago, Miguel Veloso, Rúben Amorim, Simão e Hugo Almeida.

Autor: Vitor Serpa

Fonte: A Bola

Campeões da Vida.

15.06.10, Benfica 73

Este post foge ao tema Futebol, foge ao tema do Blogue, mas como membro da Tertúlia, e amigo da pessoa em causa, sinto que tenho a obrigação de pedir, em nome dele, AJUDA.

O Sérgio L. Bordalo, que tem esta felicidade de ter, nas iniciais do seu nome, as iniciais do nosso clube, está a viver a dor e a aflição de quem descobre que a sua mãe precisa de um transplante de medula óssea.

Como dador que sou, há muito, digo-vos que não custa nada chegar à frente. É só dar sangue e seguir os seguintes requisitos:

 

- Ter entre 18 e 45 anos; 
- Ser saudável; 
- Ter peso mínimo de 50kg; 
- Não ter feito nenhuma transfusão de sangue desde 1980.

 

Se posteriormente forem contactados para ser dadores, o próprio processo de recolha da medula não implica sequer um internamento.

Rotas fundamentais para chegar à frente:

 

Centro de Histocompatibilidade do Sul 
Hospital Pulido Valente

Alameda das Linhas de Torres, nº 117 
1769-001 Lisboa 
www.chsul.pt - chsul@chsul.pt 
Tel 21 750 41 00 Fax 21 750 41 01 
Horário: 2ª a 5ª Feira – 8h00 às 16h00 
6ª Feira – 8h00 às 15h00 
Não encerra à hora de almoço


Centro de Histocompatibilidade do Centro 
Edif. S. Jerónimo - 4º Piso

Praceta Prof. Mota Pinto 
3001-301 Coimbra 
www.histocentro.min-saude.pt 
geral@histocentro.min-saude.pt 
Tel 239 480 700 Fax 239 480 790 
Horário: 2ª a 6ª Feira – 9h00 às 12h00 / 14h00 às 17h00

Centro de Histocompatibilidade do Norte 
Hospital S. João (ao lado das consultas externas)

Pavilhão “Maria Fernanda” 
Rua Roberto Frias 
4200-467 Porto 
www.chnorte.min-saude.pt 
geral@chnorte.min-saude.pt
Tel 22 557 34 70 Fax 22 550 11 01 
Horário: 2ª a 6ª Feira – 9h00 às 17h30
Não encerra à hora de almoço

 

Amigos, cheguem-se à frente e passem palavra.

 

Este jogo é para ganhar, que ninguém se esconda, um dos nossos precisa de nós.

Autor: "P" do blogue Tertúlia Benfiquista