Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Os 8 favoritos

29.05.10, Benfica 73

As duas selecções com mais capacidade para ganhar o mundial falam castelhano: Espanha e Argentina. Mais a Espanha que a Argentina, já que tem maior equilíbrio entre talento individual e organização colectiva (por via do contingente made in Barcelona) e um treinador experimentado. A Argentina reúne no ataque o mais incrível lote de talentos. Tem Messi mas também Aguero, Higuaín, Diego Milito, Tevez e Di Maria. Só perante este enunciado de génios se percebe que não façam parte do grupo Lisandro, Saviola ou Lavezzi. E chamo a atenção para um médio ofensivo, também genial, Pastore, do Palermo, que o mundo irá descobrir se Maradona não insistir sempre em Verón. Maradona até pode ser, como muitos, dizem, o ponto débil argentino, mas um bom seleccionador não tem de ser necessariamente um grande treinador. Não raras vezes alicerça mais o seu trabalho na motivação que propriamente na qualidade do treino. E nesse aspecto Maradona pode ser tão bom como os melhores. Até porque deve ser confortável para os jogadores olhar para o banco e ver uma divindade, alguém que por definição é infalível.

O Brasil surge na linha seguinte, como Itália e Inglaterra. A favor do escrete está o talento de Kaká e Robinho, além da camisa amarela que parece dar alma nova a quem a veste. Contra está uma mentalidade de combate (que me lembra Parreira em 94), em que a organização defensiva (sempre com dois médios de contenção) prevalece sobre a criatividade. Foi com os grandes talentos que o Brasil se tornou a selecção mais ganhadora de sempre. Não entendo que Dunga esqueça Pato (o melhor avançado) e Ganso (o novo génio do Santos). E tenho saudades de Ronaldinho.

A Itália está menos forte mas promete ser coesa, depois de deixar em casa os avós Toni, Totti ou Del Piero (Canavarro é exceção) e os génios rebeldes Cassano, Balotelli e Miccoli. E tem Lippi, que é um ganhador. Como Capello, numa Inglaterra assente em grandes campeões (Terry, Ferdinand, Lampard, Gerard e Rooney) e no trio de extremos mais rápido do mundo (Walcott, Lennon e Wright-Phillips).

Se não ganhar nenhum destes, há-de ser a França, apesar de Domenech, a Alemanha, em que desta vez não acredito, ou o Portugal de Ronaldo. Se for alguma das outras 24 selecções será mesmo uma grande surpresa, e o mundo estará para acabar se a Nova Zelândia ou a Coreia do Norte conseguirem uma surpresa que seja, já que me parecem os conjuntos mais débeis.

De volta a quem pode ganhar, sublinho essa Espanha que tem na base da melhor equipa do mundo, com Puyol, Pique, Busquets, Xavi, Iniesta, e Pedro Rodriguez, mais Fábregas e David Silva que também conhecem o tiki-taka. Na frente falta Messi, mas com excepção da Argentina ninguém apresenta uma dupla de bombardeiros como Torres e Villa. É a melhor equipa. Aquela que temos de evitar nos oitavos-de-final. Até porque mais que um duelo de hermanos nessa fase, o que tinha mesmo graça era uma final ibérica. Já agora com uma vitória ainda mais surpreendente que a de Aljubarrota. E dos mesmos.

Autor: Carlos Daniel

Fonte: Jornal Record

‘I gotta feeling’ que a Selecção não desperta ‘feelings’

29.05.10, Benfica 73

Autor: Ricardo Araújo Pereira
Fonte: Jornal A BOLA

 

Junto a minha voz à daqueles que se indignam por o hino oficioso da Selecção não ser uma canção portuguesa. Não por patriotismo, mas por coerência com a realidade: creio que a música mais apropriada para este nosso conjunto seria um fado. Antigamente, todas as janelas do País tinham de ostentar uma bandeira portuguesa, mesmo que tivesse pagodes no lugar de castelos. Agora, ninguém vai aos chineses comprar uma bandeira nem que tenha sido bordada à mão pela padeira de Aljubarrota e tingida com sangue de D. Afonso Henriques.

A verdade é que há sacas de batatas mais entusiasmantes do que Carlos Queiroz. Mais facilmente um brasileiro nos faz sentir portugueses do que ele. E, em certa medida, devemos estar-lhe gratos por isso. Com Scolari, o povo português andaria agora entretido a bufar nas vuvuzelas até ficar com as beiças em carne viva. Estaríamos a viver tempos insuportáveis. Elefantes viriam da Índia atraídos pelo barulho, julgando ter ouvido o grito de acasalamento de fêmeas gigantes, e procurariam fazer criação com os portugueses mais volumosos que encontrassem. Com Queiroz, a população da Covilhã em peso organiza-se para lhe comunicar que gostaria de o ver com uma vuvuzela, mas a sair do orifício errado. Compreende-se: por exemplo, Scolari tentou bater num estrangeiro, o que sempre galvaniza o bom povo. A única vez que Queiroz esteve tentado a dar uns bananos, escolheu um português. Isso tem sido uma espécie de imagem de marca: como se tem visto nos jogos, esta selecção não tem agressividade nenhuma frente aos estrangeiros.

 

Ora até que enfim que José Mourinho tem, em Portugal, o reconhecimento que lhe é devido. Não sei se ainda se lembram mas, há uns anos, alguns dos que agora rejubilam com a façanha do treinador português e só lhe vêem virtudes estavam a ameaçá-lo de morte. Um vice-presidente do clube ao serviço do qual ele ganhou a sua primeira Liga dos Campeões foi ao seu quarto na véspera da final passar-lhe o telefone, para que ele pudesse ouvir de viva voz uma mão cheia de insultos e ameaças. Parece que, desta vez, tal não sucedeu. Parabéns a José Mourinho pela sua segunda Taça dos Campeões, e a primeira que ele teve vontade de festejar. Sentiu-se que ele prefere assim.

 

“Nós vamos a partir de hoje aqui solenemente dizer-lhe (…) que nós queremos este ano dedicar a vitória do campeonato a si. A si, que vai ser campeão”.

Pinto da Costa

À conversa com ma fotografia de José Maria Pedroto

7 de Janeiro de 2010

 

“Eu não sou prometedor de títulos nem de nada, que não uso esse tipo de conversa”.

Pinto da Costa

27 de Maio de 2010

 

Este ano não tem sido fácil para quem já foi treinador do Porto. José Maria Pedroto, ao contrário do prometido, não ganhou o título deste ano, e Jesualdo Ferreira já sabe que não ganha o do próximo. Na origem de ambas as desfeitas está Pinto da Costa. Diz-se que o desnorte tem a ver com a má época do Porto, mas deve reconhecer-se que não foi tão desastrosa como se tem dito. Por exemplo, é mentira que os jogadores do Porto não vão disputar a Liga dos Campeões na próxima temporada. O Rentería, em princípio, vai.

Agradecimentos (3)

29.05.10, Benfica 73

Ontem, publicámos a 9.ª e 10.ª posições do Top Ten das Piores Decisões de Pinto da Costa na época 2009/10. Aqui ficam as restantes:

8 - Declara que no Porto não há petróleo. Quinze dias depois, compra 60% do passe de Rúben Micael por 3 milhões de euros, e tenta ainda contratar Kléber, conhecido como "O Gladiador", por 6 milhões.

7 - Falha a contratação de Kléber. Os sócios suspiram. Um gladiador era a única coisa que faltava para, nesta época, as Antas se assemelharem ainda mais a um circo.

6 - Elege Tomás Costa como "um verdadeiro reforço de Inverno". Algumas semanas depois, contra o Arsenal, Jesualdo Ferreira deixa-o por opção na bancada, em detrimento de Nuno André Coelho.

5 - Em Janeiro, afirma estar "feliz por saber que havemos de ter Bruno Alves por muito tempo". Em Maio, todos os jornais fazem saber que o símbolo do FC Porto está à venda. Nessa altura considera a hipótese de mudar o título da sua biografia para "Largos dias têm 5 meses".

4 - Promete a Pedroto dedicar-lhe o título nacional. De seguida, ainda pondera dedicar a conquista da Liga dos Campeões a Bobby Robson, mas os outros administradores da SAD demovem-no.

3 - Demite Jesualdo Ferreira, no ato mais irracional e inexplicável da história do clube: se esta foi a "liga dos túneis", sem os quais o FC Porto teria vencido o campeonato, então porquê despedir um treinador que merecia ter sido campeão?

2 - Empresta Rentería ao Braga, que agradece encarecidamente o segundo lugar. Faz lembrar aqueles alunos que deixam o colega do lado copiar, e mais tarde descobrem que ele teve melhor nota.

1 - Opta, no final da época passada, por não assinar com Jorge Jesus. Como forma de homenagear o responsável por ter encontrado Jesus, Luís Filipe Vieira passa a referir-se ao presidente do FC Porto como "o Pastor Jorge Nuno".

Autor: Miguel Góis

Fonte: Jornal Record

O maior feito de Mourinho

28.05.10, Benfica 73

O Benfica vai ter um defeso conturbado. Porquê? Não sei, porque tem sempre um defeso conturbado. Se a última época correu mal é porque há instabilidade e não tem dinheiro para comprar jogadores. Como este ano fomos muito melhores será porque todos os dias nos vão querer comprar um jogador.

Com o Benfica é assim, tem sempre que haver notícia, ser verdade ou ser mentira é apenas um pormenor. Um jogador do Benfica é ou muito novo ou muito velho, ou inexperiente ou está em fim de carreira. Este facto fez de nós especialistas em ler nas entrelinhas, em distinguir o rumor da notícia, em separar a verdade e atoarda. Quando num mesmo dia nos vendem cinco jogadores do onze base, nós percebemos que tudo está a ser feito com juízo e que ninguém sabe nada daquilo que se passa e por isso têm necessidade de especular sobre tudo. Nessa altura percebemos que tirando as capas dos jornais tudo está calmo e tranquilo no futebol do Benfica.

A última conquista de Mourinho foi para mim a mais fantástica da sua carreira. Mourinho chegou ao FC Porto após três anos de secura azul e branca, pôs o FC Porto a jogar bem, mas a conquista da Liga dos Campeões, embora com mérito, beneficiou de um calendário irrepetivelmente fácil; no Chelsea que não ganhava um título há mais de 40 anos, com aquele dinheiro seria provável fazer bem, mas neste Inter que ganhava tudo em Itália como seria possível fazer melhor? O risco era perder, porque ganhar mais, só com um título europeu. Uma miragem num plantel envelhecido e de ambição questionada. Quando Mourinho ganha uma Liga dos Campeões eliminando Barcelona, Chelsea e Bayern para além de campeão, é-o batendo as melhores equipas do Mundo. Simplesmente fantástico. Eu não acreditava possível e julgo que foi o maior de todos os seus feitos (e são muitos). Ninguém tem sorte sempre, nem há acasos todos os anos. Mourinho é melhor, é melhor quase sempre e não é por acaso.

Autor: Sílvio Cervan

Fonte: Jornal A Bola

Aposta firme em equipa forte

28.05.10, Benfica 73

O presidente do Benfica foi de uma transparência cristalina quando estabeleceu os parâmetros de saídas do clube neste defeso. Perante o barulho das luzes pós-título, Luís Filipe Vieira decidiu sair a terreiro e lembrar duas coisas: que o Benfica tem ambições na Champions de 2010/11 e pretende reforçar o plantel; e que só saem elementos importantes para o grupo caso sejam batidas as respectivas cláusulas.

Abriu, porém, uma excepção, por entender que num determinado caso (presume-se o de Cardozo) havia um desfasamento entre o real valor de mercado do jogador e o que está previsto para libertá-lo.

No início da época de 2009/10, Luís Filipe Vieira afirmou que não pretendia apenas vencer um campeonato, mas sim criar condições para que tivesse lugar uma mudança de ciclo, fazendo o Benfica regressar à hegemonia nacional. Ora, aquilo a que está a assistir-se não é mais do que o aprofundamento das palavras proferidas em Agosto de 2009, facto que deve preocupar uma concorrência que talvez esperasse que os encarnados, cumprindo o desiderato da conquista do 32.º título, tirassem o pé do acelerador.

Em resumo, o Benfica não está em saldo e quem quiser Di María, David Luiz ou Coentrão - os mais badalados – vai ter de abrir os cordoes à bolsa.

O negócio do futebol tem muitas especificidades, mas no fim (e até Florentino Perez acabou por render-se!) há os que ganham e os outros.

E destes não reza a história…

Autor: José Manuel Delgado

Fonte: Jornal A Bola