Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

benfica73

Toda a informação sobre o Glorioso

Mais um pequeno grande passo

19.04.10, Benfica 73

Weldon

Foi outra vez aposta inicial de Jorge Jesus e o Benfica voltou a vencer com dois golos seus, depois de ter bisado frente à Naval, na Figueira da Foz. Sente-se um jogador talismã?

- O treinador apostou em mim e, acima de tudo, sinto-me que fui feliz. É sempre gratificante sentir a confiança da equipa técnica e a única forma de retribuir é com golos. Na hora em que o Benfica precisou de mim não falhei e penso que não desiludi ninguém. Mas não me considero um jogador talismã: sou mais um do plantel do Benfica.

- Acha que, finalmente, conquistou a titularidade?

- Não sei. Sei, sim, que todos os jogadores querem ser titulares, ainda para mais numa equipa com a qualidade do Benfica.

- Esta vitória em Coimbra deixa o Benfica ainda mais próximo de conquistar o título, que lhe foge desde a época 2004/05. Já se sente campeão nacional?

- Ainda é cedo. Precisamos de quatro pontos para poder celebrar, portanto, não nos devemos precipitar, temos de manter os pés bem assentes no chão. Para já, regressamos a casa com a sensação do dever cumprido, agora vamos descansar para começarmos a pensar no jogo com o Olhanense.

- As expectativas que se estão a criar à volta da equipa de alguma forma provocam ansiedade no grupo?

- Não, somos profissionais e temos de saber lidar com a pressão. Ansiosos ficaríamos se os adeptos não nos apoiarem quando recebermos o Olhanense.

 

David Luiz: “Demos, sem dúvida, um passo muito importante para a conquista do título, num jogo muito difícil, na casa de um adversário que joga muito bem, um jogo bonito, parecido com o nosso. Sabíamos das dificuldades e, graças a Deus, conseguimos o nosso objectivo. A cada jogo que passa as dificuldades vão aumentando, não é habitual sofrermos dois golos numa partida, mas, daqui para frente, nada será fácil”.
“Ficámos felizes pelos três golos que conseguimos e nos deram a vitória, independentemente dos golos do adversário. Euforia? Quem quer ser campeão tem de saber lidar com isso. E nós sabemos. Festejamos a vitória com a Académica mas sabemos que temos de manter a humildade e os pés no chão porque isto ainda não acabou. O próximo jogo é o mais importante, porque ganhando e caso o Sp. Braga perca pontos, seremos campeões. Claro que gostaria de fazer a festa já com o Olhanense, se pudéssemos até já teríamos feito. Temos de continuar a trabalhar e manter os pés no chão, ainda faltam três finais e quatro pontos”.
No final do encontro, David Luiz foi dos que mais festejou com os adeptos, dando uma volta completa ao estádio. “Estou contagiado com a alegria dos adeptos porque como eles não há igual e tenho de tentar retribuir o melhor que posso”.

 

 

Que análise faz do jogo? Tinha dito que vencer em Coimbra seria «um passo quase definitivo» para o título...
Aquilo que era importante era sairmos de Coimbra vencedores. A Académica foi um adversário difícil, porque quando joga com os grandes tem um comportamento forte: como não tem de assumir o jogo, pode fazer contra-ataques e é difícil de bater. Marcámos logo aos três minutos, a partir daí os jogadores sentiram que o jogo poderia tornar-se fácil e deixámos de ter alguns posicionamentos defensivos que normalmente temos. Depois, a Académica dividiu o jogo, empatou, mas Weldon deu-nos novamente a vantagem. Quando entrámos para a segunda parte a ganhar, senti que dificilmente perderíamos. Mas não precisávamos de sofrer tanto, ao consentir o 3-2. Com esta vantagem pontual, as coisas estão melhores mas ainda não estão definidas. Vamos gerir este avanço.

Qual foi o momento do jogo?

O 3-1. Embora, claro, todos os golos sejam importantes. Dois golos de vantagem deram-nos tranquilidade, não apenas táctica. O Treinador da Académica arriscou, ficou com três defesas, mas pensei, até, que estávamos mais perto do 4-1 do que do 3-2. Até disse ao Di Maria para continuar com os movimentos ofensivos. Mas houve essa surpresa do 3-2, com um remate quase a 30 metros da nossa baliza. E aí era diferente. Mas o futebol é isto. Por isso é que é belo.

Parece já serem campeões, tamanha a festa dos adeptos...
O Benfica é obrigado a pensar sempre assim! Na Luz, são sempre 60 mil a festejar; fora, pelo menos 20 mil adeptos arrasta! Agradeço-lhes terem vindo. Até esperava mais, mas com bilhetes a 60 euros... Penso que essa decisão não foi boa para o futebol.

Dedica a vitória a alguém? Como vivem esta ansiedade?
É uma ansiedade positiva, o objectivo está mais próximo mas não está conquistado. E a experiência de muitos anos no futebol diz-me que o Benfica só vencerá a Liga quando tiver vantagem pontual suficiente sobre o segundo.

O FC Porto está matematicamente afastado do título. Pensou que isso fosse possível tão cedo?
Não. Quero é fazer tudo para o Benfica ser campeão! Ainda não é mas está na frente. Quem é segundo ou terceiro, é indiferente. Pessoalmente, gostava que fosse o Sp. Braga a acabar em segundo.

Seria uma desilusão não se sagrar campeão...
Foi com essa convicção que vim para esta casa, para ser campeão! Mas futebol não é matemática: há seis pontos de diferença e nove por disputar e tudo é possível!