Maio 21 2016

capture-20160521-100022.png

Aí está mais um Troféu para o Museu Benfica Cosme Damião.

Têm sido dias de intensidade, com as competições 2015/16 a atingirem o seu culminar. Conquistado o 35.º título de Campeão Nacional, o Tricampeonato, findos os festejos – e que festejos! – o Sport Lisboa e Benfica centrou atenções na última final da época.

Estádio Cidade de Coimbra lotado – perto de 29 mil espectadores! - para receber o Glorioso, com a “maré vermelha” a inundar a Briosa num apoio incansável… arrepiante!

Pela frente o Marítimo, no reeditar da final da Taça CTT da temporada transata… um ano volvido e escreveu-se a mesma História!

Mas o início do desafio trouxe surpresas! É que foram mesmo os insulares a começarem melhor, com Ederson - em dois minutos - a negar o golo em duas ocasiões flagrantes. Primeiro Edgar Costa, depois Fransérgio viram o jovem brasileiro a dizer não!

O SL Benfica aguentou a pressão e na primeira oportunidade que dispôs marcou. Lance do coletivo, um par de ressaltos e o “matador de serviço”, Jonas (10’) a colocar as águias em vantagem.

Sete minutos volvidos e novo golo! Lançamento de linha lateral, grande trabalho individual de Pizzi a ir à linha cruzar, com Mitroglou – oportuno – a encostar para o 2-0.

Eficácia total, pragmatismo e inteligência, com o guardião Haghighi sem hipóteses nos dois tentos.

Partida intensa, com o Marítimo a acreditar e Ederson a dizer não! Aos 33’ Gaitán tirou as medidas à baliza insular para cinco minutos depois oferecer o terceiro a Mitroglou.

Processos simples, eficazes, Grimaldo descobre Gaitán, com o argentino a servir o grego que, vindo de trás, remata sem hipótese para o 3-0.

Ainda antes do intervalo, e depois de Haghighi ter negado o quarto a Gaitán, o Marítimo reduziu para o 3-1, com golo de João Diogo.

Reinício à semelhança do apito inicial! Mais Marítimo, com o ferro (54’) e depois Ederson (55’) a negar o golo a Djoussé.

Numa final emocionante, com as duas equipas na procura incessante do golo, não houve tática que resistisse e, em largos momentos, o jogo “partiu” por completo.

As oportunidades sucederam-se em ambas as balizas e, aos 75’, magia de Gaitán, com Jonas a oferecer o quarto ao argentino.

Antes do apito final, 4-2, com Fransérgio a converter uma grande penalidade assinalada por Fábio Veríssimo... Jardel, em cima dos 90' faz o 5-2 e Raúl, também de penálti, sentencia a partida num 6-2 final.

Triunfo, justo, para os “encarnados”, perante um Marítimo que – com a sua postura - valorizou ainda mais esta vitória.

Termina, assim, “em beleza”, como pediu Rui Vitória, a temporada do Sport Lisboa e Benfica. Grande campanha na Liga dos Campeões, conquista do 35.º título nacional - o Tricampeonato 39 anos volvidos - e a 7.ª Taça CTT em nove edições do troféu.

O SL Benfica alinhou de início com o seguinte onze: Ederson; André Almeida, Luisão, Jardel e Grimaldo; Samaris, Gaitán (78’, Gonçalo Guedes), Pizzi, e Renato Sanches; Mitroglou (67’, Talisca) e Jonas (86’, Raúl).

Fonte: SLB

Fotos Aqui

Ficha de Jogo Aqui

publicado por Benfica 73 às 10:01

Maio 03 2016

jonasgolobragaLUSA.jpg

Reviravolta sobre o SC Braga na Luz com o SL Benfica na luta pelo 7.º Troféu. Jogo é dia 20 de maio, às 19h45, em Coimbra.

Estádio da Luz a registar cerca de meia casa - a uma segunda-feira ao início da noite - para receber a meia final da 9.ª edição Taça CTT. Já com o Marítimo com presença garantida na Final (após eliminar o Portimonense, por 3-1), cabia a SL Benfica e a SC Braga decidirem entre si qual equipa que lhe seguiria os passos.

Em busca da presença em mais uma final da Taça da Liga, uma vez que nas oito edições anteriores, o Clube da Luz já venceu a prova por seis ocasiões (2008/09, 2009/10, 2010/11, 2011/12, 2013/14 e 2014/15), foi uma equipa personalizada, apesar das muitas alterações no figurino inicial, aquela que entrou em campo.

Apenas com Ederson, Lindelof e Renato Sanches a transitarem do último onze – e o regresso de Luisão à competição -, Salvio, aos 13’, tirou as medidas à baliza à guarda de Matheus. O SL Benfica pressionava alto, carregava, mas foi o SC Braga, contra a corrente do jogo, a chegar ao golo.

Minuto 18’ e grande remate de Rafa, sem defesa para Ederson. Estava feito o 0-1.

Em vantagem, os minhotos baixaram as linhas, fecharam-se, e foram as “águias” a tomar conta das operações.

Aos 37’, Raúl, com um disparo forte, seguido pelas investidas de Sílvio e Grimaldo, tentaram desfeitear as redes adversárias, mas até ao intervalo o resultado não se alterou.

“Remontada” justa!

Na segunda metade, Jonas é aposta de Rui Vitória logo no reinício mas é Salvio quem dá o mote, logo aos 52’… esteve perto o empate. Sai o argentino, entra Gonçalo Guedes, o SL Benfica carregava em busca do golo e cinco minutos volvidos, explosão de alegria na Luz.

Carcela descobre Jonas e o “artilheiro” – esta segunda-feira eleito o Futebolista do Ano pelo CNID – no seu primeiro remate fuzila Matheus para a igualdade. Cem por cento de eficácia e 1-1 no marcador.

Frente aos comandados de Paulo Fonseca, na expetativa, os “encarnados” partiram em busca da vantagem e, aos 70’, Raúl, depois de uma saída em falso de Matheus, concretiza a reviravolta: 2-1.

Últimos 20 minutos emotivos, com oportunidades para os dois lados mas sem mais golos. Objetivo alcançado! A Final da Taça da Liga vai disputar-se em Coimbra, no dia 20 de maio (19h45).

Recordar que no caminho até à Final, o SL Benfica ganhou todos os jogos do Grupo B (Nacional, Oriental e Moreirense).

O SL Benfica alinhou de início com Ederson; Grimaldo, Lindelof, Luisão e Sílvio; Samaris, Salvio (Gonçalo Guedes, 57’), Carcela (Fejsa, 86’), Renato Sanches (Jonas, 45’) e Talisca; Raúl.

As atenções centram-se agora no regresso à Liga NOS, isto quando faltam duas Finais… Domingo, às 20h30, o Bicampeão defronta o Marítimo no Estádio dos Barreiros.

Fonte: SLB

Fotos Aqui

Ficha de Jogo Aqui

publicado por Benfica 73 às 09:37

Abril 15 2016

As negociações entre os dois clubes e a Liga ainda decorrem, mas o Benfica não aceita jogar a meia-final da Taça da Liga na próxima quinta-feira, dia 21, data avançada pelo treinador do SC Braga.
Os encarnados apontam para as 72 horas de interregno entre dois jogos constantes nos regulamentos, dado que defrontam já esta segunda-feira, dia 18, o Vitória de Setúbal, a partir das 21 horas.
A Liga deverá assim avançar com nova data.

Fonte: A Bola

publicado por Benfica 73 às 09:48

Março 16 2016

O Benfica sente-se desconsiderado pela Liga, que marcou a final da Taça CTT para 26 de maio, dois dias antes do encontro decisivo da Liga dos Campeões, competição na qual os encarnados estão inseridos.
Os bicampeões nacionais qualificaram-se para os quartos-de-final, após eliminarem o Zenit. No entender dos encarnados, o presidente da Liga, Pedro Proença, não teve em conta o facto de o Benfica ainda estar em prova.
Os encarnados estranham, por outro lado, que Proença anunciou a data na Marítimo TV – os insulares são os únicos finalistas já apurados –, sem ouvir os interesses de Benfica e Sp. Braga. Isto sem esquecer que não há data para a meia-final, que vai colocar as águias diante dos minhotos.
A decisão da Taça CTT deveria ter lugar a 16 de abril, mas a continuidade do Benfica na Champions faz com que não haja data disponível até lá.

Fonte: Record

publicado por Benfica 73 às 12:24

Outubro 28 2015

Estão definidos os grupos da Taça da Liga, fase na qual já participam os quatro primeiros classificados do campeonato na época passada.
Benfica, FC Porto, Sporting e SC Braga foram cabeças de série e ficaram distribuídos pelos quatros grupos.
Sporting e FC Porto ficaram nos grupos C e A e podem, caso vençam os respetivos grupos, defrontar-se nas meias-finais.
A 1.ª jornada realiza-se a 29/30 de dezembro, a 2.ª a 19/20/21 de janeiro de 2016 e a 3.ª a 26/27/28 de janeiro.

Resultado do sorteio:

Grupo A
FC Porto
Marítimo
Feirense
Famalicão

Grupo B
Benfica
Nacional
Moreirense
Oriental

Grupo C
Sporting
Paços de Ferreira
Arouca
Portimonense

Grupo D
SC Braga
Belenenses
Rio Ave
Leixões
Fonte: A Bola
 
publicado por Benfica 73 às 12:56

Fevereiro 12 2015

capture-20150212-101830.png

O Sport Lisboa e Benfica garantiu esta noite de quarta-feira a presença na sexta Final da Taça da Liga da sua História, ao vencer, na Catedral, o Vitória de Setúbal, por 3-0. Talisca e Pizzi, de grande penalidade, e Jonas, assinaram os tentos de uma vitória justa!

Bruno Ribeiro, treinador dos sadinos, tinha-o dito na antevisão à partida. O Vitória de Setúbal vinha para ganhar, para fazer História na Luz… e os primeiros minutos do desafio mostraram essa ambição!

Os sadinos entraram com tudo e Lisandro López – com um corte providencial - e Artur Moraes tiveram que se aplicar num par de lances com selo de golo.

Aos 10’, resposta do SL Benfica. Grande jogada de Pizzi, cruzamento com conta, peso e medida de Sílvio, para cabeceamento de Derley, a testar os reflexos de Lukas Raeder.

Sete minutos depois foi o “miúdo”, o ainda júnior Gonçalo Guedes, a dar nas vistas. Passe largo de Cristante a isolar o português, que depois de uma diagonal perfeita, atira por cima da trave.

Em cima da meia hora, mais Gonçalo Guedes… desta feita com um poderoso remate à malha lateral, depois de lance individual.

Aos 39’, grande penalidade favorável ao Benfica. O peruano, Advincula, comete falta sobre Gonçalo Guedes, e é expulso. Talisca, na conversão, com muita categoria e colocação, não dá hipótese de defesa a Lukas Raeder e coloca os “encarnados” a vencer, por 1-0.

Aos 44’, mais um penálti claro na Luz! Pressão de Cristante a não dar espaços, Talisca entra na área e é derrubado por Paulo Tavares. Pizzi, na linha dos 11 metros, não falha! Bola para um lado, guarda-redes para o outro e estava feito o 2-0, resultado com que se atingiu o intervalo.

Jonas confirmou vitória justa!

Segunda metade e só deu Benfica! Em vantagem no marcador e também numérica, as “águias” soltaram-se e

partiram para uma exibição muito positiva, marcada ainda pelo regresso de Ruben Amorim à competição, volvidos quase seis meses de paragem devido a lesão.

Gonçalo Guedes, Jardel, Ola John, Eliseu, Pizzi, Talisca, Salvio, Derley… todos tentaram acertar no alvo, mas sem consequências de maior. Tanto, tanto desperdício!

Finalmente, aos 72’, tabulação entre Derley e Ola Jonh, com o esférico a encontrar o brasileiro, Jonas, que, na cara do guardião sadino, só teve de encostar para o 3-0.

Com esta vitória, o SL Benfica carimba, pela sexta vez, presença na Final da Taça da Liga, Troféu que já venceu por cinco ocasiões. Quanto ao adversário, só é conhecido no dia 2 de Abril e sairá do confronto entre Marítimo e FC Porto.

O SL Benfica alinhou de início com Artur Moraes; Sílvio, Lisandro López, Jardel e Eliseu; Cristante (Jonas, 45’), Pizzi (Ruben Amorim, 76’), Talisca, Ola John e Gonçalo Guedes (Salvio, 58’); Derley.

No próximo fim-de-semana o chip muda, com os Campeões Nacionais a receberem, na Luz, este mesmo Vitória de Setúbal, desta feita num desafio a contar para a 21.ª jornada do Campeonato Nacional. Esta partida está agendada para as 17h00 de domingo.

Fonte: SLB

Fotos Aqui

Ficha de Jogo Aqui

publicado por Benfica 73 às 10:15

Janeiro 22 2015

A equipa de Futebol do Sport Lisboa e Benfica garantiu, na noite desta quarta-feira, no estádio Comendador Joaquim Almeida Freitas, a passagem para as meias-finais da Taça da Liga após vencer o Moreirense por 0-2. A 3.ª fase foi terminada só com triunfos, com sete golos marcados e nenhum sofrido.

 

Em Moreira de Cónegos percebeu-se aquilo que já se tinha visto na visita do Moreirense à Luz. Não ia ser fácil, e não foi! Desde os minutos iniciais, a equipa da casa exerceu uma pressão grande sobre o portador da bola a toda a largura do terreno. Por sua vez, o Benfica – com algumas mexidas no onze face ao apresentado na Madeira – tentou sair a jogar com a bola controlada, seja pelo meio, seja pelas alas, com tabelinhas curtas que abrissem espaços para a finalização.

Sem grandes oportunidades de parte a parte, os primeiros “frissons” foram criados por Arsénio aos 17’ e aos 18 minutos. Em ambas as situações, Artur respondeu bem. À passagem do minuto 23, Derley fez uma incursão pela esquerda, entrou na área e no frente-a-frente com Danielson caiu. O árbitro Jorge Tavares optou por mostrar cartão amarelo ao avançado por simulação, mas a verdade é que se nota um toque de Danielson no pé esquerdo do Benfiquista.

 

A circulação de bola do Benfica com eficácia de passe e rapidez obrigou o Moreirense a baixar as linhas a partir da meia hora. O esférico rondou a área de Marafona com maior intensidade, como foi o caso aos 33’, com o remate de Luisão um tudo-nada ao lado. O perigo acercava-se e acentuou-se aos 42 minutos com o remate cruzado de Jonas que passou a centímetros do poste da baliza minhota.

Ao intervalo era o nulo que reinava em Moreira de Cónegos. Após um reatamento algo incaracterístico, Jonas deu um pontapé no marasmo e obrigou Marafona a estirada vistosa (54’). Da ameaça ao golo houve um hiato de 10 minutos. O camisola 17 combinou com Derley e rematou em jeito sem hipóteses de Marafona que ficou a olhar para a bola a aninhar-se nas redes.

 

A vencer parece que tudo corre ainda melhor. Aos 68 minutos, Derley trabalhou bem e só com Marafona pela

frente picou-lhe o esférico para o 0-2. O Moreirense sentiu os tentos sofridos, ficou nervoso e podiam as “águias” aproveitar para ampliar o resultado. Derley esteve muito próximo de bisar aos 75’, mas o guardião contrário defendeu por instinto.

Foi a 10 minutos do fim e já com Gonçalo Guedes em campo que o Benfica poderia ter feito o 0-3. O jovem português centrou e Pizzi rematou para a baliza sem Marafona, mas um defesa do Moreirense cortou sobre a linha de golo.

Até final nada de significativo aconteceu e o Benfica fica agora à espera do adversário nas meias-finais da Taça da Liga.

O Sport Lisboa e Benfica alinha com o seguinte onze: Artur Moraes; André Almeida, Luisão, Jardel e Eliseu (Sílvio, 45’); Cristante, Pizzi, Ola John e Sulejmani (Samaris, 52’); Derley e Jonas (Gonçalo Guedes, 73’).

Fonte: SLB

Fotos Aqui

Ficha de Jogo Aqui

publicado por Benfica 73 às 11:05

Dezembro 31 2014

A equipa de Futebol do Sport Lisboa e Benfica despediu-se de 2014, no Estádio da Luz, com a estreia… na Taça da Liga, prova em que é rei com cinco conquistas nas últimas sete edições. Frente ao Nacional, vitória por 1-0 com golo de Jonas.

Os primeiros minutos de jogo foram bastante vivos e perspectivavam uma primeira parte interessante, o que não se veio a verificar. Após o tento de Jonas, aos 11’, após cruzamento de Maxi Pereira, o encontro entrou num marasmo que só pontualmente foi retirado com algumas (poucas) investidas de ambos os emblemas às áreas.

 

Com uma equipa um pouco diferente do habitual, o Benfica não conseguiu imprimir a intensidade que lhe é característica, mas controlou as incidências até perto do intervalo, altura em que Cristante descobriu Maxi Pereira com um passe de antologia, o uruguaio passou pelo seu marcador directo e com o pé esquerdo disparou para a barra madeirense. Gottardi estava batido.

Aquilo que o início da primeira parte prometera apareceu na segunda. Equipas bem mais afoitas, jogo mais e melhor disputado, mais momentos de “frisson”, nomeadamente junto à baliza “alvi-negra”, com Gottardi a ver um fora-de-jogo mal assinalado pelo árbitro assistente de Nuno Almeida a Jonas, num lance que era de perigo; minutos depois, Ola John colocou mesmo o esférico na baliza, mas, aí, foi correctamente assinalado.

 

O Nacional, por sua vez, também tentava assustar o sector mais recuado do Benfica. Responderam os da casa, aos 67

minutos, quando Gaitán – que veio mexer com o jogo – cruzou para cabeceamento de Jonas por cima. Bola cá, bola lá, Júlio César fez uma estrondosa defesa aos 72 minutos a cabeceamento de Lucas João, entretanto entrado para o lugar de Suk. Três minutos depois, Nuno Almeida deveria ter expulso Gomaa por acumulação de cartões amarelos, situação que aconteceu aos 85’.

Aos 82 minutos, após um lance atabalhoado na área insular, a bola sobrou para Lima que rematou de primeira sem deixar cair no chão e por pouco não fez o 2-0.

O Benfica começa a defesa da Taça da Liga com um triunfo e soma os primeiros três pontos no Grupo antes de se deslocar a Penafiel para o Campeonato.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com o seguinte onze inicial: Júlio César; Maxi Pereira, César, Jardel, André Almeida; Cristante, Pizzi (Nico Gaitán, 45’), Talisca (Samaris, 64’), Ola John (Sulejmani, 84’); Lima e Jonas.

Fonte: SLB

Fotos Aqui

Ficha de Jogo Aqui

publicado por Benfica 73 às 10:13

Maio 08 2014

Onde o Sport Lisboa e Benfica entra… entra sempre para ganhar! Esta noite foi a prova provada disso mesmo. Rodrigo e Luisão marcaram os golos com que o Glorioso venceu o Rio Ave, conquistando a 5.ª Taça da Liga do seu palmarés, em sete edições da prova. Mais uma que vem direitinha para o Museu Benfica Cosme Damião.

 

Jorge Jesus disse-o claramente na Conferência de Imprensa de antevisão a esta partida: “Numa Final não há favoritos… há que prová-lo dentro de campo” e o Benfica provou-o!

Ambiente espectacular no Magalhães Pessoa (há tanto tempo não recebia tanta gente!), bonita cerimónia de abertura, apito inicial de Hugo Miguel e duas equipas a entrarem de rompante em busca do golo.

O primeiro sinal veio do lado do teoricamente favorito, com Lima, aos 3’, a testar os reflexos de Ventura. Na resposta, espectacular defesa de Oblak. Diagonal de Pedro Santos, remate fortíssimo, intervenção segura do guardião benfiquista.

Depois do fulgor inicial, o Benfica tomou conta do jogo, não obstante a resposta sempre pronta e viperina dos pupilos de Nuno Espírito Santo.

 

Luisão, aos 10´, de cabeça; Rodrigo, aos 13’, num remate acrobático e depois aos 17’, na cobrança de um livre directo, tiveram preciosas oportunidades para inaugurar o marcador.

Mais posse de bola, maior domínio, face a um Rio Ave cada vez mais atrevido e muito perigoso, mas a redondinha teimava em não entrar.

Aos 39’, jogada espectacular do Benfica, com Ventura a negar o golo a Rodrigo… mas no minuto seguinte o hispano-brasileiro não deu hipótese e, na sequência de um canto, colocou o Glorioso em vantagem. Estava feito o 1-0 para delírio dos adeptos, resultado com que se atingiu o intervalo.

 

 

Gerir com inteligência… e marcar!

No reatar, ritmo mais lento, mais Benfica, um Benfica inteligente e pragmático, em clara gestão da vantagem – apesar de curta! – o que não

significa que descurasse o ataque, pois foi sempre a equipa mais perigosa, mas com os olhos no que aí vem…

Lima, Gaitán, Enzo… tiveram nos pés oportunidades para dilatar o marcador, mas foi Luisão que, aos 67’, subiu mais alto e, de cabeça, na conversão de um livre, fez o 2-0, resultado que se manteve até ao apito final. Vitória justíssima!

No próximo sábado, o Sport Lisboa e Benfica vira as atenções para a última jornada do Campeonato Nacional, a 30.ª. Com tudo decidido, o Campeão viaja até ao Estádio do Dragão onde, pelas 18 horas, defronta o FC Porto.

Dia 14 de Maio, mais um dos momentos altos da época, com a segunda Final, a da Liga Europa, com todas as atenções focadas em Turim, onde o Glorioso defronta o Sevilha, naquela que será a 10.ª Final europeia da centenária História do Clube, a segunda consecutiva.

Dia 18, pelas 17h15, a derradeira Final, no Jamor, com o Benfica, mais uma vez frente ao Rio Ave, na luta pela conquista da 28.ª Taça de Portugal do seu palmarés.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com o seguinte onze inicial: Oblak; Maxi Pereira, Garay, Luisão e Siqueira; Rubem Amorim (André Almeida, 84’), Enzo Perez, Gaitán (Salvio, 68’) e Markovic; Lima (André Gomes, 90+1') e Rodrigo.

Fonte: SLB

Ficha de Jogo: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=189425

Fotos:https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10154108621490716&set=a.10154108457660716.1073742036.212504785715&type=1&theater

publicado por Benfica 73 às 08:41

Abril 28 2014

O estádio do Dragão recebeu, este domingo, a meia-final da Taça da Liga. Depois de um nulo ao fim dos 90 minutos regulamentares, a partida seguiu para a marca das grandes penalidades, o Benfica foi mais forte e venceu por 3-4.

Mesmo a entrar de início com vários futebolistas que habitualmente não são titulares, o Benfica entrou personalizado no estádio do Dragão, a jogar no campo todo, a trocar a bola e a pressionar alto. Não obstante, os primeiros dez minutos viu os remates de Lima e de Jackson Martínez passarem perto das balizas.

 

Após excelentes indicações do Benfica nos primeiros minutos, o FC Porto subiu as linhas, pressionou mais e esteve perto de marcar por intermédio de Jackson Martínez aos 21’ e aos 25 minutos, sendo que no último remate Oblak fez uma excelente mancha.

Aos 32 minutos, o árbitro Marco Ferreira decidiu ser protagonista. Jackson Martínez passou por Steven Vitória e foi derrubado à entrada da área. Aceitava-se o cartão amarelo, dado que havia vários jogadores no enfiamento da jogada, mas o jiuz mostrou o cartão vermelho. Contudo, três minutos depois, Alex Sandro colocou a mão à bola, mas, aí, Marco Ferreira nem cartão mostrou.

 

Curiosamente, com dez jogadores, o Benfica subiu no terreno, ganhou mais segundas bolas e equilibrou a contenda

 

que chegou aos 45 minutos com um nulo. Na segunda parte, e apesar de jogar com menos um na casa de um rival, o Benfica esteve muito maduro no relvado, sem dar espaços ao adversário que tornou o seu futebol previsível.

 

Os da Luz não deixaram, contudo, de tentar sair a jogar em transições rápidas que colocavam a defesa dos “azuis-e-brancos” em sentido. Com uma exibição inteligente a vários níveis e sem mácula, o Benfica aguentou o nulo até ao fim dos 90 minutos, levando o jogo para a marca das grandes penalidades.

 

Grandes penalidades SL Benfica: Siqueira – golo, Garay – falhou, Jardel – golo, André Gomes – falhou, Enzo Perez – golo, Ivan Cavaleiro – golo.

Grandes penalidades FC Porto: Quintero – golo, Jackson Martínez – falhou, Ghilas – golo, Maicon – falhou, Varela – golo, Fernando – falhou.

 

Desta forma, o Benfica garantiu a presença na final que será disputada em Leiria no dia 7 de Maio.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com o seguinte onze: Oblak; André Almeida, Jardel, Steven Vitória, Siqueira; Ruben Amorim (Enzo Perez, 78’), André Gomes, Ivan Cavaleiro, Sulejmani; Lima (Garay, 36’) e Cardozo (Markovic, 63’).

Fonte: SLB

Fotos:http://desporto.sapo.pt/futebol/taca_da_liga/fotos/tl-13-14-fc-porto-benfica/

Veja aqui a ficha do jogo

publicado por Benfica 73 às 10:16

Abril 15 2014

A meia-final da Taça da Liga entre FC Porto e Benfica realiza-se no próximo dia 27 de abril, às 18.15 horas, anunciou a Liga.

Segundo o comunicado emitido esta terça-feira, a partida será transmitida na TVI.

Recorde-se que o Rio Ave é a outra equipa apurada para a final da Taça da Liga, que estava marcada para 26 de abril, em Leiria, depois de ter batido o SC Braga na meia-final, por 2-1. Ainda não há nova data para a final.

O jogo entre FC Porto e Benfica fora adiado devido a um processo disciplinar pela Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga aos azuis e brancos, na sequência do atraso do início do jogo da fase de grupos com o Marítimo, que os dragões venceram por 3-2.

O Sporting ficou pelo caminho, em igualdade pontual com o FC Porto, mas com menos golos marcados.

O Conselho de Disciplina da FPF confirmou, depois, a qualificação do FC Porto para a meia-final, mas o Sporting recorreu da decisão, tendo o Conselho de Justiça recusado os argumentos dos leões e confirmado a qualificação dos portistas.

O processo acabou por atrasar a realização da meia-final, que ficou agora agendada para daqui a duas semanas.

Fonte: A Bola

publicado por Benfica 73 às 12:43

Janeiro 26 2014

A equipa principal do Sport Lisboa e Benfica disputou, este sábado, no estádio do Restelo, a 3.ª ronda da Fase de Grupos da Taça da Liga. Diante do Gil Vicente, triunfo por 1-0, com tento de Sulejmani e nove pontos em outros tantos possíveis.

A jogar em casa emprestada, o Benfica entrou com muita atitude, com que se tudo estivesse em jogo apesar de já ter as meias-finais garantidas. A jogar com pressão sobre o portador da bola, os pupilos à guarda de Jorge Jesus rapidamente se apoderou do meio-campo contrário.

 

Os primeiros minutos foram muito disputados no “miolo” e a bola andou longe das balizas, mas André Gomes remou contra a maré e aos 18 minutos tirou do pé esquerdo um disparo para defesa de Adriano. Estava dado o mote para o que aí vinha. Dois minutos volvidos, o camisola 30 combinou com Funes Mori e na passada rematou muito perto da baliza.

O Benfica pressionava cada vez mais, os gilistas sentiam cada vez mais dificuldade e aos 28’, Ivan Cavaleiro e Funes Mori inventaram uma jogada na área com o argentino a ser carregado na área por Vítor Vinha. Grande penalidade que o camisola 9 não conseguiu converter em golo.

Falhada a oportunidade flagrante, André Gomes continuou a carburar os lances de maior perigo das “águias”. Aos 32 minutos marcou um canto directo, Adriano defendeu em cima da linha de golo e Steven Vitória, na recarga, também não foi feliz. Seis minutos depois, novo canto directo de André Gomes passou muito perto da baliza minhota.

 

O médio fez uns excelentes 45 minutos e terminou a primeira parte a obrigar o guardião contrário a nova

intervenção num livre. O nulo ao intervalo penalizava a falta de eficácia benfiquista.

Na etapa complementar, o Gil Vicente manteve uma postura excessivamente defensiva e aos 56 minutos sofreu as consequências com um golo do Benfica. André Almeida cruzou, Funes Mori atirou à barra e Sulejmani, na recarga, atirou a contar. A vencer, os da Luz continuaram a carregar e aos 68’, André Gomes voltou a fazer uso do seu pontapé e obrigou Adriano a aplicar-se.

Ao minuto 78, Bernardo Silva entrou em campo e dois minutos depois deu um ar da sua graça. Arrancou em velocidade em direcção à baliza gilista e rematou às malhas laterais. O 2-0 estava próximo. Após excelente jogada colectiva, Funes Mori deixou para Hélder Costa que rematou para nova intervenção do guarda-redes brasileiro.

O Benfica vence por números que soam a escassos e segue para as meias-finais onde espera o adversário.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Paulo Lopes; André Almeida (João Cancelo, 82’), Steven Vitória, Jardel e Sílvio; Ivan Cavaleiro, André Gomes, Ruben Amorim e Sulejmani (Hélder Costa, 77’); Djuricic (Bernardo Silva, 78’) e Funes Mori.

Fonte: SLB

Fotos: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153743786865716&set=a.10153743786805716.1073741983.212504785715&type=1&theater

Ficha de Jogo: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=184350

publicado por Benfica 73 às 07:42

Janeiro 21 2014
O jogo entre Benfica e Gil Vicente, da 3.ª jornada do Grupo D da Taça da Liga, agendado para sábado, vai ter como palco o Estádio do Restelo.
A intervenção que está a ser levada a cabo no relvado do Estádio da Luz inviabiliza a realização do encontro, aprazado para as 16.15 horas, razão pela qual o clube encarnado solicitou ao Belenenses a utilização do seu reduto na receção à equipa minhota.
O novo tapete verde da Luz foi estreado precisamente diante do Gil Vicente, no passado dia 4 de janeiro, jogo da 5.ª eliminatória da Taça de Portugal.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 15:02

Janeiro 16 2014

O conjunto orientado por Jorge Jesus venceu, nesta noite de quarta-feira, o Leixões, por 2-0, na 2.ª jornada do Grupo D da Taça da Liga, garantindo, assim, a presença nas meias-finais da competição.

O Benfica entrou em campo com um quarteto defensivo inédito. À frente do regressado Artur Moraes à baliza, num esquema táctico 4x3x3, realce para a estreia de Funes Mori a titular na equipa principal e para uma equipa composta por jogadores menos utilizados, a quem Jorge Jesus decidiu dar minutos.

 

Num jogo de sentido único, jogado praticamente no meio-campo da equipa de Matosinhos, o bom entendimento entre os jogadores ficou bem visível.

Aos 25’ surgiu a primeira grande oportunidade dos “encarnados”. Steven Vitória quase fazia o primeiro golo do encontro, com um pontapé acrobático, a obrigar o guarda-redes Chastre a fazer a defesa da noite, numa altura em que o marcador ainda estava a zeros. 

Dois minutos depois surge então o primeiro golo. Aos 27’, um livre a meio-campo marcado por Rúben Amorim, encontra a cabeça de Jardel. O central brasileiro cabeceia para trás, para o sérvio Djuricic receber de peito e rematar de primeira, de pé esquerdo. Estava feito o 1-0.

 

Na etapa complementar a toada manteve-se, domínio absoluto do Benfica e controlo total sobre o adversário. Com

os laterais a integrarem-se bem nas manobras ofensivas, as acções de Sílvio disso são exemplo, a equipa de Jorge Jesus chegou várias vezes com muitos jogadores ao ataque.

Destaque para a excelente jogada individual de Ivan Cavaleiro aos 70’ a obrigar o guarda-redes contrário a aplicar-se para evitar o segundo golo do Benfica.

Mas a resistência do homem que defendeu as redes do conjunto de Matosinhos voltou a ser quebrada, a quatro minutos do fim, com um grande golo de Ivan Cavaleiro. O passe foi de Ruben Amorim, mas o mérito vai para a forma como o extremo tirou um adversário do caminho, desferindo de seguida um remate fortíssimo, sem hipótese de defesa, a fixar o resultado final (2-0). Um resultado que coloca a equipa nas meias-finais da Taça da Liga quando ainda faltava uma jornada para terminar a fase de grupos.

Jorge Jesus fez alinhar o seguinte onze inicial: Artur; André Almeida, Steven, Jardel, Sílvio; Amorim, Fejsa, Djuricic (Lima, 67’); Cavaleiro, Funes Mori (Rodrigo, 67’) e Ola John (Markovic, 64’).

Recorde-se que na 3.ª jornada do Grupo D da Taça da Liga o Benfica recebe o Gil Vicente. Antes disso, os “encarnados” defrontam o Marítimo, também no Estádio da Luz, no arranque da segunda volta do Campeonato Nacional.

Fonte: SLB

Ficha de Jogo: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=184342

Fotos: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153710246355716&set=a.10153710246190716.1073741979.212504785715&type=1&theater

publicado por Benfica 73 às 08:20

Novembro 20 2013
O sorteio da fase de grupos da Taça da Liga ditou que o FC Porto irá defrontar o Sporting.
Como o Sporting não era cabeça-de-série, a equipa leonina foi sorteada para o Grupo B, que é formado pelo FC Porto, Marítimo e Penafiel.
A partida entre o Sporting e o FC Porto irá decorrer em Alvalade a 29 ou 30 de dezembro.
O Benfica integra o Grupo D, que constituído também Nacional, Gil Vicente e Leixões.
O vencedor do Grupo B, que poderá ser o FC Porto ou Sporting, irá receber, nas meias-finais, o vencedor do Grupo D, que poderá ser o Benfica.

Grupos:

Grupo A:
Paços de Ferreira
Rio Ave
V. Setúbal
Sp. Covilhã

Grupo B:
FC Porto
Sporting
Marítimo
Penafiel

Grupo C:
Sp. Braga
Estoril
Belenenses
Beira Mar

Grupo D:
Benfica
Nacional
Gil Vicente
Leixões
publicado por Benfica 73 às 12:38

Fevereiro 28 2013

A lotaria das grandes penalidades ditou esta quarta-feira o afastamento do Sport Lisboa e Benfica da edição 2012/13 da Taça da Liga, após um nulo com o SC Braga no tempo regulamentar.

Na abordagem ao encontro das meias-finais da Taça da Liga, o treinador Jorge Jesus procedeu a várias alterações no onze inicial relativamente ao desafio com o Paços de Ferreira, com especial destaque para a presença de Roderick na chamada posição 6 e de Urreta no lado direito do ataque. Do triunfo sobre a equipa pacense, foram titulares Artur Moraes, Luisão e Cardozo.

 

A entrada da equipa em Braga foi bastante positiva por parte dos homens da Luz, obrigando o adversário a jogar de forma muito recuada. Numa saída rápida para o ataque aos cinco minutos, o conjunto “encarnado” teve a melhor situação de perigo do primeiro tempo. O avançado Rodrigo escapou para o interior da área bracarense e rematou à trave da baliza defendida por Quim.

Os minutos passaram e a partida foi gradualmente ficando mais equilibrada, com o adversário a ter também algumas acções perigosas, uma delas após o árbitro ter assinalado incorrectamente um fora-de-jogo a Urreta (17’). A principal situação ocorreu aos 22 minutos, altura em que Artur Moraes travou os remates de Custódio e Mossoró.

Para o início da segunda parte, o técnico benfiquista operou a entrada de Aimar para o lugar de Óscar Cardozo. Com Rodrigo a passar a ser a referência do ataque, a equipa mostrou-se sólida nos seus processos defensivos e ofensivos.

 

A equipa de arbitragem já não se mostrou tão consistente e coerente em algumas decisões, uma delas claramente

sem margem para dúvidas. Gaitán foi visivelmente derrubado por Leandro Salino aos 76 minutos. Aliás, o argentino foi duplamente travado, já que Quim também impediu o jogador de disputar o lance. Incrível!

O encontro aproximou-se da parte final e o Benfica foi quem teve mais clarividência junto das redes contrárias. Aimar, aos 82 minutos, quase sem ângulo, permitiu a defesa do guarda-redes dos visitados, enquanto Melgarejo disparou pouco tempo depois para fora.

Apesar da pressão final, a equipa não conseguiu marcar e a eliminatória teve de ser decidida através da marca das grandes penalidades. O adversário foi mais certeiro e acabou por vencer, por 3-2. Rodrigo e Enzo Perez converteram os castigos máximos do lado "encarnado".

O Sport Lisboa e Benfica apresentou a seguinte equipa: Artur Moraes; André Almeida, Luisão, Jardel e Melgarejo; Roderick, Carlos Martins (Ola John, 82'), Urreta (Enzo Perez, 61') e Gaitán; Rodrigo e Cardozo (Aimar, 45').


Veja aqui a ficha do jogo
publicado por Benfica 73 às 09:53

Janeiro 10 2013

A equipa de Futebol profissional apurou-se esta quarta-feira para as meias-finais da Taça da Liga, ao vencer a Académica de Coimbra, por 3-2. Lima (dois golos) e Kardec foram os marcadores de serviço, numa partida onde o Benfica deu, mais uma vez, uma lição de futebol.

Um jogador – mesmo o melhor do mundo – tem sempre algo para aprender e evoluir. No conjunto orientado por Jorge Jesus, os “alunos” que entram em campo nem sempre são os mesmos, mas isso não é sinónimo de quebra de qualidade ao nível da produção de jogo.

Depois de ter derrotado o Estoril no domingo, dia 6, para o Campeonato Nacional, o técnico benfiquista apresentou um novo figuro diante da Académica de Coimbra, com realce para a titularidade de Roderick Miranda, André Gomes e Pablo Aimar.

 

Num jogo em que estava em discussão o acesso às meias-finais da Taça da Liga, a equipa da Luz entrou muito consistente no encontro, trocando muito bem a posse de bola entre os seus jogadores, não se notando qualquer diferença relativamente aos jogos anteriores.

As oportunidades também falaram por si, como aconteceu com um remate muito perigoso de Nolito (19’), um cruzamento de Ola John (31’) -  Lima quase fez o desvio certeiro - e um pontapé fortíssimo de André Gomes (34’). Foi um prenúncio para o que veio uns minutos mais tarde. Bruno César fez um passe longo para Lima e este isolou-se para a baliza de Peiser, onde contornou, precisamente, o guarda-redes forasteiro e rematou para o fundo das redes (39’).

No período de descontos do primeiro tempo, a Académica de Coimbra, sem saber bem como, chegou à igualdade. Makekele conquistou a bola no início do meio-campo defensivo benfiquista e fugiu em direcção à baliza defendida por Paulo Lopes, que não conseguiu evitar o tento.

Se o resultado ao intervalo já não espelhava o que se tinha passado dentro das quatro linhas, o golo do início do segundo tempo da Académica aumentou a injustiça. Depois de Bruno César ter estado perto de marcar para o Benfica (47’), Saleiro respondeu e deu, então, a vantagem aos “estudantes” (49’).


Reviravolta em quatro minutos!

O resultado colocava os visitantes nas meias-finais da Taça da Liga e Jorge Jesus operou duas substituições – entradas de Carlos Martins e Kardec - para tentar inverter o rumo dos acontecimentos. A resposta não podia ter sido melhor. Ola John fez um cruzamento do lado direito do ataque e Alan Kardec surgiu a cabecear com êxito (61’).

Os adeptos nem tiveram tempo para festejar, uma vez que, após um passe subtil de Kardec, Lima voltou a disparar para o fundo das redes de Peiser (65’). Nesta altura, o argentino Salvio também já estava em campo para dar o seu contributo à formação da casa.

Do lado do conjunto de Coimbra, a desorientação foi notória a seguir ao terceiro tento “encarnado”, com Ferreira, jogador que tinha cometido várias entradas perigosas, a receber, finalmente, ordem de expulsão por parte do árbitro Manuel Mota (68’).

Em vantagem no marcador e com mais um jogador em campo, o Benfica controlou as operações até ao final, nunca descurando a procura da baliza contrária. Ola John (74’) e Carlos Martins (85’) estiveram perto de ampliar o marcador.

A equipa, actual detentora do troféu, conseguiu, assim, o seu objectivo de estar nas meias-finais da competição, onde vai defrontar – fora de casa – o SC Braga. Este jogo está previsto para o dia 27 de Fevereiro.
O Sport Lisboa e Benfica alinhou com a seguinte equipa: Paulo Lopes, Maxi Pereira, Jardel, Roderick Miranda e Luisinho; André Gomes, Bruno César (Carlos Martins, 57’), Nolito (Salvio, 63’), Pablo Aimar (Kardec, 57’) e Ola John; Lima.

Fonte: SLB

Ver Ficha de Jogo e Fotos, Aqui: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=165185

publicado por Benfica 73 às 08:29

Dezembro 30 2012

O Benfica empatou este domingo a um golo no campo do Moreirense, em jogo a contar para a 2.ª jornada da 3.ª Fase da Taça da Liga. Com este resultado, a qualificação para as meias-finais ainda não foi alcançada. Tudo vai ser decidido no jogo com a Académica.

Foi um autêntico mar vermelho que recebeu a equipa comandada por Jorge Jesus em Moreira de Cónegos. Com o forte apoio vindo das bancadas, o conjunto da Luz entrou muito determinado no encontro, dando o primeiro sinal das suas intenções aos dois minutos. Jardel cabeceou no interior da área e Cardozo quase que conseguiu desviar para a baliza.

 

Salvio, um dos elementos chamados ao onze, procurou desequilibrar em várias acções ofensivas, tendo estado perto de marcar aos nove minutos. Valeu o guarda-redes dos visitados, Ricardo Andrade, ao Moreirense, ao fazer uma boa intervenção. 
Com um futebol apoiado, o Benfica bem tentou perfurar a defesa contrária, com Ola John também a ser um dos jogadores em foco, nomeadamente do lado esquerdo. Num desses lances, o holandês rematou ao lado da baliza (40’).

Depois de ter incomodado Paulo Lopes aos 12 minutos, o Moreirense só apareceu e com o pior desfecho aos 40 minutos, altura em que Ghilas aproveitou uma abertura para bater o guardião benfiquista.

O Benfica iniciou a etapa complementar ainda mais incisivo na procura da baliza do Moreirense, situação que foi ainda mais notória a partir do minuto 57, altura em que Lima dispôs de uma excelente oportunidade para igualar. Após ter sido derrubado por Ricardo Andrade no interior da área, o número 11 benfiquista assumiu a cobrança do castigo máximo, no entanto, permitiu a defesa do guardião da casa.

 

Lima procurou redimir-se aos 63’ e 66’, mas as iniciativas voltaram a não correr da melhor forma.

O treinador Jorge Jesus operou mexidas na equipa e os últimos minutos foram totalmente dos “encarnados”. O golo da igualdade acabou por surgir no período de descontos, após a conversão de uma grande penalidade por parte de Óscar Cardozo.

O Benfica não pára e joga já esta quarta-feira, dia 2 de Janeiro, frente ao Desportivo das Aves. O encontro é referente aos oitavos-de-final da Taça de Portugal.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com a seguinte equipa: Paulo Lopes; André Almeida, Garay, Jardel e Melgarejo (Kardec, 89’); Matic, Enzo Perez (Nolito, 77’), Salvio e Ola John (Rodrigo, 69’); Cardozo e Lima.

Fonte: A Bola / SLB


Veja aqui a ficha do jogo
publicado por Benfica 73 às 21:13

Dezembro 30 2012
Até ontem haviam sido vendidos três mil bilhetes para o jogo desta tarde, com o Benfica, relativo à 2.ª jornada da fase de grupos da Taça da Liga.
O Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas tem uma capacidade para 6151 espetadores, o que equivale a dizer que hoje é esperada à volta de meia casa, naquele que é o segundo jogo com as águias, no espaço de pouco mais de um mês, após a derrota, por 0-2, na Taça de Portugal.
Recorde-se que nesse desafio foi por muito pouco que a lotação do estádio minhoto não esgotou.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 09:44

Dezembro 20 2012

O Benfica entrou da melhor forma na 6.ª edição da Taça da Liga, vencendo, por 1-2, na deslocação a Olhão. Rodrigo e Lima fizeram os golos de um jogo bem “durinho” e que, face a um Olhanense ultradefensivo, os “encarnados” tiveram o condão de descomplicar.

Foi com várias alterações no onze inicial que o Sport Lisboa e Benfica subiu ao relvado do Estádio José Arcanjo. Frente a um Olhanense a ultrapassar algumas dificuldades (12.º lugar da geral no Nacional) e que aposta muito da época nesta prova, Jorge Jesus optou por uma equipa renovada num misto de experiência e jovens oriundos da Equipa B, estes últimos a terem aqui uma oportunidade privilegiada de mostrar serviço ao técnico.

 

Apito inicial e jogada fulminante dos da casa, naquela que seria a oportunidade de golo mais flagrante dos visitados. Valeu Paulo Lopes.

O Benfica respondeu e pegou no jogo (como se exigia), com as oportunidades a sucederem-se, destacando-se aqui o poderoso remate de Rodrigo (4´), de primeira, depois de jogada de excelente entendimento colectivo.

A partir dos 15 minutos a partida endureceu, com a equipa orientada por Sérgio Conceição a usar e abusar do jogo à margem das leis, com entradas duras, agarrões, obstruções, na sua grande maioria nem sequer sancionadas por Paulo Baptista. Exemplo crasso, aos 15’, uma obstrução clara sobre Enzo Perez no coração da pequena área, ou seja, grande penalidade não assinalada pelo juiz de Portalegre. 

Posto isto, e dadas as características da partida e a postura díspar de ambas as formações, jogo duro, muito disputado, mas pouco interessante até ao intervalo, onde o nulo subsistia.

 

Massacre “encarnado” repôs justiça

Reinício… e golo do Olhanense. Contra-ataque, Paulo Lopes sai bem da baliza, contudo, a bola sobra para Evandro Brandão que, face à passividade da defesa “encarnada”, remata para o primeiro golo da noite. 

Reacção imediata de Jorge Jesus, com as entradas de Salvio e Lima. Reacção de Sérgio Conceição? Em vantagem, descer por completo os sectores, com onze atrás da linha da bola.

 

A partir daqui foi um autêntico massacre… os minutos corriam e as oportunidades sucediam-se enquanto se aguardava a qualquer momento a

chegada do golo benfiquista. E foi preciso esperar até ao minuto 69’, com Rodrigo, assistido por Jardel, a repor a igualdade. Aos 87’, com naturalidade, chegou finalmente o golo da justiça, com Lima – assistido por Salvio – a fazer o 1-2 com que terminou a partida. 

A próxima jornada da Taça da Liga, a 2.ª, disputa-se no próximo dia 30 de Dezembro, com o Benfica a deslocar-se até Moreira de Cónegos, naquele que será o último desafio do ano 2012. A 3.ª fase desta prova fecha-se em Janeiro (data a confirmar), com os “encarnados” a receberem a Académica de Coimbra.

 

O objectivo é claro e, no fundo, o de sempre: depois de vencer as últimas quatro edições da prova, o Benfica quer trazer para as vitrinas da Luz mais um troféu. Que venha a quinta! 

Nota final para um Paulo Baptista ao seu nível habitual… fraco, fraquinho!

O Benfica alinhou com a seguinte equipa frente ao Olhanense: Paulo Lopes; André Almeida, Sidnei, Jardel e Luisinho; Enzo Perez, André Gomes (Salvio, 55’), Gaitán, Bruno César (Lima, 54’) e Nolito (Ola John, 74’); Rodrigo.

Fonte: A Bola / SLB

Veja aqui a ficha do jogo

publicado por Benfica 73 às 07:59

Dezembro 19 2012
Os jovens Mika, João Cancelo, Carlos Ascues, Fábio Cardoso e Luís Martins, habituais escolhas de Luís Norton de Matos na equipa B do Benfica, foram chamados por Jorge Jesus para o embate desta noite em Olhão, frente ao Olhanense, a contar para a primeira jornada do Grupo D da Taça da Liga. Sidnei, que também tem sido opção na formação B das águias, também foi convocado. 
Ao todo, o treinador dos encarnados convocou 19 jogadores para o jogo. Relativamente à última partida com o Marítimo para o campeonato, Jesus deixou de fora os habituais titulares Artur, Cardozo, Maxi Pereira, Matic, Garay e Melgarejo. 
Bruno César, recuperado de uma gastroenterite que o deixou de fora do encontro com os insulares, está de regresso à equipa. 
Confira a lista de convocados:
Guarda-redes: Paulo Lopes e Mika;
Defesas: André Almeida, Sidnei, João Cancelo, Carlos Ascues, Luisinho, Jardel, Luís Martins e Fábio Cardoso.
Médios: Enzo Pérez, Bruno César, Gaitán, Salvio, André Gomes, Ola John e Nolito.
Avançados: Rodrigo e Lima.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 16:35

Novembro 05 2012
Realizou-se esta segunda-feira o sorteio da 3.ª fase da Taça da Liga, já com a participação dos oito primeiros classificados da época passada. 
O FC Porto ficou escalonado no Grupo A, juntamente com Nacional, V. Setúbal e Estoril. O SC Braga terá o vizinho V. Guimarães como adversário no Grupo B, o Sporting está no grupo C com Marítimo, Rio Ave e Paços de Ferreira, enquanto o Benfica, atual detentor do troféu terá como adversários Olhanense, Moreirense e Académica.
De destacar o facto de Benfica e FC Porto só poderem defrontar-se na final, isto, claro está, se passarem pelos respetivos grupos e pela meia-final.
Calendário:
Grupo A
1.ª jornada (19/12)
Nacional - FC Porto
Estoril - V. Setúbal

2.º jornada (30/12 e 2/1)
Estoril – FC Porto
V. Setúbal – Nacional

3.º jornada (9/1)
FC Porto – V. Setúbal
Nacional – Estoril

Grupo B
1.ª jornada (19/12)
V. Guimarães - SC Braga
Naval - Beira Mar

2.º jornada (30/12 e 2/1)
Naval – SC Braga
Beira-Mar – V. Guimarães

3.º jornada (9/1)
SC Braga – Beira-Mar
V. Guimarães - Naval

Grupo C
1.ª jornada (19/12)
Marítimo – Sporting
Rio Ave - P. Ferreira

2.º jornada (30/12 e 2/1)
Rio Ave – Sporting
P. Ferreira – Marítimo

3.º jornada (9/1)
Sporting – P. Ferreira
Marítimo – Rio Ave

Grupo D
1.ª jornada (19/12)
Olhanense – Benfica
Moreirense – Académica

2.º jornada (30/12 e 2/1)
Moreirense – Benfica
Académica – Olhanense

3.º jornada (9/1)
Benfica – Académica
Olhanense - Moreirense

Meias-finais (27 fevereiro):
Vencedor do Grupo B - Vencedor do Grupo D
Vencedor do Grupo A - Vencedor do Grupo C
Final:
14 de abril, em Coimbra
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 14:22

Abril 16 2012
Veja as fotografias que marcaram a final da Taça da Liga entre Benfica e Gil Vicente, disputada ontem em Coimbra, e que terminou com a vitória dos encarnados por 2-1.
Fonte: A Bola
Saviola
Jogadores
Maxi
Witsel
Paulo
Jogadores
Mensagem
Apanha
publicado por Benfica 73 às 09:12

Abril 15 2012

A cidade de Coimbra engalanou-se para receber a Final da Taça da Liga. No palco de todas as emoções estiveram 23.452 espectadores para darem as boas-vindas às equipas do Sport Lisboa e Benfica e o Gil Vicente. Os “encarnados” acabaram por ser protagonistas, venceram por 2-1 e conquistaram a competição pela quarta vez consecutiva em cinco edições.

 

Devido à imposição de ter de jogar de início com dois portugueses, o treinador Jorge Jesus optou por entregar a baliza a Eduardo e a referência ofensiva foi Nélson Oliveira. Referir ainda que Capdevila e Matic foram titulares nos lugares de Emerson e Javi García, respectivamente.

 

O espectáculo começou aberto e bastante vivo com as duas formações a entregarem-se à Final de forma abnegada e a surgirem momentos de “frisson” em ambas as balizas. O primeiro lance de verdadeiro perigo pertenceu mesmo ao conjunto lisboeta quando aos 12 minutos uma primorosa assistência de Nélson Oliveira isolou Maxi Pereira que tentou picar o esférico por cima de Adriano, mas este defendeu para canto.

 

O Benfica ia tendo as despesas do jogo e não estranhou que marcasse primeiro. À passagem do minuto 30, o brasileiro Bruno César teve uma excelente jogada pela esquerda, centrou para a área onde apareceu Rodrigo a facturar. Estava inaugurado o marcador no estádio Cidade de Coimbra.

As “águias” não tiravam o “pé do acelerador e aos 41´ poderia ter aumentado a vantagem. Mais uma boa jogada colectiva do Benfica, Aimar deixou a bola para Witsel que disparou para mais uma vistosa intervenção do guarda-redes dos gilistas.

O intervalo chegava com a turma da Luz na frente por 1-0 e com 65% de posse de bola.

 

Injustiça ao cair do pano mas Saviola… resolveu!

Em paralelo com o que se tinha passado na primeira metade, a etapa complementar começou com os dois emblemas na busca pelo golo e Maxi Pereira foi o primeiro a dar o tónico. Aos 51´, Rodrigo deixou o esférico para o uruguaio que, encostado à direita, rematou e quase surpreendeu Adriano que, por certo, esperaria o cruzamento para a área.

 

A Final estava animada e volvidos três minutos, Rodrigo teve no seu pé esquerdo a possibilidade de bisar. Frente-a-frente com o guardião do Gil Vicente disparou forte, mas este opôs-se a preceito.

 

O Gil Vicente foi desaparecendo do jogo e o Benfica foi rondando com cada vez maior assiduidade a baliza dos minhotos, mas aos 78 minutos, Zé Luís fez o golo do empate e coloriu o “placard” de injustiça.  

 

Perante o resultado verificado e numa atitude ganhadora, Jorge Jesus colocou em campo Saviola e “el conejo” resolveu a contenda aos 83 minutos depois de dar o melhor seguimento a um lançamento da linha lateral de Maxi Pereira.

O Benfica venceu e fez, na cidade estudantil, a festa da conquista da Taça da Liga.

 

O Sport Lisboa e Benfica começou o jogo com o seguinte onze: Eduardo; Maxi Pereira, Jardel, Garay, Capdevila; Matic, Witsel, Bruno César, Aimar (Cardozo, 62´), Rodrigo (Saviola, 81´) e Nélson Oliveira (Gaitán, 46´).

Texto: Marco Rebelo

Fonte: SLB
publicado por Benfica 73 às 09:35

Março 21 2012

Não foi desforra nem vingança de coisa alguma… mas que soube bem, ai isso soube! Em partida a contar para as meias-finais da Taça da Liga, o Benfica venceu o FC Porto, por 3-2, esta terça-feira à noite, na Luz, carimbando a sua quarta presença consecutiva na final da prova. Desvalorizada por quem nunca teve capacidade para a vencer, para nós é mais uma taça que queremos erguer!


Já vai longo o percurso “encarnado” nesta 5.ª edição da Taça da Liga, percurso esse iniciado no início do novo ano, dia 3 de Janeiro, em Guimarães, com o Benfica a vencer os locais, por 4-1, mostrando desde logo que esta é uma prova que não desvaloriza e que quer – à semelhança de todas as competições em que entra! – ganhar. Seguiram-se os desafios com Santa Clara (2-0) e Marítimo (3-0), ambos na Luz, com o Benfica a classificar-se no 1.º lugar do seu Grupo B, somente com vitórias, dez golos marcados e somente um sofrido.

 

Com este caminho percorrido, sem mácula, quis o alinhamento que o Benfica defrontasse o vencedor do Grupo D, o FC Porto. Terça-feira à noite na Catedral, pelas 20h45, novo clássico e cerca de 30 mil adeptos benfiquistas em apoio ao Maior Clube do Mundo.

 

Com algumas alterações no figurino, devido a uma necessária rotatividade de plantel assumida por Jorge Jesus, a mentalidade e a postura mantiveram-se. É que seguem-se semanas verdadeiramente infernais, com o Benfica na luta pelo Campeonato e pela Champions… mas a Taça da Liga também é para ganhar!

 

Salve o cliché… impróprio para cardíacos!

E o jogo não poderia ter começado de melhor maneira! Com um início avassalador, depois de uma recuperação de bola, tinham corrido somente 4´, eis que surge isolado Maxi Pereira que, de primeira, enche o pé para o primeiro golo da noite. Mas foi “sol de pouca dura”, isto é como quem diz, os festejos duraram pouco na Catedral. Aos 7´’, num lance de enorme infelicidade, Lucho remata para a baliza, a bola embate em Javi García, desvia a trajectória e acaba por trair Eduardo. Estava feito o empate. O FC Porto acordou e, aos 16’, colocou-se mesmo em vantagem, com Mangala a cabecear para o 1-2, na sequência de um livre.

 

Atordoados com os dois golos de rajada, os pupilos de Jorge Jesus tardaram em reagir, como se um qualquer fantasma os teimasse em assustar… mas no Benfica há que lidar com todas estas idiossincrasias e o psicológico tem de ser forte.

 

A partir dos 20’, tal como surgiu, o fantasma desapareceu! Com um futebol mais directo – pois os sectores teimavam em funcionar – o Benfica começou a soltar-se das amarras e iniciou uma verdadeira avalancha ofensiva, carregando com tudo, refira-se, muitas vezes não da melhor forma, mas sempre, sempre com enorme qu(c)rer!

 

A bola ia a trave, ia aos postes, era defendida, cortada, tornava a beijar o ferro e teimava em não entrar… mas “água mole em pedra dura”… Aos 42’, finalmente a redondinha entrou! Na cobrança de um livre, Javi García surge solto de marcação na direita, serve Nolito, que com o peito, faz o empate a duas bolas, empate esse que há largos minutos se justificava.

 

O “Matador” veio do banco…

Depois de uns primeiros 45’ avassaladores, o que não significa futebol bem jogado mas sim golos e emoção, a segunda metade foi completamente diferente. Toada morna, jogadas tácticas com entradas e saídas nos dois grupos e poucas oportunidades de golo. Destaque para dois grandes remates “encarnados”, o primeiro de Witsel (55’), o segundo de Nolito (68’), mas ambos passaram por cima da trave. Foi preciso esperar até aos 76’ para que a Catedral tornasse a festejar, com a tão desejada cambalhota no marcador. Recolocação de bola em jogo, Cardozo surge isolado por Gaitán na cara de Bracali e, com muita frieza e classe, remata para o 3-2, sentenciando a partida.

 

O Benfica tem assim presença confirmada no próximo dia 14 de Abril, no Estádio Cidade de Coimbra, naquela que será a sua quarta final da prova consecutiva, tendo vencido as três anteriores. Aguarda-se apenas confirmação do adversário, que sairá do embate entre o Gil Vicente e o Sporting Clube de Braga.

 

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Eduardo; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Capdevila; Javi García, Witsel, Aimar (Saviola, 72’), Bruno César (Gaitán, 56’) e Nolito; Nélson Oliveira (Cardozo, 65’).

Texto: Sónia Antunes

Fonte: SLB
publicado por Benfica 73 às 08:16

Fevereiro 06 2012

Benfica 3 - 0 Marítimo

O Benfica qualificou-se este domingo para as meias-finais da Taça da Liga, ao bater o Marítimo por 3-0. Nélson Oliveira e Rodrigo foram os marcadores da noite no Estádio da Luz, que recebeu mais um bom espectáculo de futebol proporcionado pela formação orientada por Jorge Jesus.

 

Um empate. Era esse registo que o Benfica precisava para atingir matematicamente as meias-finais da Taça da Liga. Mas, como no Benfica a palavra de ordem é vencer, a equipa comandada por Jorge Jesus começou desde cedo a procurar a baliza contrária e com um elemento em particular destaque: Nélson Oliveira. 

O avançado esteve muito móvel e logo aos seis minutos colocou a bola muito bem em Nolito, no entanto, o espanhol viu o seu remate ser defendido pelo guarda-redes Salin. Nélson Oliveira voltou a fugir pelo lado direito do ataque, servindo Saviola na perfeição, contudo, o argentino rematou para defesa do guarda-redes forasteiro, sendo que a bola voltou para os pés do número 30, ainda que o remate já não tenha levado a direcção da baliza.

 

Numa noite muito fria, as jogadas do Benfica aqueciam e, de que maneira, o ambiente nas bancadas. A temperatura aumentou mesmo aos 13 minutos, altura em que Nélson Oliveira escapou novamente pelo lado direito e após um excelente passe de Saviola. O número 16 das “águias” não perdoou e abriu as contas na Luz.

Aproveitando o empolgamento do golo de Nélson Oliveira, Nolito voltou a surgir em cena, no entanto, a sorte não esteve outra vez do lado do número nove “encarnado”, já que o remate foi travado por Salin (15 minutos).

 

O desafio entrou a partir dos 20 minutos numa toada de equilíbrio, com o marcador a não sofrer mais alterações até ao intervalo, apesar das tentativas das duas equipas.

 

O Benfica entrou no segundo tempo com uma dinâmica muito forte, não permitindo ao Marítimo sair para o ataque. Nélson Oliveira, aos 47 minutos, tentou novamente a sua sorte, contudo, o remate saiu ao lado.

 

Rodrigo sentencia com bis

A formação madeirense ficou depois reduzida a dez unidades aos 58 minutos, após expulsão de Pouga. Jorge Jesus mexeu pouco depois na equipa e os resultados foram praticamente imediatos, já que Rodrigo marcou seis minutos depois de entrar para o lugar de Saviola. Ao seu estilo, o espanhol não se fez rogado aos 80 minutos e apontou mais um tento na presente temporada, o segundo no desafio.

 

A partida frente ao Marítimo ficou, além da qualificação para as meias-finais, marcada pela estreia de Yannick Djaló com a camisola “encarnada”.

 

Recorde-se que, na próxima fase da prova, o Benfica vai medir forças com o FC Porto.

 

O Benfica apresentou a seguinte equipa: Eduardo; Maxi Pereira, Garay, Jardel e Capdevila; Javi García, Nolito, Gaitán (Djaló, 81’) e Aimar; Nélson Oliveira (Cardozo, 84’) e Saviola (Rodrigo, 66).

Fonte: A BolaSLB

publicado por Benfica 73 às 08:07

Janeiro 19 2012

Benfica 2 - 0 Santa Clara

A equipa de futebol profissional ficou esta quarta-feira mais perto das meias-finais da Taça da Liga, ao bater em casa o Santa Clara por 2-0. Foi uma partida em que Nélson Oliveira e Witsel fizeram “o gosto ao pé”.

 

Depois de ter vencido o Vitória de Guimarães na 1.ª jornada do Grupo B da Taça da Liga, o Benfica apresentou várias alterações no encontro frente ao Santa Clara, referente à 2.ª ronda da prova. Com uma defesa totalmente renovada, a equipa contou ainda com dois médios recuados no centr do terreno, ao contrário do que é habitual. Javi García e Matic fizeram dupla no eixo do meio-campo, ficando as alas a cargo de Bruno César e Gaitán. No ataque, Saviola e Nélson Oliveira foram os homens de referência.

Apesar das várias mudanças no onze, o Benfica apresentou-se sólido no terreno de jogo, controlando totalmente a primeira parte. Basta dizer que, aos 35 minutos, a formação orientada por Jorge Jesus tinha 70% de posse de bola.

 

Depois de ter sido titular em Guimarães, Nélson Oliveira voltou a jogar na frente de ataque, onde foi um dos elementos mais activos. O atacante procurou os espaços vazios, ameaçando as redes numa iniciativa aos 19 minutos. Na sequência do canto, o central Jardel cabeceou nas alturas, no entanto, o esférico foi à figura do guarda-redes visitante, Stefanovic.

 

Na parte final do primeiro tempo, o Benfica acelerou o ritmo e novamente por intermédio de Nélson Oliveira, que conquistou mais um canto (38 minutos).

 

O primeiro tempo ficou ainda marcado por uma excelente jogada de Saviola pelo lado direito, mas o remate do argentino foi travado pelo guardião dos visitantes. Na sequência do pontapé de canto, o sérvio Matic esteve quase a repetir o que tinha feito frente ao Vitória de Setúbal, mas a bola foi, mais uma vez, defendida pelo guarda-redes do Santa Clara (42’).

 

Nélson Oliveira e Witsel resolvem

Com o resultado empatado ao intervalo, Jorge Jesus decidiu mexer na equipa e fez entrar Witsel para o lugar de Matic. Mais habituado a jogar com Javi García, Witsel veio dar ainda mais dinâmica ao meio-campo benfiquista. As entradas de Nolito e Rodrigo também foram importantes para a resolução do encontro, nomeadamente do número nove espanhol, uma vez que foi o autor das assistências dos dois golos benfiquistas.

 

O primeiro tento foi particularmente especial, uma vez que foi o golo de estreia em jogos oficiais de Nélson Oliveira com a camisola do Benfica. Estavam decorridos 67 minutos.

 

A equipa aumentou a intensidade no jogo e Witsel esteve perto de perto de facturar aos 72 minutos, no entanto, o defesa Sandro evitou o tento do belga. Mas Witsel já não perdoou aos 75 minutos, após um excelente passe de Nolito.

 

Além dos golos do Benfica, o segundo tempo ficou marcado pela expulsão do jogador do Santa Clara, Madeira, aos 85 minutos.

Com esta vitória, a equipa “encarnada” ficou mais perto das meias-finais da Taça da Liga. Basta um empate na terceira e última jornada frente ao Marítimo para seguir em frente na competição.

O Benfica alinhou com a seguinte equipa: Eduardo; André Almeida, Jardel, Miguel Vítor e Capdevila; Javi García, Gaitán (Rodrigo, 65’), Matic (Witsel, 45’) e Bruno César; Nélson Oliveira e Saviola (Nolito, 65’).

Fonte: A Bola / SLB

publicado por Benfica 73 às 07:54

Janeiro 04 2012

Ano Novo…a Alma de sempre!

Há coisas que teimam em não mudar! Foi preciso lutar contra um ambiente hostil, agressividade excessiva do adversário, comentários televisivos obtusos e ainda um Bruno Paixão que teima em inventar… mas contra tudo e contra todos, este Benfica tem alma e mostrou-o – mais uma vez! - na deslocação a Guimarães. Witsel, Cardozo e Rodrigo marcaram os golos da vitória benfiquista, por 1-4.

 

No primeiro desafio oficial de 2012, a contar para a 1.ª jornada da Taça da Liga, o Benfica viajou até Guimarães e, frente aos locais, venceu, por 1-4, conquistando os primeiros três pontos de um troféu que mora na Luz de há três temporadas para cá e que o Clube quer revalidar.

 

Foi com algumas caras novas que o primeiro onze benfiquista do novo ano subiu ao relvado do Estádio D. Afonso Henriques… mas a raça, bravura, inteligência e pragmatismo manteve-se. O Sport Lisboa e Benfica não desvaloriza provas, títulos ou troféus e se dúvidas existissem de que esta 5.ª edição da Taça da Liga é para vencer, as mesmas foram desfeitas logos nos minutos iniciais.

 

E não foi preciso muito para se gritar golo na Cidade Berço, para alegria dos adeptos “encarnados” que – para não variar! – se encontravam em maioria nas bancadas. Com um futebol pressionante em todas as linhas, “sufocando” o portador de bola, o Benfica deu poucos espaços de manobra aos vimaranenses e aos 10’ esta toada personalizada deu frutos. Recuperação de bola, Nolito - na esquerda – rasga o relvado de lés a lés, com o esférico a encontrar Witsel. O belga, solto de qualquer marcação, recebe com classe e, na cara de Douglas, remata rasteiro para o primeiro golo benfiquista da noite.

 

Têm fome de bola

 

Contrariamente ao que era esperado, o tento inaugural pareceu trazer uma injecção de força (muitas vezes a roçar a agressividade excessiva!) aos anfitriões, com o Benfica – inesperadamente - a acusar negativamente a vantagem. Com a reacção dos homens de Rui Vitória, a equipa “encarnada” pareceu intranquilizar-se e a bola começou então a rondar com mais perigo a baliza à guarda de Eduardo… sem consequências. É que o Benfica não tardou em responder! Depois do impacto inicial as “águias” reorganizaram-se e as oportunidades começaram a surgir nas duas áreas, transformando este num desafio bastante emocionante.

 

Bola lá, bola cá, futebol rápido, empolgante, jogadores com fome de bola a quererem mostrar serviço. Quando assim é não há táctica que resista, isto porque o coração facilmente se sobrepõe à razão. Ao intervalo faltavam mais golos e o Benfica vencia, justificadamente, por 0-1.

 

Ele é – mesmo - muito perigoso!

 

E por falar em golos… o reatar trouxe o do empate. Dois minutos depois de Bruno Paixão ter apitado, livre indirecto para os locais, com João Paulo, de primeira no coração da área, a restabelecer a igualdade.

 

Com tudo em aberto o jogo ganhou ainda maior incerteza e rapidez com os jogadores a deixarem a pele em campo em busca da vitória. Assistia-se a uma partida de futebol interessante, e eis que um Bruno Paixão desastroso resolve entrar em cena. Primeiro, perdoa a expulsão a João Paulo, que deveria ter recebido ordem de expulsão, depois de carregar Maxi Pereira; segundo, não assinala grande penalidade favorável ao Benfica, castigando uma falta claríssima sobre Nolito. Ano Novo… a falta de verdade desportiva de sempre! Depois desses e de outros erros, Bruno Paixão acertou finalmente numa decisão e expulsou correctamente Pedro Mendes. Estavam decorridos 60 minutos. 

 

Mas este Benfica tem uma alma e um coração enormes e está tão habituado a lutar contra tudo e contra todos… que a resposta não tardou! E se ela soube bem… soube a justiça!

 

Aos 65’, num lance técnico espectacular, Cardozo mostrou – mais uma vez! – porque é perigoso. Recepção de bola perfeita, rotação e, de primeira, um remate poderoso e indefensável ao ângulo. O Benfica estava novamente em vantagem… e já a merecia! Aos 77’, o golo da tranquilidade! Quem mais? Cardozo, pois claro! Canto na direita, e lá bem nos ares, como gosta, surge Tacuara, de cabeça, a bisar na partida. Estava feito o 1-3. A fechar, e depois de meia hora praticamente avassaladora, Rodrigo fez questão de escrever o seu nome na lista de marcadores da partida, corria o minuto 88.

 

Com esta vitória, o Benfica coloca-se na liderança do Grupo B da Taça da Liga mas, mais do que os três pontos, ficaram sinais auspiciosos para 2012 de uma equipa cada vez mais personalizada e com “ganas” de vencer!

 

O Sport Lisboa e Benfica alinhou da seguinte forma: Eduardo; Maxi Pereira, Luisão, Garay, Emerson, Javi García, Witsel, Nolito, Aimar (Rodrigo, 71’), Saviola (Bruno César, 45’) e Nélson Oliveira (Cardozo, 45’).

Fonte: A Bola / SLB

publicado por Benfica 73 às 08:23

Abril 28 2011

 

Benfica 2 -1 Braga

 

Um golo de Cardozo, aos 59 minutos, deu esta quinta-feira a vitória ao Benfica frente ao SC Braga, por 2-1, em jogo da primeira-mão da meia-final da Liga Europa. 
O primeiro sinal de perigo pertenceu ao SC Braga, aos 3 minutos, quando Sílvio recebeu a bola com o pé esquerdo e com o direito atirou junto ao poste direito da baliza defendida por Roberto (Benfica) ainda deu a sensação de golo quando a bola fez abanar as redes.
O Benfica tomou então conta do jogo e dois minutos depois Cardozo introduziu a bola na baliza defendida por Artur Morais, contudo foi apanhado fora de jogo. O paraguaio teve frente aos bracarenses uma «afeição» pelos postes. Só a sua conta atirou duas bolas ao ferro.
Os golos, esses, surgiram no segundo tempo, em 9 minutos frenéticos. 
Aos 51 minutos, Maxi Pereira imparável, deambulou pela direita, cruzou para a área, Cardozo atirou ao poste e na recarga o Jardel inaugurou o marcador para alegria dos 57.792 espectadores no Estádio da Luz.
O balde água fria surgiu dois minutos depois quando Luisão «permitiu» que Vandinho aparecesse sozinho na pequena área e fazer o 1-1, depois de um livre cobrado por Hugo Viana.
Foi precisamente de bola parada que Óscar Cardozo, aos 59 minutos, regressou aos golos e colocou o Benfica a vencer. O paraguaio fez o 2-1 ao cobrar um livre directo que castigou uma falta de Sílvio sobre César Peixoto, selando o resultado.
A equipa lisboeta segue assim em vantagem, magra, para o jogo da segunda-mão na próxima semana em Braga. Já a formação comandada por Domingos Paciência, apesar de derrotada, poderá capitalizar o golo marcado na Luz.
Para este encontro Jorge Jesus não poderá contar com Pablo Aimar, que completou um conjunto de cartões amarelos, tal como Domingo Paciência que «perdeu» Vandinho pelo mesmo motivo.

Fonte: A Bola / SLB

publicado por Benfica 73 às 23:21

Abril 24 2011

 

Benfica 2 -1 Paços de Ferreira

 

O Benfica venceu, este sábado, o Paços de Ferreira, por 2-1, na final da Taça da Liga, que decorreu no Estádio Cidade de Coimbra. A equipa encarnada conquista pela terceira vez consecutiva esta competição. 
O golo do Benfica surgiu aos 17 minutos. Após uma jogada de insistência de Fábio Coentrão, o lateral cruzou para o cabeceamento vitorioso de Jara, que aproveitou a falha de marcação.
A reacção do Paços de Ferreira poderia ter chegado aos trinta minutos, mas Manuel José desperdiçou uma grande penalidade e permitiu a defesa de Moreira.
A dois minutos do intervalo, o Benfica voltou a marcar. Carlos Martins apontou livre, Luisão fez o primeiro desvio e Javi García facturou. 
Na segunda parte os pacenses reagiram e aos 51 minutos reduziram. Manuel José cruzou e Luisão ao tentar cortar a bola acabou por fazer autogolo. Os pacenses ficaram mais confiantes e criaram mais oportunidades de golo, mas Moreira conseguiu sempre evitar o pior.

Fonte: A Bola / SLB

 

publicado por Benfica 73 às 09:38

BENFICA 73
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


comentários recentes
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...
Tanto quanto narra a história a Cinderela saiu ven...
Fosse eu a tratar deste assunto e se este está a d...
Semeaste muitos ventos ó nalguinhas! Agora, aguent...

contador visitante