Dezembro 05 2012

A Liga dos Campeões é uma prova para agarrar com as duas mãos. Esta é a ideia que Jorge Jesus vai transmitir hoje aos jogadores no balneário de Camp Nou. Se o Benfica vencer no palco blaugrana recebe imediatamente um jackpot de 4,5 milhões de euros, 1 milhão pelo triunfo e a quantia remanescente fruto do apuramento para os oitavos-de-final da competição.

Fonte: Record

publicado por Benfica 73 às 18:01

Dezembro 05 2012

Os fiéis adeptos do Barcelona não vão deixar de apoiar a sua equipa hoje à noite, apesar do primeiro lugar do Grupo G e consequente apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões estar garantido e de Tito Vilanova ter deixado alguns dos habituais titulares fora da convocatória, como foram os casos de Fàbregas, Xavi ou Iniesta.

O Camp Nou vai estar hoje muito bem composto, com 75 mil espectadores, segundo as previsões dos responsáveis pelo clube catalão. E o grande aliciante para os blaugrana é poder ver Lionel Messi bater mais um recorde: o astro argentino pode tornar-se o jogador com mais golos de sempre num ano civil, ultrapassando o alemão Müller.
O Benfica também não poderá queixar de falta de apoio, uma vez que são esperados cerca de 5 mil adeptos dos encarnados. Aliás, ontem na sessão de trabalho realizada em Camp Nou, ao final da tarde, os jogadores já puderam sentir o carinho de algumas dezenas de benfiquistas que fizeram questão de estar no anfiteatro dos catalães.
Fonte: Record
publicado por Benfica 73 às 17:50

Dezembro 05 2012

O Benfica procura hoje em Barcelona qualificar-se para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Trata-se de um jogo decisivo quanto ao futuro dos encarnados na Europa, esta temporada, mas a SAD não irá atribuir qualquer prémio extra aos jogadores, em caso de sucesso. A recompensa será a normal, definida no início da temporada, em caso de sucesso.

Fonte: Record

publicado por Benfica 73 às 12:23

Dezembro 04 2012
A UEFA nomeou o norueguês Svein Oddvar Moen para dirigir o encontro desta quarta-feira, em Camp Nou, entre Barcelona e Benfica, decisivo para a equipa encarnada no que diz respeito à continuidade na Liga dos Campeões.
Svein Oddvar Moen tem 33 anos, está na elite desde 2011 e na presente época já dirigiu um encontro da Champions: o Ajax-Man. City (3-1). Faz parte da lista de pré-designados para o Mundial-2014.
No jogo em Barcelona estará acompanhado pelos seus compatriotas Kim Thomas Haglund, Frank Andås (árbitros assistentes) , Sven Erik Midthjell (quarto árbitro), Tommy Skjerven e Ken Henry Johnsen (árbitros assistentes adicionais).
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 13:13

Novembro 21 2012

O sonho europeu continua vivo! Com a vitória – justíssima – frente ao Celtic (2-1), o Benfica continua a manter aspirações intactas no que às competições europeias diz respeito. Dia 5, em Barcelona, mais uma vez é o tudo ou nada… e, com esta atitude e ambição, há que acreditar!

Tudo ou nada! Com uma vitória, um empate e duas derrotas no Grupo G da Liga dos Campeões, ao Benfica restava somente uma de duas hipóteses para continuar a sonhar: ganhar… ou ganhar! E, mesmo assim há que aguardar pela última jornada (com o Benfica a viajar até Espanha para defrontar o Barcelona), para aferir com todas as certezas as contas finais.

 

Mas vamos por partes, ou seja, o mesmo que dizer, jogo a jogo! E a primeira batalha, numa guerra que esperamos ainda longa, foi nesta noite de terça-feira.

Benfica e Celtic de Glasgow, frente-a-frente, para mais uma noite europeia, com o Estádio da Luz a ser o palco das emoções. Com o Barcelona já apurado para a fase seguinte, os dois emblemas tinham ainda uma palavra a dizer e, apesar da história contar tantas histórias, o favoritismo prova-se dentro de campo.

Com algumas alterações no figurino, foi um Benfica com a ambição de sempre, aquele que subiu ao relvado da Catedral. Em cima da mesa, neste caso, no tapete verde da Luz, três vectores em disputa: o prestígio desportivo, o cimentar da marca e ainda os importantes euros oriundos da Liga Milionária.

                                                               

Golo madrugador… empate injusto!

Imbuído neste espírito, o Benfica entrou com tudo na partida. Cardozo deu o mote no minuto inicial, com um remate poderoso de fora da área, a passar por cima da trave. O Celtic surgiu em campo com as linhas muito subidas e a equipa “encarnada” agradeceu e não se fez rogada: aos seis minutos a primeira explosão de alegria na Luz. Grande jogada do colectivo, insistência de Salvio, com Ola John a surgir solto no coração da pequena área a rematar de primeira, rasteiro, para o primeiro golo da noite e o seu primeiro de “águia ao peito”.

Em vantagem, o Benfica geria a posse de bola, privilegiando a segurança, face um Celtic completamente amorfo. Consequência? Jogo “mastigado”, pragmático e sem grandes ocasiões.

 

Em cima da meia hora, misto de emoções. Primeiro, agressão a Enzo Perez (cotovelada de Wanyama) a passar impune; depois, Lima assiste Cardozo, mas desta vez a bola sai ao lado do poste, perdendo-se um golo de belo efeito… E veio então a injustiça! Na primeira vez que o Celtic se acercou da baliza de Artur, no primeiro remate que realizou… chegou o empate! Canto cobrado, Samaras, livre de marcação, cabeceia para o golo!

Com a igualdade restabelecida, o Benfica acusou um pouco o tento sofrido, perdendo o controlo de um desafio que, até então, geria a seu belo prazer e arriscando-se a perder definitivamente o comboio da Liga Milionária.

Nos últimos cinco minutos a equipa reagiu, carregou, destacando-se os remates de Ola John, Matic e Salvio, mas sempre inconsequentes. Nota ainda para nova agressão a Enzo Perez, aos 38’, desta feita com Samaras a ser o protagonista… o árbitro húngaro mostrou amarelo! Ao intervalo, o empate castigava os homens da Luz.

 

E da injustiça… fez-se justiça!

À semelhança da primeira metade, o Benfica entrou determinado para os últimos 45’ da partida. Mais do que nunca era o tudo por tudo e era

necessário inverter o rumo dos acontecimentos. Aos 52’, grande jogada pela esquerda do ataque, com Adam Matthews, por duas ocasiões a fazer de bombeiro e a evitar o golo da vantagem. Seguiram-se várias investidas, com os “encarnados” a sufocarem por completo os escoceses. Enzo Perez, Luisão, Matic, Lima e Salvio tentaram a sorte, mas a “redondinha” teimava em não entrar.

Os minutos corriam, a ansiedade aumentava, e o Benfica continuava a produzir ofensivamente… e “tantas vezes vai o cântaro à fonte”: minuto 70’, cruzamento largo para a área e inesperadamente, longe da sua habitual área de intervenção, surge o central Garay que, com um remate poderoso – de primeira – coloca o Benfica em vantagem, uma vantagem, diga-se, há muito merecida.

 

A vencer, os “encarnados” não tiraram o pé do acelerador e, não fosse a sorte madrasta, se é que nestas andanças se pode falar neste factor, o Benfica poderia ter resolvido a contenda a seu favor. É que com um remate surpreendente, a largos metros da área, Salvio acerta direitinho na trave de Forster. Minutos depois foi a vez de Cardozo, na cobrança de um livre, testar os reforços do guardião adversário… e que defesa!

Com cerca de 15’ até ao apito final, Jorge Jesus faz algumas mexidas no onze. Era preciso manter a cabeça fria, gerir de forma inteligente e segurar os três pontos…. E assim foi! Apito final, 2-1, vitória justa do Glorioso!

A decisão final acontece no próximo dia 5 de Dezembro, com o nosso Benfica a viajar até Camp Nou para defrontar o Barcelona, naquela que será a derradeira ronda da Fase de Grupos da Liga dos Campeões, em mais um jogo do tudo ou nada: Rapazes, há ordem para sonhar!

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Artur Moraes; André Almeida, Luisão, Garay e Melgarejo; Matic (Maxi Pereira, 77’), Enzo Perez, Salvio (Jardel, 90’) e Ola John; Lima (Garay, 75’) e Cardozo.

Ver Ficha de Jogo aqui: http://www.abola.pt/jogodirecto/ficha.aspx?id=161762

Fonte: A Bola / SLB

publicado por Benfica 73 às 08:26

Novembro 20 2012
Em relação ao jogo com o Moreirense, Jorge Jesus promoveu o regresso aos convocados de Garay, Enzo Perez, Melgarejo e Maxi Pereira para a partida da Liga dos Campeões frente ao Celtic.
Saem da lista de convocados, por opção, João Cancelo, Miguel Vítor, André Gomes e Alan Kardec.

Lista de 19 convocados:
Guarda-redes: Artur e Paulo Lopes
Defesas: Maxi Pereira, Jardel, Luisão, Garay, Melgarejo e Luisinho
Médios: Matic, André Almeida, Bruno César, Gaitán, Ola John, Nolito, Enzo Perez e Salvio
Avançados: Cardozo, Lima e Rodrigo.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 08:32

Novembro 08 2012

A equipa de Futebol profissional do Sport Lisboa Benfica cumpriu esta quarta-feira a missão que tinha pela frente ao Spartak Moscovo, ao vencer por 2-0. Apesar de a tarefa não ser fácil, tudo continua matematicamente em aberto na Fase de Grupos da Liga dos Campeões, com a próxima missão a ser frente ao Celtic.


O filme da edição 2012/13 da Fase de Grupos da Liga dos Campeões começou no passado dia 19 de Setembro. A acção começou com um empate (0-0) no recinto do Celtic, seguindo-se dois resultados que obrigaram a contas adicionais – em casa com o Barcelona (0-2) e fora diante do Spartak Moscovo (2-1), o que tornou a missão do Benfica mais difícil. Mas na Luz houve, há e haverá sempre muito amor ao Futebol, a todo o Universo do Sport Lisboa e Benfica e, se em 1963, com o título original,From Russia With Love [Da Rússia com Amor], James Bond completou aquela que foi a sua segunda missão, em pleno 2012, os comandados de Jorge Jesus conseguiram passar uma das etapas da Fase de Grupos com êxito.

 

Com ordem para marcar, os jogadores “encarnados” não se fizeram rogados e atacaram desde o início a baliza dos moscovitas. No entanto, como em todas as missões, há obstáculos que se afiguram mais complicados de ultrapassar e o primeiro surgiu logo no primeiro minuto, com o árbitro alemão Florian Meyer a não ver Garay a ser puxado claramente no interior da área do Spartak. Grande penalidade que ficou por assinalar e que, em caso de ser marcada com êxito, podia ter aberto mais o encontro.

 A missão de marcar golos também não se revelou fácil no primeiro tempo, com várias situações de perigo a não terem o melhor desfecho. Exemplo disso foi o remate de Lima aos 21 minutos e que foi travado de forma incompleta por Rebrov, algo que Salvio não conseguiu aproveitar na recarga. As tentativas de Enzo Perez (24’), Lima (25’) e Salvio (36’) também não surtiram efeito, isto perante um adversário que só por uma vez chegou com perigo à baliza de Artur Moraes (12’).

 

Bis de “Tacuara”!
Para a segunda parte, o treinador Jorge Jesus mexeu na frente de ataque, ao fazer entrar Cardozo para o lugar de Rodrigo. O paraguaio entrou

e marcou logo aos 50 minutos, num lance em que a equipa de arbitragem considerou que o benfiquista estava em fora-de-jogo. Mais uma decisão errada…
O número sete, especialista na hora de alvejar as redes contrárias, não demorou muito para voltar a atacar, desta feita de forma letal. Após um cruzamento de Melgarejo, Cardozo cabeceou com êxito (55’).

Sem ordem para abrandar, o Benfica manteve o pé no acelerador para poder, assim, alcançar o chamado golo da tranquilidade. E ele veio mesmo aos 68 minutos, com uma boa conclusão de Cardozo na área, isto depois deste último ter acertado, aos 65’, na trave!

 

O paraguaio entrou endiabrado e voltou a colocar a cabeça em água à defesa do Spartak, mais concretamente a Pareja. O jogador da equipa russa fez uma tesoura e derrubou Cardozo no interior da área, o que lhe valeu a expulsão. Na cobrança do castigo máximo (77'), Cardozo viu a bola esbarrar no ferro! 
Mais oportunidades se seguiram até ao final do encontro, mas a bola não voltou a entrar na baliza do Spartak Moscovo. Em Glasgow, por seu lado, o Celtic venceu o Barcelona, por 2-1, e a missão benfiquista, apesar do triunfo sobre os russos, ficou mais complicada. Mas não há missões impossíveis e a próxima é já no próximo dia 20 de Novembro, altura em que o Celtic virá ao Estádio da Luz.  
O Sport Lisboa e Benfica apresentou a seguinte equipa: Artur Moraes; Maxi Pereira (André Gomes, 82’), Jardel, Garay e Melgarejo; André Almeida, Enzo Perez, Salvio e Ola John; Rodrigo (Cardozo, 45’) e Lima (Bruno César, 74’).

Fonte: A Bola/ SLB

publicado por Benfica 73 às 09:17

Novembro 07 2012

O Benfica joga hoje uma cartada decisiva na Liga dos Campeões. Uma vitória frente ao Spartak Moscovo, nesta 4.ª jornada, permitirá à equipa de Jorge Jesus continuar a sonhar com os oitavos-de-final da prova milionária. Caso contrário, as contas complicam-se definitivamente.

Fonte: Record

publicado por Benfica 73 às 10:33

Novembro 07 2012
O regresso de Nolito representa a principal novidade da lista de convocados do Benfica para a receção ao Spartak Moscovo, quarta-feira, no Estádio da Luz, a contar para a jornada quatro do Grupo G da Liga dos Campeões.
O extremo espanhol está recuperado de lesão e apto para dar o seu contributo no encontro com a equipa russa. De regresso está também o argentino Enzo Pérez, que falhou a receção ao Vitória de Guimarães devido a castigo.
Por seu lado, Carlos Martins e Pablo Aimar, ambos lesionados, não figuram entre as opções de Jorge Jesus para o compromisso europeu. 
Em relação ao jogo da Liga com o V. Guimarães, saem da convocatória Matic, por castigo, e André Almeida.

Lista de convocados:
Guarda-redes: Artur Moraes e Paulo Lopes;
Defesas: Maxi Pereira, Jardel, Garay, Melgarejo, Miguel Vítor e Luisinho;
Médios: André Almeida, Ola John, Enzo Perez, André Gomes, Bruno César, Salvio, Gaitán e Nolito;
Avançados: Cardozo, Rodrigo e Lima.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 09:31

Outubro 24 2012

É difícil, mas ainda é possível. O Benfica regressou da Rússia com uma derrota, no entanto, face às três rondas que ainda faltam disputar na Fase de Grupos da Liga dos Campeões, os “encarnados” ainda têm ordem para sonhar.

O Benfica viajou até à Rússia levando na bagagem ambição e a responsabilidade de regressar a Lisboa com as aspirações intactas, no que toca a um possível apuramento para a fase seguinte da Liga dos Campeões. Com um percurso firme nas provas internas (líder no Campeonato e apurado para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal), já na Liga Milionária, e até à 3.ª ronda da Fase de Grupos da prova, o Benfica contava somente com um ponto conquistado, fruto de um empate na Escócia (0-0), frente ao Celtic, e uma derrota na Luz (0-2), frente ao Barcelona.

 

Era necessário dar uma resposta rápida e foi com esse intuito que a armada “encarnada” subiu ao relvado sintético do estádio Luzhniki, com o termómetro a marcar um grau. Com algumas limitações, quer a nível de atletas lesionados (Aimar, Carlos Martins, Nolito, …), quer a nível de castigos (Luisão), Jorge Jesus não abdicou do seu sistema táctico estendo o colectivo numa autêntica teia. Objectivo? Uma defesa agressiva, um meio-campo inteligente e uma frente ofensiva rápida e acutilante. Mas a teia não resultou como pretendido…

Do outro lado da barricada, um adversário de orgulho ferido, a protagonizar um dos piores arranques de época de sempre (19 pontos, 7.º classificado, em 12 jornadas disputadas no Campeonato russo, e com duas derrotas averbadas na Champions) ao que se juntou uma onda de lesões no grupo de trabalho.

 

Entrada russa surpreende “águias”

E foi precisamente esse Spartak, ferido, de ganas, que vimos nos minutos iniciais da partida. Logo na jogada inaugural, uma grande defesa de Artur evitou o primeiro golo russo, contudo, no lance seguinte, e à passagem do minuto três, Rafael Carioca não deu hipótese e abriu as hostilidades, colocando o marcador em 1-0, favorável aos anfitriões. Um golo fruto do balanceamento ofensivo dos “encarnados” que, no momento da transição ataque/defesa, se encontravam completamente descompensados.

 

Por outras palavras, o Benfica começou o jogo praticamente a perder, tendo, a partir do terceiro minuto do encontro, de correr atrás do prejuízo.

Ainda atordoados com o golo sofrido, a equipa teimou em encontrar-se, abrindo brechas e concedendo espaços em demasia ao adversário… só aos 13´ a equipa sacudiu a pressão, com Rodrigo, num remate fortíssimo da zona central, a fazer passar a bola muito perto da trave à guarda de Rebrov. Mas foi sol de pouca dura… Aos 23’, nova desatenção dos “encarnados” com a bola a beijar a trave da baliza à guarda de Artur Moraes e a vir caprichosamente devolvida… ufa! O Benfica teimava em organizar-se, os sectores não funcionavam e, sem conseguir segurar a bola, é difícil

fazer mais do que aquilo a que se assistiu, numa primeira meia hora para esquecer!

 

Vontade não chegou!

Finalmente pareceu soar o gongo… Matic, aos 30’, rematou para defesa segura do guardião adversário dando o mote para o que se seguiria. Aos 32’, Lima faz aquilo que tão bem sabe fazer, golos! Na sequência de um cruzamento de Salvio, o brasileiro subiu ao primeiro poste e cabeceou para o empate! Estava feito o 1-1… e abriam-se revigoradas perspectivas.

Mas, mais uma vez, a equipa não conseguiu assumir-se e, depois de um bom par de defesas de Artur, aos 43’, novo balde de água fria, com Jardel, num momento de infelicidade a fazer autogolo e a colocar novamente os russos em vantagem, resultado com que se atingiria o intervalo.

Com o regresso dos balneários surgiram duas equipas expectantes, com o Benfica com sinal mais, a conseguir ter mais posse de bola, mas frente a um Spartak mais recatado mas sempre muito perigoso nas suas aproximações à área benfiquista. Aliás, com meia hora para jogar, as melhores oportunidades tinham pertencido aos russos, com o Benfica longe de se afirmar, aliás, algo que verdadeiramente nunca conseguiu até ao apito final. Nos últimos minutos o Benfica carregou, mas sempre com pouca imaginação e longe de surtir o efeito desejado, com a derrota a vingar até ao fim da partida.

 

Com as contas relativamente ao apuramento muito complicadas, segue-se, no dia 7 de Novembro, a recepção aos russos.

O Benfica alinhou com o seguinte onze titular: Artur Moraes; Maxi Pereira, Jardel, Garay, Melgarejo; Matic (Ola John, 88’), Enzo Perez, Bruno César (Gaitán. 64’), Salvio; Rodrigo (Cardozo, 64’) e Lima.

Fonte: A Bola/ SLB

Veja aqui a ficha do jogo
publicado por Benfica 73 às 08:04

Outubro 23 2012
Jorge Jesus prefere apostar de início frente ao Spartak Moscovo na dupla Rodrigo/Lima, deixando no banco de suplentes o paraguaio Óscar Cardozo.

Eis a equipa inicial: Artur Moraes; Maxi Pereira, Jardel, Garay e Melgarejo; Salvio, Matic, Enzo Peréz e Bruno César, Rodrigo e Lima.

No banco de suplentes vão sentar-se: Paulo Lopes, Miguel Vítor, André Almeida, André Gomes, Gaitán, Ola John e Cardozo. O guarda-redes Bruno Varela e o lateral Luisinho foram preteridos da ficha de jogo.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 16:37

Outubro 21 2012
A UEFA nomeou equipa de arbitragem inglesa, liderada por Mark Clattenburg, para o jogo do Benfica em Moscovo, diante do Spartak, referente à terceira jornada do Grupo G da Liga dos Campeões, agendado para terça-feira.
Internacional desde 2006, Clatternburg, de 37 anos, dirigiu no passado mês de agosto a final do torneio masculino dos Jogos Olímpicos, entre México e Brasil.
Na próxima terça-feira, no Estádio Luzhniki em Moscovo, estará acompanhado pelos compatriotas Simon Beck, Stephen Child (árbitros assistentes), Michael Jones e Kevin Friend (adicionais), enquanto Darren Cann desempenhará funções de quarto árbitro.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 17:52

Outubro 21 2012
O Benfica parte ao início desta tarde para Moscovo, onde na terça-feira vai defrontar o Spartak na terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.
Jorge Jesus chamou à lista de convocados 20 jogadores, destacando-se o regresso de Gaitán, que falhou a partida da passada quinta-feira, diante do Freamunde, devido a um traumatismo. 
Em sentido inverso destaque-se a ausência do argentino Aimar, que tem estado também com problemas físicos, mas também de Carlos Martins e Nolito.
Garay, Enzo Pérez e Maxi Pereira, que estiveram ao serviço das respetivas seleções e só chegaram a Lisboa na passada quinta-feira, pelo que também estiveram ausentes do jogo da Taça de Portugal, voltam agora naturalmente à convocatória.

Lista de convocados:
Guarda-redes: Artur Moraes, Paulo Lopes e Bruno Varela;
Defesas: Maxi Pereira, Miguel Vítor, Garay, Jardel, Luisinho e Melgarejo;
Médios: Matic, André Gomes, André Almeida, Bruno César, Gaitán, Enzo Perez, Ola John e Salvio;
Avançados: Lima, Cardozo e Rodrigo.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 15:25

Outubro 03 2012

A equipa de Futebol profissional do Benfica perdeu esta terça-feira, dia 2 de Outubro, com o Barcelona, por 0-2, em jogo a contar para a 2.ª jornada do Grupo G da Liga dos Campeões. Com várias oportunidades criadas, principalmente durante o primeiro tempo, o conjunto da Luz acabou por ser penalizado por não ter conseguido bater o guarda-redes visitante. Segue-se agora a deslocação a Moscovo.

 

Seis anos depois e o Estádio da Luz voltou a receber um Benfica – Barcelona. Tal como na temporada 2005/2006, o favoritismo era atribuído à equipa da Catalunha. Outrora com nomes como Ronaldinho Gaúcho, Samuel Eto´o, Deco ou Henrik Larsson, a formação “blaugrana” entrou em campo com as estrelas do presente, como Xavi, Fàbregas ou, aquele que para muitos é considerado como o melhor jogador da actualidade, o craque argentino Lionel Messi.
Perante aquela que é considerada a melhor equipa do Mundo, no que à prática de futebol diz respeito, o principal desafio que se apresentava ao Benfica era saber lidar com aquilo que o Barcelona gosta mais de fazer, ou seja, ter a posse de bola durante o maior tempo possível. Mas ter a posse de bola não é propriamente sinónimo de conseguir criar mais oportunidades de golo. Ora foi precisamente isso que aconteceu no encontro. Um Barcelona fiel ao seu carrossel, mas ao qual o Benfica procurou ter a paciência suficiente para não criar desequilíbrios no seu sector defensivo.

E não fosse o golo consentido aos seis minutos – finalização de Alexis Sánchez – e a primeira parte podia ter terminado com um desfecho mais positivo para os homens da Luz. A equipa orientada por Jorge Jesus esteve muito mais perto do golo, pelo que o resultado ao intervalo penalizava as oportunidades criadas, nomeadamente por Bruno César (2’) e Lima (11’), ambas travadas pelo guarda-redes do Barcelona Victor Valdés. Mais tarde foi a vez de Salvio (28’ e 36’), mas a bola continuou sem querer entrar…

 Veio o descanso e com ele uma alteração por parte do técnico benfiquista. Bruno César deu o seu lugar a Carlos Martins, no entanto, o Barcelona fez a diferença com um remate certeiro de Fàbregas (55’). No minuto seguinte, Salvio esteve muito perto de reduzir o marcador, mas o guardião do Barcelona fez uma excelente defesa.


Aimar e Nolito foram também chamados para tentar ajudar a inverter o rumo dos acontecimentos, mas a verdade é que isso acabou por não

acontecer. Nota ainda para a expulsão de Busquets, aos 87 minutos, mas que já não deu para tentar o respectivo aproveitamento da inferioridade numérica. 
Na próxima jornada, agendada para o dia 23 de Outubro, o Benfica vai jogar no recinto do Spartak Moscovo, equipa que perdeu esta terça-feira com o Celtic, por 2-3.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com a seguinte equipa: Artur Moraes; Maxi Pereira, Jardel, Garay e Melgarejo; Matic, Bruno César (Carlos Martins, 45’), Enzo Perez (Pablo Aimar, 60’), Gaitán (Nolito, 74’) e Salvio; Lima.

Fonte: SLB/A Bola

Veja aqui a ficha do jogo

 

publicado por Benfica 73 às 09:19

Setembro 20 2012

Foi um Benfica paciente, bravo e que soube vestir o fato-de-macaco aquele que se apresentou em solo escocês. Os “encarnados” foram melhores e mereciam ter ganho! Não trouxeram os três pontos, mas a bagagem veio cheia de orgulho e de a certeza de que este Benfica pode fazer-nos sonhar em todas as frentes!

Dia 19 de Setembro, quarta-feira, 19h45: pontapé inicial do Sport Lisboa e Benfica na edição 2012/13 da Liga dos Campeões! Local, Celtic Park, solo escocês onde os “encarnados” nunca tinham ganho! Objectivo? Quebrar a malapata, trazer para Lisboa os três primeiros pontos na prova, mais prestígio e, já agora, 1 milhão de euros para os cofres da Luz.

 

Com algumas caras novas, a ambição foi a de sempre e nem um Estádio completamente lotado, com um ambiente fantástico, assustou os nossos rapazes!

Vamos ao jogo… Arranque a todo o gás da equipa escocesa, com a baliza de Artur Moraes a passar por alguns calafrios. Face à pressão e agressividade (que o digam os nossos jogadores!) impostas pela formação de Neil Lennon, o Benfica tentava a todo o custo suster e sacudir o jogo, com Pablo Aimar, na cobrança de um livre, a ser o primeiro a atacar a baliza adversária.

 

Aos poucos a partida foi-se equilibrando e Salvio deu o mote, com um remate pleno de oportunidade.

Em cima da meia hora, o caso do jogo! Rodrigo surge desmarcado na cara do guardião Forster que, face ao perigo iminente para a sua baliza, não vai de modos e atropela autenticamente o avançado benfiquista. Grande penalidade que ficou por assinalar. 

Lutando contra injustiças atrás de injustiças, com o último mês a ser pródigo, o Benfica encheu o peito e foi mesmo a equipa de Jorge Jesus – corajosa e brava! – que terminou a primeira metade por cima. Ao intervalo registava-se uma igualdade a zero bolas.

 

Mais, muito mais Benfica!

Segunda parte e mais Benfica, dentro e fora das quatro linhas, com os nossos adeptos presentes em Celtic Park a fazerem-se ouvir. Obrigada!

Com a conquista de uma maior assertividade e entreajuda entre os sectores, o Benfica começou a mandar no jogo. Aos 60’, grande jogada do ataque “encarnado”, com o remate de Gaitán a encontrar pela frente uma verdadeira barreira de escoceses. Na sequência de cantos, grande defesa de Forster a cabeceamento ao primeiro poste de Garay. Era o Glorioso quem carregava em Celtic Park e só faltavam os golos. E as tentativas não faltaram… primeiro Salvio, depois Cardozo, seguiu-se Gaitán… a pressão intensificava-se mas os tentos teimavam em surgir.

 

Aos 85’, mais um lance duvidoso, desta feita com Cardozo a ser impedido de chegar à bola já dentro da pequena área. Matic levou um cartão

amarelo por ter feito semelhante falta…

Até ao apito final, sempre mais Benfica, com o empate a ser penalizador para a melhor equipa em campo: a nossa!

Na outra partida do Grupo G, depois de várias cambalhotas no marcador, o Barcelona acabou por impor-se, vencendo, em casa, o Spartak de Moscovo, por 3-2. A 2.ª jornada da Liga dos Campeões disputa-se no próximo dia 2 de Outubro, com o Benfica a receber os “blaugrana”. Todos à Luz!

 

O Sport Lisboa e Benfica alinhou da seguinte forma: Artur Moraes; André Almeida, Jardel, Garay e Melgarejo; Matic, Enzo Perez, Salvio, Aimar (Cardozo, 62’) e Gaitán (Nolito, 82’); Rodrigo (Bruno César, 70’)

Fonte: SLB / A Bola


Veja aqui a ficha do jogo
publicado por Benfica 73 às 08:54

Setembro 05 2012
O brasileiro Alan Kardec não foi inscrito pelo Benfica na UEFA para a disputa da Liga dos Campeões, na qual entra, por outro lado, o também brasileiro Lima, a última contratação dos encarnados durante o defeso.
No total, o Benfica inscreveu 38 jogadores, 14 dos quais fazem parte da chamada lista B, referente a atletas formados no clube posteriormente a 1991. 
Da lista A fazem parte 24 jogadores, entre os quais André Almeida, André Gomes e Miguel Rosa. O guarda-redes Mika não aparece na lista de inscritos.

Eis a lista completa:
Guarda-redes: Arur, Paulo Lopes, Bruno Varela (*) e José Costa (*);
Defesas: Maxi Pereira, Luisão, Garay, Miguel Vítor, Jardel, Luisinho, Luís Martins (*), João Cancelo (*), Fábio Cardoso (*), João Nunes (*) e Bruno Gaspar (*);
Médios: André Almeida, André Gomes, Matic, Carlos Martins, Aimar, Bruno César, Nolito, Gaitán, Enzo Peréz, Miguel Rosa, Daniel Martins (*), Hélder Costa (*), Ivan Cavaleiro (*), Raphael Guzzo (*) e João Teixeira (*);
Avançados: Cardozo, Lima, Ola John, Salvio, Rodrigo, Melgarejo, Cafú (*) e Sancidino Silva (*).

Fonte: A Bola

publicado por Benfica 73 às 10:44

Agosto 31 2012

Barcelona, Spartak Moscovo e Celtic. São estas as três equipas que o Benfica vai defrontar na fase de grupos da Liga dos Campeões.
Sobre os catalães não será preciso dizer muito. A equipa blaugrana, agora sob a batuta de Tito Vilanova, antigo braço-direito de Pep Guardiola, granjeia o estatuto de melhor do mundo. 

Conta nas fileiras com nomes como Lionel Messi, Andrés Iniesta, Xavi Hernández, David Villa ou Daniel Alves. Ao Camp Nou chegaram entretanto o lateral-esquerdo Jordi Alba, contratado ao Valência, e o médio Alex Song, proveniente do Arsenal.

Barça é o atual líder da Liga espanhola, com duas vitórias em igual número de jogos realizados, sete golos marcados e dois sofridos.
Na época transata, a equipa da cidade Condal perdeu o título espanhol para o super-Real Madrid de José Mourinho, que terminou a La Liga com históricos 100 pontos, mais nove que o arqui-rival. 

Lionel Messi foi o melhor marcador da prova, contribuindo com 50 golos para os 114 apontados pelo Barcelona, registo que fez dos blaugrana o segundo melhor ataque do campeonato. Com apenas 29 golos sofridos, foi da equipa catalã a defesa menos batida.

Benfica e Barcelona cruzaram-se pela última vez na época 2005/06, nos quartos de final da Ligamilionária. O jogo da primeira mão, disputado no Estádio da Luz, terminou sem golos. Em Camp Nou, levaram a melhor os catalães por 2-0, com golos de Ronaldinho e Etoo.

Spartak, o frio russo e o relvado sintético do Luzhniki


Spartak Moscovo é o vice-campeão russo e atual quinto classificado com 12 pontos em seis jogos disputados, a um ponto dos líderes Zenit e Terek.
Agora orientada pelo espanhol Unai Emery, ex-treinador do Valência, a equipa moscovita esteve bastante ativa no mercado de transferências, contratando, entre outros, o defesa Juan Insaurralde ao Boca Juniores e o médio sueco Kim Kallstrom ao Lyon.

À capital russa chegou também o médio Rômulo, ex-Vasco da Gama. A presença brasileira no plantel estende-se ainda ao médio Rafael Carioca e aos avançados Ari e Welliton. O nigeriano Emmannuel Emenike é a referência do ataque.
Em sentido inverso, o Spartak viu sair o central argentino Marcos Rojo para o Sporting.
O imponente Estádio Luzhniki, com capacidade para mais de 78 mil espectadores, é a casa do Spartak. O recinto caracteriza-se pelo seu relvado sintético.

O Spartak não guardará boas recordações do futebol português. Na época 2010/11, cruzou-se a equipa de Moscovo com o FC Porto na caminhada dos azuis-e-brancos para a conquista do cetro da Liga Europa, tendo sido positivamente dizimada pelos dragões: derrota por 1-5 na Invicta e por 2-5 no Luzhniki. Contas feitas, 3-10 no conjunto das duas mãos.
No play-off, a equipa russa afastou o Fenerbahçe com uma vitória (2-1) em casa e um empate (1-1) fora.

Celtic, histórico escocês e velho conhecido da águia

Celtic, histórico clube de Glasgow e campeão escocês em título, teve no avançado Gary Hooper o melhor marcador do campeonato na época transata, com 24 golos.
Os católicos sagraram-se campeões com 93 pontos, melhor ataque (89 golos marcados) e melhor defesa (21 golos sofridos).
Na presente temporada, o Celtic segue na liderança com os mesmos 7 pontos do Hibernian, fruto de duas vitórias e um empate, seis golos marcados e três sofridos. Para atingir a fase de grupos da Champions, deixou pelo caminho os suecos do Helsinborg com duas vitórias por 2-0.

Orientada pelo irlandês Neil Lennon (antigo capitão de equipa), a equipa de Glasgow conta no plantel com o jovem médio nigeriano Rabiu Ibrahim, jogador que passou pela formação do Sporting. O avançado grego Samaras é a principal referência da equipa.
Ao Celtic Park poderá chegar entretanto o italiano Alessandro Del Piero, sem clube desde que terminou a ligação à Juventus no final da época transata.

publicado por Benfica 73 às 09:10

Agosto 30 2012

Luisão volta a encontrar o Barcelona, onde já não jogam Deco nem Belletti.

O Estádio da Luz receberá, a 2 de outubro, na segunda jornada do Grupo G da Liga dos Campeões, o Barcelona, num jogo que promete fazer encher a Luz, num regresso ao passado, aos míticos encontros do Benfica de Eusébio com os gigantes da Catalunha.

Antes desse primeiro jogo grande, o Benfica abrirá a sua participação na Champions 2012/13 frente ao Celtic, fora de casa, a 19 de setembro. Pelo meio, a 23 de outubro, as águias visitam Moscovo, recebendo depois os moscovitas a 7 de novembro. A fechar, o Benfica desloca-se a Barcelona, a 5 de dezembro.


Calendário Grupo G:

1.ª jornada (19/09)
Barcelona - Spartak Moscovo
Celtic - Benfica


2.ª jornada (2/10)
Benfica - Barcelona
Spartak Moscovo - Celtic


3.ª jornada (23/10)
Spartak Moscovo - Benfica
Barcelona - Celtic


4.ª jornada (7/11)
Benfica - Spartak Moscovo
Celtic - Barcelona


5.ª jornada (20/11)
Spartak Moscovo - Barcelona
Benfica - Celtic


6.ª jornada (5/12)
Barcelona - Benfica
Celtic - Spartak Moscovo

Fonte: Record

publicado por Benfica 73 às 20:44

Agosto 30 2012

Barcelona, Spartak Moscovo e Celtic serão os adversários do Benfica na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 17:47

Agosto 30 2012
Concluídos os jogos do play-off, todas as 32 equipas que vão disputar a fase de grupos da Liga dos Campeões já sabem em que pote estarão no sorteio desta quinta-feira, a realizar-se no Mónaco.
Recorde-se que o FC Porto estará no pote 1, dos cabeças de série. Benfica e SC Braga estarão no pote 2. Equipas do mesmo pote não podem ficar no mesmo grupo.
Composição dos potes para o sorteio da fase de grupos:
Pote 1
Chelsea 
Barcelona
Manchester United
Bayern Munique
Real Madrid
Arsenal
FC Porto
Milan

Pote 2
Valência
Benfica
Shakhtar Donetsk
Zenit
Schalke 04
Manchester City
SC Braga
Dínamo Kiev

Pote 3
Olympiakos
Ajax
Anderlecht
Juventus
Lille
Spartak Moscovo
PSG
Galatasaray

Pote 4
Celtic 
Dortmund
BATE Borisov
Dínamo Zagreb
Cluj
Málaga
Montpellier
Nordsjaelland
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 00:27

Maio 20 2012
O Chelsea venceu este sábado a Liga dos Campeões, em casa do adversário Bayern Munique, na marcação das grandes penalidades (4-3). O jogo terminou 1-1 no final do prolongamento e Didier Drogba converteu o penalty que deu a vitória aos londrinos.
Os blues – que são a primeira equipa da capital inglesa a vencer esta competição – conseguiram cumprir o desejo de Roman Abramovich, que sempre quis montar uma equipa que vencesse a principal competição de clubes da Europa. Bosingwa, Paulo Ferreira, Raul Meireles, Hilário e, porque não dizê-lo, André Villas Boas são os portugueses campeões da Europa. Mas vamos ao jogo:
O Bayern Munique, a jogar em casa, esteve sempre por cima do jogo a partida toda, dominando as estatísticas da final, exceto as faltas.
Robben, Ribery, Gomez e Muller foram liderando o ataque bávaro em busca do golo, se bem que um esquema defensivo muito bem montado por Di Matteo impediu que as intenções dos alemães chegassem a bom porto – aliás, à imagem do que os ingleses fizeram nas meias finais contra o Barcelona.
Até que, aos 82 minutos, Müller dá o melhor destino a um cruzamento da esquerda de Schwensteiger e cabeceia contra o chão, com a bola a passar entre Cech e a trave. Estava feito o primeiro da partida e o Allianz Arena explodia de alegria.
Alegria essa que não durou muito. Quatro minutos, aliás. Quando na marcação de um canto da direita, Drogba aparece ao primeiro poste a fuzilar a baliza de Neuer com a cabeça, levando o jogo para o prolongamento.
Na primeira parte do tempo extra, continuou a toada do jogo, até que Drogba faz falta dentro da área sobre Ribery, aos 94 minutos. Na marcação da penalidade, e à semelhança do que fez no jogo contra o Dortmund, Arjen Robben permitiu a defesa do guarda-redes. 
O jogo chegou às grandes penalidades, com Lahm, Gomez e Neuer a marcarem para os alemães. Do outro lado Mata falhou o primeiro, mas David Luiz, Lampard e Cole redimiram o espanhol. Olic e Schweinsteiger falharam para o Bayern e Drogba rematou para o golo da vitória que deu a Liga dos Campeões ao Chelsea.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 08:46

Maio 19 2012

publicado por Benfica 73 às 21:46

Maio 19 2012
Repleto. O centro de Munique fervilhava de emoção esta manhã, horas antes da ansiada final da Liga dos Campeões, com os adeptos do Bayern, em clara maioria, a pincelarem de vermelho em branco as principais artérias da capital da Baviera, apenas com algumas ilhas azuis, a cor do Chelsea, a destoar.
A confiança germânica é grande, há muitos edifícios adornados com as bandeiras do clube que, pode dizer-se, joga em casa. 
Com o sol a brilhar, os adeptos afinam as gargantas com a ajuda de cerveja que jorra dos barris em quantidades astronómicas.
Um dia de festa que culminará mais logo, quando Bayern ou Chelsea levantarem o tão desejado troféu. 
Fonte: A Bola
Muita
Janelas
Uma
O
Até
Cerveja
Bayern
Não,
publicado por Benfica 73 às 19:01

Maio 14 2012
No pote 1 com clubes como o Barcelona, Manchester United, Bayern de Munique, Real Madrid e Arsenal. A estes podem-se ainda juntar ou Chelsea ou Valência.

No pote 2 estará o Benfica, que evitará adversários como Shakhtar Donetsk, Zenit, Schalke ou Manchester City. Se o Chelsea não se qualificar para a próxima Champions, os encarnados não estarão no primeiro pote por apenas um lugar.

Fonte: A Bola

publicado por Benfica 73 às 12:06

Abril 25 2012
E a surpresa acabou por acontecer, o Real Madrid a precisar só de um golo para estar na final, marcou dois e sofreu um e acabou por ser afastado nas grandes penalidades.
Se por um lado lamento esta derrota, em Espanha torço pelo Real Madrid, por outro lado estou contente, não suporto a dupla de arrogantes Mourinho/ Ronaldo.
No final deste jogo o Bayern é um justo finalista, pois foi quem mais fez para estar na final.
E na final entre o Bayern e o Chelsea... Carrega Bayern.
publicado por Benfica 73 às 23:41

Abril 05 2012

Só quem não viu as duas partidas que colocaram frente-a-frente Benfica e Chelsea é que poderá questionar qual o motivo por que se cantava “Michel Platini…. la la ala” nas bancadas! Nós explicamos: Duas arbitragens escandalosas, a mostrarem que o peso dos milhões e dos patrocínios vale muito mais do que o futebol bonito, de classe e bem jogado. E aqui entra o nosso Benfica! Contra tudo e contra todos, injustamente eliminados, mas a mostrar ao Mundo do Futebol por que motivo somos o Glorioso!

 

Ambiente excepcional em Stamford Bridge! Noite de Campeões, noite de emoções à flôr da pele, com os adeptos benfiquistas – cerca de três mil nas bancadas – a mostrarem por que motivo este nosso Clube é mesmo o maior do Mundo ao nível de associados. Que orgulho!

 

Em jogo estava, nada mais, nada menos, que a passagem às meias-finais da Liga dos Campeões, isto num ano em que se comemora os cinquenta anos da conquista do Bicampeonato Europeu. Prestígio desportivo, importante encaixe monetário mas, acima de tudo, a valorização de um emblema com 108 anos de história… e este último tópico nem o afastamento da prova impediu, bem pelo contrário!

 

Depois da derrota, por 1-0, na Catedral, com Kalou a materializar uma vantagem longe, muito longe de ser justa (com uma arbitragem que prejudicou o Benfica), o Glorioso viajou até Londres com apenas um pensamento: dar a volta à eliminatória, seguir em frente e, para isso, era preciso marcar golos.

 

Com um onze “remendado”, face às inúmeras lesões no sector defensivo, foi sem um central de raiz que o Benfica subiu ao relvado. Momentaneamente assustador – admita-se! – os “heróis” que entraram em campo logo mostraram que não havia motivos para medos. “Quem não tem cão, caça com gato”, já diz o ditado popular, e no Futebol há alturas em que as idiossincrasias do mesmo são capazes de deitar por terra qualquer táctica ou técnica ensaiada.

 

E os primeiros minutos foram sintomáticos! Um Benfica muito desfalcado, mas de crer e raça a mostrar ao que vinha, frente a um Chelsea “à italiana”, a dar a iniciativa de jogo ao adversário, na expectativa do contra-golpe.

 

Ai que sorte malvada!

E se na antevisão à partida Jorge Jesus falava na tal pontinha de sorte que faltara à equipa na Luz, o que dizer deste encontro? O Benfica carregou, carregou e o Chelsea… na primeira vez que chegou à baliza de Artur conquistou uma grande penalidade. Na conversão, Lampard não falhou e colocou os ingleses a vencer, com dois golos de vantagem na eliminatória.

 

O Benfica não vacilou e, aos 29’, Cardozo teve nos pés soberana oportunidade. Terry cortou “in extremis”, em cima da linha de golo. Ai sorte, sorte malvada! A equipa carregava… mas há “coisas” (leia-se milhões!) que têm muita força. É que se o Benfica tentava remar contra tudo e contra todos, aos 40’, o árbitro – o mesmo que desde o início condicionou e inclinou o campo – expulsa Maxi Pereira, com a amostragem do segundo amarelo e respectivo vermelho. Vergonhoso!  Assim é impossível. Aliás, já na primeira mão o Benfica fora prejudicado na Luz, com a não marcação de uma grande penalidade escandalosa.


Com alma e coração!

Se a jogar com onze já estava difícil, com menos um… Mas o Benfica não baixou os braços e, aliás, alguém reparou que estávamos em desvantagem numérica? Primeiro Cardozo (que grande defesa de Cech), depois Aimar fizeram os corações benfiquistas vibrar logo no início da segunda metade.

 

Jorge Jesus fez o que podia - com o que tinha - e o Benfica continuou a mostrar à Europa do Futebol que, mesmo face aos milhões e contrariedades de diversa ordem, este é um Clube digno, com honra, orgulho e enorme coração, com os melhores adeptos do Mundo, e que só dá a batalha por terminada quando soa o apito final! Por isso cantamos “Eu sou Benfiquista, com muito orgulho e muito amor”…. E hoje, independentemente do resultado, cantámo-lo com alma!

 

Aos 85’, na marcação de um canto, Javi García sobe mais alto e empata o desafio… faltava um golo apenas e a equipa dava tudo em campo! O Chelsea tremia, aliás, tremeu em largos momentos da eliminatória, mas lá veio a malfadada sorte novamente. Num contra-golpe viperino, o número 16 da formação inglesa (num lance precedido, na nossa opinião, de pé em riste), faz o 2-1 e coloca um ponto final na aventura benfiquista na Champions 2011/2012.

 

Vamos a números: O Benfica foi afastado da Liga dos Campeões, ficando-se pelos quartos-de-final, depois de ter sido derrotado, por 3-1, no cômputo da eliminatória, frente ao Chelsea.

 

Nota final para a arbitragem: Em ambas as mãos, o peso dos milhões e respectivos patrocínios valeu bem mais do que os tostões portugueses. Incrível dualidade de critérios, quer na marcação de faltas, quer na amostragem de cartões. É que se é para deixar jogar, é para os dois lados. Quanto à grande penalidade cometida por Javi García, até se pode aceitar a decisão. Mas por que motivo não se marcou o penálti cometido de forma escandalosa por Terry na primeira mão, na Luz? À atenção (se, porventura, lhe interessar) do senhor Platini!

 

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Artur Moraes; Maxi Pereira, Javi García, Emerson e Capdevila; Matic, Witsel, Aimar, Gaitán (Gaitán, 61’) e Bruno César (Rodrigo, 72’); Cardozo (Nélson Oliveira, 57’).

Texto: Sónia Antunes

Fonte: SLB
publicado por Benfica 73 às 08:37

Março 28 2012

Na primeira noite europeia depois se ter conhecido que a Catedral irá ser o palco da final da edição 2013/2014 da Liga dos Campeões, o Estádio da Luz engalanou-se para receber o embate entre o Benfica e o Chelsea. Numa partida em que foi totalmente superior, a equipa comandada por Jorge Jesus foi traída por um golo aos 74 minutos, mas nada está perdido. 

Estar entre as oitos melhores equipas da Europa é um desejo que muitos emblemas têm, mas nem todos conseguem concretizar tal desiderato na sua história. E a história fala por si, bastando recordar que o Sport Lisboa e Benfica é o terceiro clube com mais presenças nos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus / Liga dos Campeões.

 

A ambição de ganhar do Benfica é, portanto, ilimitada desde sempre e foi com essa ambição, aliada um grande espírito de entreajuda, que os jogadores entraram em campo para mais um confronto na Liga dos Campeões. E este foi um desafio marcado pela particularidade de ser inédito, já que os dois emblemas nunca se tinham defrontado em termos oficiais.

 

Para a partida da primeira-mão dos quartos-de-final da “Champions”, o treinador Jorge Jesus apostou numa defesa composta por Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Emerson; num meio-campo com Javi García, Witsel, Bruno César, Gaitán e Aimar, ficando Cardozo como referência de ataque.

 

Do lado do Chelsea, nota para os regressos de David Luiz e Ramires a uma casa que bem conhecem. Com uma estratégia bem ao estilo italiano, até porque o seu treinador é dessa nacionalidade, a formação inglesa fechou-se bem atrás, a lembrar muitas das equipas do Campeonato Nacional que passam pelo Estádio da Luz. Mas não…foi mesmo o Chelsea, emblema com outras aspirações, que quase foi uma sombra durante o primeiro tempo. O único lance de perigo mais iminente aconteceu aos 40 minutos, no entanto, o remate de Raul Meireles foi muito bem defendido por Artur Moraes.

 

O Benfica procurou criar desequilíbrios junto do conjunto contrário, nomeadamente pela ala direita, mas as jogadas nem sempre tiveram o final desejado. Cardozo, aos 14’, 18’ e 28 minutos, tentou acertar no alvo, seguindo-se mais tarde os remates de Bruno César (32’ e 36’).

Domínio claro traído por golo de Kalou

Já diz o hino do Benfica que “tenho a genica que a qualquer um engrandece”. Foi com essa genica inconfundível do Glorioso que começou o segundo tempo, com Cardozo a ser o primeiro a estar muito perto do golo, valendo um corte de David Luiz que impediu, assim, que o marcador fosse aberto (47’). O mote estava lançado e Bruno César voltou a aparecer, desta feita com mais um remate de longe (50’).

 

O Benfica continuou a carregar literalmente sobre o Chelsea, colocando os defesas visitantes em dificuldades. Foi numa dessas jogadas que o árbitro italiano Paolo Tagliavento não viu John Terry cortar um cruzamento com o braço, ou seja, não foi assinalada uma grande penalidade a favor do Benfica (59’). Na resposta, o Chelsea foi até à área “encarnada” por intermédio de Mata, jogador que rematou ao poste (60’).

 

Foi um lance totalmente contra a corrente de jogo e ao qual os pupilos de Jorge Jesus não perderam tempo a reagir. Com um ritmo de jogo muito alto, o Benfica voltou a estar perto do tão merecido golo. Um remate de Witsel foi desviado por cima da barra (64’), enquanto um cabeceamento de Jardel foi incrivelmente parado pelo guarda-redes do Chelsea (66’).

 

O futebol é, claramente, uma modalidade onde é difícil aceitar certos resultados. Foi o caso desta noite, já que o Chelsea conseguiu sobreviver ao domínio benfiquista e marcar num lance totalmente esporádico. Kalou foi o autor do tento (74').

Apesar deste resultado em casa (0-1), a eliminatória está totalmente aberta. O jogo da segunda-mão é no próximo dia 4 de Abril, em Stamford Bridge. 

O Benfica alinhou com a seguinte equipa: Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Emerson; Javi García (Nolito, 81’), Witsel, Bruno César (Rodrigo, 69’), Gaitán e Aimar (Matic, 68’); Cardozo.

Texto: Rui Manuel Mendes

publicado por Benfica 73 às 17:42

Março 16 2012
O Benfica irá medir forças com os ingleses do Chelsea em jogo dos quartos de final da Liga dos Campeões.
A partida da primeira mão está marcada para 27 ou 28 de março, no Estádio da Luz, e a segunda para 3 ou 4 de abril, em Londres.
Se o Benfica conseguir afastar o Chelsea, a equipa portuguesa irá defrontar o vencedor da partida entre o Milan e o Barcelona.
O Chelsea conta no plantel com dois ex-jogador do Benfica, David Luiz e Ramires, e as «estrelas» Drogba, John Terry, Lampard, Torres, Mata, os portugueses Bosingwa, Hilário, Paulo Ferreira, Raul Meireles.
Fonte: A Bola
publicado por Benfica 73 às 11:45

Março 09 2012
publicado por Benfica 73 às 20:34

Março 07 2012

Seis anos depois, o Benfica está nos quartos-de-final da Liga dos Campeões! Depois da derrota (3-2) na gélida russa, um verdadeiro Inferno da Luz, carregou um Benfica de Champions para a vitória (2-0). Fato de macaco vestido na primeira parte, cabecinha e sacrifício nos derradeiros 45 minutos. Maxi Pereira e Nélson Oliveira marcaram os golos de uma noite… “à Benfica”!

 

Em desvantagem na eliminatória e a ter, obrigatoriamente, de marcar para seguir em frente, cedo se percebeu ao que vinha este Benfica. E cedo – também - se percebeu que que as vozes agoirentas falaram antes de tempo. Depois de nas últimas partidas para o Campeonato Nacional o Benfica não ter conseguido vencer, era com enorme expectativa que se aguardava a resposta dada em campo pelos homens de Jorge Jesus… e os minutos iniciais mostraram imediatamente que este era um Benfica de Champions: sem fato de gala, mas vestido a rigor de fato de macaco.

 

Com um onze rotinado, com cada jogador a saber exactamente que posição adaptar e o que fazer, o Benfica fez o que lhe competia: tomou a iniciativa e as rédeas do encontro, partindo para cima de uma formação russa que muito pouco fez para além de nada tentar fazer. Dito de uma outra forma: antijogo puro ao longo dos primeiros 45 minutos.

 

Do outro lado uma equipa personalizada, com responsabilidade e que sabe muito bem a importância desta Champions. E quando assim é… futebol ofensivo, pressão altíssima e muita, muita vontade, onde – na maioria das vezes – faltou aquela estrelinha e, diga-se, também uma pontinha de discernimento.

 

O primeiro canto da partida pertenceu ao Benfica, logo aos dois minutos, e a partir daqui foi uma verdadeira avalancha ofensiva. Aos 14’, Bruno César tira as medidas da baliza, para a primeira grande defesa da noite. Aos 20’, belíssima jogada de combinação atacante, mas a bola – tão teimosa – percorre a linha de golo sem que alguém surgisse… e era só empurrar. Aos 24’, livre estudado, Cardozo aparece solto, mas o remate do paraguaio acaba por morrer na muralha de homens russos. Meia hora de jogo e mais um momento de espectacularidade na Catedral: Gaitán corre de área a área, faz todo o corredor central, mas na hora de matar o lance, o esférico sai um bocadinho adiantado, perdendo-se mais uma boa oportunidade de golo.

 

E os lances sucediam-se, com o nervoso miudinho a começar a tomar conta das hostes, com um Benfica a carregar, carregar, face a um amorfismo total da formação russa que, por esta altura, já nem no contragolpe apostava. Aos 38’, Emerson rematou de longe para, no minuto seguinte, Bruno César imitá-lo. A bola passava por cima, pelos lados, era defendida… enfim, que teimosa ela estava em entrar.

 

Mas já diz o ditado popular, “tantas vezes vai o cântaro à fonte”… e assim foi! Já nos minutos de compensação (apesar de quatro, foram poucos!), depois de mais um lance na área russa, surge o batalhador Maxi Pereira que – com frieza – remata seguro para o 1-0 (3-3 no cômputo das duas mãos) que virava a eliminatória a favor do único Clube que fez para o merecer.


Raça, querer e ambição… um Benfica à Campeão!

Segunda metade e uma partida bem mais movimentada. É que a perder na eliminatória o Zenit teria que fazer algo… pelo menos alguma coisa!

De forma tacticamente muito inteligente, o Benfica ofereceu a iniciativa de jogo aos russos, resguardando-se defensivamente. Com a subida no terreno da armada adversária, abriram-se novos espaços e era, então, a vez do Benfica de mostrar que, quando é necessário, também sabe jogar em contragolpe. 

 

E foi dessa forma que Jardel, na sequência de um canto e Cardozo, num remate de meia distância, poderiam ter aumentado em vantagem. Escandalosa foi mesmo a oportunidade perdida por Tacuara, aos 69’, que, isolado na cara do guardião adversário, remata ao lado. Aos 74’, nova oportunidade para o paraguaio, mas desta vez o mérito vai todo para a defesa espectacular de Malafeev. No canto consequente, lance muito duvidoso, ficando por assinalar grande penalidade sobre Óscar Cardozo.

 

A tendência do encontro manteve-se, veja-se as substituições operadas, com a equipa “encarnada” a mostrar muita cabecinha e um espírito de entreajuda louvável. Com os russos a darem o tudo por tudo na recta final, à excepção de um remate perfeitamente controlado de Bruno Alves, coube ao Benfica as melhores oportunidades e, mais uma vez, não fosse alguma falta de estrelinha, os números da eliminatória poderiam mesmo ser outros.

 

A fechar a noite, justiça. Nélson Oliveira, depois de assistência de Bruno César, faz o 2-0 final, 4-3 no cômputo das duas mãos. O Benfica está, volvidos seis anos, nos quartos-de-final da Liga dos Campeões, sendo que a última vez que o Benfica atingiu esta fase da prova foi em 2006, na altura Ronald Koeman era o timoneiro da formação “encarnada”.

 

Referir, por último, que o sorteio realiza-se na próxima sexta-feira, dia 16 de Março, em Nyon, com os desafios aprazados para 28 de Março (1.ª mão) e 4 de Abril (2.ª mão).

 

O Benfica alinhou com a seguinte equipa: Artur Moraes; Maxi Pereira, Luisão, Jardel e Emerson; Javi García, Witsel, Gaitán (Matic, 72’) e Bruno César; Cardozo (Nélson Oliveira, 80’) e Rodrigo (Nolito, 62’).

Texto: Sónia Antunes

Fonte: SLB

publicado por Benfica 73 às 07:37

BENFICA 73
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


comentários recentes
Viva o BenficaSaudações de UMA TETRA
O apoio financeiro a indivíduosOlá,Você está preso...
Get a Loan Today At 3% Interest Rate, contact us a...
Boa tarde,Gostaríamos de dar a conhecer o novo sit...
Boa tarde,Será possivel obter o contato do adminis...
A nível de centrais, apesar dos 2 jovens da equipa...
Caro Benfica73, Rebocho é lateral esquerdo de raiz...
Eu aceitava nos seguintes termos, um milhão à cabe...
Esta gentinha que se governa do futebol, fala de m...
E qual é o valor da cláusula? Parece que o PC está...
Incrível como o site notíciasaominuto não sabe que...
Não terão começado já a tentar desestabilizar o Be...
Apesar de tudo e contra tudo e contra todos (ontem...
O Benfica tem uma estrutura psicológica muito fort...
ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃOVISTO NA NETE DEVE SER LIDO ...
OS PRÓPRIOS SPORTINGUISTAS LÚCIDOSE NÃO CARNEIROS ...
ACHO QUE MERECE JÁ UM POST, EM TODOS OS BLOGUES BE...
Com tal tirada sobre a falta de 'carácter', o padr...
Tanto quanto narra a história a Cinderela saiu ven...
Fosse eu a tratar deste assunto e se este está a d...

contador visitante